Liberdade assintótica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Em física, liberdade assintótica é a propriedade de teorias de gauge que causa as ligações entre partículas se tornarem assintoticamente fracas com o aumento da energia e o decrescimento da distância.

Liberdade assintótica é uma propriedade da cromodinâmica quântica, a teoria quântica de campos de interações nucleares entre quarks e gluons, os constituintes fundamentais da matéria nuclear. Quarks interagem fracamente em altas energias, permitindo cálculos perturbativos, feitos pelo DGLAP (grupo de cientistas que escreveram pela primeira vez sobre a evolução da teoria de cromodinâmica quântica), de cortes transversais em processos inelásticos de física de partículas; e interagem fortemente em energias baixas, prevenindo a separação de bárions (como prótons ou neutrons com três quarks) ou mesons (como píons com dois quarks), as partículas compostas de matéria nuclear.

A liberdade assintótica foi descoberta e descrita em 1973 por Frank Wilczek e David Gross, e independentemente por David Politzer no mesmo ano. Todos os três receberam o Prêmio Nobel de Física em 2004.

Descoberta[editar | editar código-fonte]

A liberdade assintótica foi descrita e publicada em 1973 por David Gross e Frank Wilczek, e também por David Politzer. Apesar desses autores serem os primeiros a entenderem a importância das interações fortes, Iosif Khriplovich, em 1969, também descobriu a liberdade assintótica na teoria de gauge [Grupo especial unitário|SU(2)] apenas como uma curiosidade matemática, e Gerard 't Hooft, em 1972, também observou o efeito, mas não publicou a descoberta. Por sua descoberta, Gross, Wilczek e Politzer receberam o Prêmio Nobel de Física em 2004.

A descoberta ajudou a restaurar a teoria quântica de campos. Antes de 1973, muitos teóricos acreditavam que a teoria de campos era fundamentalmente inconsistente pois suas interações se tornam infinitamente fortes em pequenas distâncias. Tal fenômeno é conhecido em inglês como Landau pole, que determina a menor escala de distância que a teoria é capaz de descrever.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Vinte e cinco anos de liberdade assintótica por David Gross (Prêmio Nobel de 2004 por esta descoberta) (em inglês)]

Ícone de esboço Este artigo sobre física é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.