Levante de Soweto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Levante de Soweto foi um dos mais sangrentos episódios de rebelião negra desde o início da década de 1960, desencadeado pela repressão policial à passeata, em 16 de junho de 1976, de protesto contra a inferioridade das "escolas negras" na África do Sul[1] . Estima-se que havia entre 15.000 a 20.000 estudantes no protesto.[2]

A manifestação pacífica - os estudantes, cantando, marchavam por Soweto (subúrbio negro em Johanesburgo) em direção a um estádio aberto, onde fariam um comício - foi alvo de uma bomba de gás lacrimogêneo por um policial, para, em seguida, ser atingida por disparos das tropas de choque munidas de armas automáticas. O número de pessoas mortas oficialmente é de 95[3] , mas normalmente é dito que foram 176, mas há estatísticas que foram 700.[4] [5] Um dos mortos foi o estudante Hector Pieterson, aos 13 anos de idade, que se torno símbolo do massacre.[6] [3]

Em memória desta data, a então OUA instituiu em 1991 o Dia da Criança Africana. [7]

Causas[editar | editar código-fonte]

O sistema segregacionista sul-africano, instituído nos anos 1950, forçava os negros a pagar para frequentar escolas com classes superlotadas e professores sem qualificação adequada, ou mesmo inferior, enquanto a educação para os brancos era gratuita[8] .

Em 1975, o governo decretou a obrigatoriedade do ensino no idioma africâner, antes em inglês, para as matérias acadêmicas nas escolas secundárias negras. Para os estudantes negros a medida era uma ponte para o fracasso: para ter sucesso precisava ser fluente nos idiomas oficiais do país - inglês e africâner.[6] [3]

Movimentos negros[editar | editar código-fonte]

A organização dos Estudantes Sul-Africanos (South African Students Organization) (1968) foi o primeiro grupo anti-apartheid de jovens negros e fazia parte do abrangente Movimento de Conscientização Negra que lutava para superar a opressiva sensação de inferioridade dos negros. Um dos seus fundadores, Steve Biko (1946-1977), desde cedo engajado na luta desarmada contra o apartheid, morreu aos 30 anos de idade, ao desafiar o "regime de banimento" a que estava submetido pelo governo que o proibira de se manifestar politicamente.[6] [3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The birth and death of apartheid. Visitado em 17 June 2002.
  2. 16 June 1976 Student Uprising in Soweto. africanhistory.about.com
  3. a b c d Turner Publishing, Inc. e Century Books, Inc. Nosso Tempo, Volume II; pg. 567. Editora Klick. 1995
  4. Harrison, David. The White Tribe of Africa. [S.l.: s.n.], 1987.
  5. (Les Payne of Newsday said at least 850 murders were documented) Elsabe Brink; Gandhi Malungane; Steve Lebelo; Dumisani Ntshangase; Sue Krige, Soweto 16 June 1976, 2001, 9
  6. a b c África do Sul marca 30 anos do levante de Soweto
  7. "Hoje é Dia da Criança Africana" no portal da Agência AngolaPress
  8. Afrikaans Medium Decree
Ícone de esboço Este artigo sobre revoltas populares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.