Liga da Justiça

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Liga da Justiça da América)
Ir para: navegação, pesquisa
Liga da Justiça
League.jpg
Dados sobre publicação
Publicado por DC Comics
Primeira aparição The Brave and the Bold #28 (Fevereiro-Março de 1960)
Criado por Gardner Fox
Características do grupo
Base de operações Sala da Justiça
Satélite
Torre de Vigilância
Membros fundadores Superman (Pré-Crise)
Batman (Pré-Crise)
Mulher Maravilha (Pré-Crise)
Flash
Caçador de Marte
Aquaman
Membros atuais Batman
Flash
Superman
Capitão Marvel (DC Comics)
Aquaman
Mulher Maravilha
Lanterna Verde
[1]
Ver Lista de membros da Liga da Justiça
Projecto Banda desenhada  · Portal da Banda desenhada

A Liga da Justiça da América é uma equipe de super-heróis criada pela editora americana DC Comics, inspirada na Sociedade da Justiça, outra equipe de super-heróis, mas essa criada nos anos 1940. Entre seus membros, destacam-se: Superman, Batman, Aquaman, Mulher Maravilha (Supermulher em Portugal tal como aconteceu no Brasil até 1976)[2] , Lanterna Verde, Mulher Gavião, Flash e Caçador de Marte, também conhecidos como os "Sete Magníficos". Apesar dessa formação ser a mais conhecida, a equipe teve inúmeras outras distribuídas em diversas fases, tais como a Satélite da Liga da Justiça, a Liga da Justiça Internacional, Cloudy Evolution, Força-Tarefa da Liga da Justiça e Liga da Justiça Elite.

Há alguns anos, a Warner Bros. criou uma versão em desenho animado do grupo, Liga da Justiça e Liga da Justiça Sem Limites. Foi muito bem recebido pela crítica e por muitos dos fãs, não só da equipe, mas também leitores de outras editoras.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Era de Prata e de Bronze[editar | editar código-fonte]

Buscando sucesso ao reintroduzir alguns personagens da Era de Ouro (tais como Joel Ciclone, Lanterna Verde, Pantera, etc), durante a década de 1950, a DC Comics pediu ao escritor Gardner Fox para reintroduzir a Sociedade da Justiça da América. Influenciado pela popularidade da National Football League e da Major League Baseball (Liga Nacional de Futebol Americano e Liga Principal de Baseball, em tradução livre), Fox decidiu mudar o nome do grupo para Liga da Justiça da América. A equipe estreou em The Brave and the Bold#28, de 1960[3] , e logo tornou-se um dos títulos mais vendidos da editora. Assim como na SJA, o conceito da LJA era basicamente o mesmo: reunir os personagens mais populares da época em uma mesma série.

A Liga da Justiça operava em uma caverna, de localização secreta, na pequena cidade americana de Happy Harbor. O adolescente Snapper Carr juntou-se ao grupo, sendo mascote e também membro da equipe.

Fase Satélite[editar | editar código-fonte]

Devido a necessidade de um novo e seguro quartel-general, em Justice League of America#78, de 1970, o grupo mudou-se para um satélite, que orbitava a Terra. Durante esse período, a formação do grupo limitou-se a sete membros, a saber: Arqueiro Verde, Eléktron, Gavião Negro, Canário Negro, Vingador Fantasma, Homem Elástico e Tornado Vermelho. Mais tarde esse limite foi estendido, permitindo assim que Zatanna e Nuclear entrassem para a equipe.

Fase Detroit[editar | editar código-fonte]

Em 1984, em uma tentativa de emular o maior sucesso da DC na época, os editores da empresa decidiram por renovar a formação da equipe, substituindo os antigos membros por integrantes mais jovens. A nova base, na cidade de Detroit, no estado de Michigan, foi mal vista pelos fãs, que reclamavam da escolha dos membros da equipe, que continha personagens do segundo escalão, como Vixen, Cigana, Gládio e Vibro. Criada por Gerry Conway e Chuck Patton, a equipe foi, inicialmente, liderada por Aquaman e, além dos citados, contava com o Caçador de Marte, Zatanna e Homem Elástico, mas a maior parte das histórias eram focadas nos membros novatos. Pouco tempo depois da formação da equipe, os veteranos Aquaman e Homem Elástico deixaram a equipe. Mesmo com o retorno de Batman à equipe, na edição#250, não foi possível evitar o declínio da série. A última edição, de número 261, escrita por J. M. DeMatteis e desenhada por Luke McDonnell culminou com o assassinato de Vibro e Gládio, pelas mãos do Professor Ivo, na minissérie Lendas.

Liga da Justiça Internacional[editar | editar código-fonte]

A minissérie Lendas, primeiro grande evento do recém recriado Universo DC (ver Crise nas Infinitas Terras), estrelou a formação de uma equipe destinada a combater o crime, chamada Liga da Justiça. A série, escrita por Keith Giffen e J.M. DeMatteis, com a arte de Kevin Maguire (e mais tarde Adam Hughes), tinha por característica o acentuado tom de humor presente em todas as histórias, mesmo as mais sérias. A equipe era constituída por personagens que, originalmente, eram de Terras diferentes, na estruturação do Universo DC na sua fase Pré-Crise[4] . A primeira formação incluia Batman, Canário Negro, o Lanterna Verde (Guy Gardner), Besouro Azul, Capitão Marvel, Doutora Luz, Senhor Destino, Capitão Átomo, Fogo, Gelo e dois Sovietes Supremos. A nova abordagem humorística do grupo, mesmo não agradando a todos, provou-se muito popular, mas infelizmente as equipes criativas que se seguiram a dupla Giffen/Matteis não foram capazes de capturar o balanço entre humor e heroismo, resultando em uma baixa na popularidade da série. Esses escritores deram um tom mais sério às histórias, porém, em meados dos anos 1990, devido a queda do sucesso comercial da revista, ela própria, assim como as suas séries relacionadas (Liga da Justiça Europa, Liga da Justiça Força-Tarefa, etc), foram canceladas.

LJA[editar | editar código-fonte]

As baixas vendas das várias séries (que fizeram a popularidade do grupo concorrente, Os Vingadores da Marvel comics) relacionadas à Liga da Justiça fizeram com que a DC optasse por renovar a Liga utilizando uma só série para contar as histórias do grupo. Uma nova Liga da Justiça foi formada em 1996, em uma minissérie escrita por Mark Waid e Fabian Nicieza, que deu origem à nova série do grupo, em 1997, chamada LJA (JLA, em inglês), escrita por Grant Morrison e desenhada por Howard Potter, sendo arte-finalizada John Dell.

A série seria uma tentativa de uma "volta as origens", utilizando os sete membros originais, ou seus sucessores (como Wally West, o Flash e Kyle Rayner, como Lanterna Verde) como o núcleo do time, que contava também com estreantes como Oráculo, Aço e Homem-Borracha. Além disso, a equipe contava com uma nova base, a chamada Torre de Vigilância, um complexo de alta tecnlogia localizado na Lua. Morrison introduziu a idéia de que a Liga teria suas personalidades e habilidades próprias.

Uma vez que a nova equipe incluia muitos dos mais poderosos heróis da DC, o foco das histórias mudou. A nova Liga passou a lidar exclusivamente com as maiores ameaças à Terra, as quais só poderiam ser enfrentadas por tal nível de combinação de poderes e habilidades. Entre essas ameaças, inclui-se um exército de invasores alinígenas, uma horda de anjos renegados, uma coalizão de vilões e diversas outras ameaças cósmicas. Além disso, devido ao fato de que quase todos os membros da equipe possuiam suas próprias séries mensais, as histórias da LJA quase sempre eram auto-contidas, com todos os seus capítulos insertos na própria série do grupo. Apesar disso, acontecimentos importantes das séries mensais dos membros, tal como a mudança de uniforme de Superman, refletiam na série da equipe.

A nova tentativa funcionou e LJA logo tornou-se um dos títulos mais vendidos da editora, posição essa que a série desfrutou por vários anos. Apesar disso, dessa vez, a editora optou por não criar séries relacionadas, como no passado, utilizando, agora, minisséries e edições especiais, caso desejasse lançar alguma história do grupo fora da série da equipe. A única série relacionada que foi criada, nessa encarnação da série, foi a Liga da Justiça Elite, que é uma seqüência de LJA#100. No entanto, JLE foi uma minissérie de doze edições.

Em 2006 (originalmente em 2005, nos EUA), um arco de histórias, contadas por Geoff Johns e Alan Heinberg, chamado de Crise de Consciência (JLA#115-#119) apresenta o fim da Liga, como resultado da quebra do segredo sobre a manipulação das memórias de vários vilões e do Batman (ver Crise de Identidade). No fim do arco, Superboy Primordial ataca o Caçador de Marte e destrói a Torre de Vigilância, encerrando o título, na edição 125.

Integrantes[editar | editar código-fonte]

Vilões[editar | editar código-fonte]

São praticamente incontáveis os vilões enfrentados pela Liga. Entretanto, entre os mais importantes, pode-se destacar:

Estatutos[editar | editar código-fonte]

Propósito[editar | editar código-fonte]

O propósito da Liga da Justiça da América (LJA), junto com outras Ligas, como a Liga da Justiça da Europa, é manusear ameaças a segurança da Terra - ambas terrestres e extraterrestres - que estejam além do poder das forças de segurança e policiamento convencionais. Se requerido, a Liga deve tomar missões de auxílio a outros planetas. Entretanto, a maior responsabilidade da Liga é a paz e bem-estar da Terra. A Liga deve participar também de serviço público e funções de caridade quando não envolvidos em deveres de prioridade maior.

Financiamento[editar | editar código-fonte]

A Liga da Justiça da América é uma organização não lucrativa incorporada aos Estados Unidos da América. O dinheiro para as operações e manutenção da Liga é custeado pela ONU e Fundação Wayne, que não possuem o direito de saber o uso do capital dentro da estrutura organizacional da Liga, mas retém o direito de limitar ou suspender seu financiamento por qualquer motivo (exceção: Durante o período em que foi Liga da Justiça Internacional, a organização era financiada por Maxwell Lord e a ONU, e Max sabia o uso do capital). A LJA irá usar estes fundos para a manutenção de seus quartéis-generais e equipamento, e certos benefícios especiais para membros (os quais especificamente excluem compensação por serviços prestados).

Limite de membros ativos[editar | editar código-fonte]

A LJA não deve ter mais que doze membros ativos duma vez, a menos que um indivíduo seja garantido com status temporário especial. O limite de membros está de acordo com aceitação das Nações Unidas (ONU).

Condição de membro ativo[editar | editar código-fonte]

Qualquer candidato a membro da LJA deve ser um adulto de idade legal, distinto por ao menos um ano de serviço público ativo, voluntário a participar em todas as missões da Liga, e ser disponível para ser convocado 24 horas por dia. Condição de membro na Liga é garantida independente de raça, cor, credo, sexo ou cidadania.

Candidatura a membro e eleições[editar | editar código-fonte]

Um candidato a membro deve ser indicado por um membro ativo de boa posição em uma reunião regular ou emergencial do grupo. Um candidato será eleito com ao menos dois terços dos votos de total de membros ativos.

Condição de membro fundador[editar | editar código-fonte]

Condição de membro fundador é um status especial dado aos 7 membros sênior da Liga. A LJA não pode exceder mais que 7 membros fundadores duma vez. Membros fundadores servem como autoridade final em todos os assuntos de policiamento, podem valer como voto adicional, como grupo no evento de um desempate, servem como tribunal para todos os assuntos disciplinares, e tem autoridade para dissolver a LJA. Membros fundadores também agem como elo de ligação entre a LJA e as Nações Unidas. Membros fundadores devem permanecer como parte do grupo a fim de manter seu status. Somente um membro fundador ativo pode indicar um candidato a status de membro fundador. O candidato só será eleito com a maioridade de votos do inteiro grupo (membros fundadores, ativos e reservas, passados e presentes). A condição de membro fundador é vitalícia, ou até que o membro opte por declinar da responsabilidade e nomear um substituto. Se um membro fundador é suspenso ou expulso, uma substituição será votada pelo grupo na próxima reunião regular. Atualmente, o status de membro fundador está a cargo de Bruce Wayne (Batman), Hal Jordan (Lanterna Verde), Clark Kent (Superman), Arthur Curry (Aquaman), Barry Allen (Flash), J'onn Jonzz (Caçador de Marte) e Diana Prince (Mulher Maravilha).

Condição de membro reserva[editar | editar código-fonte]

Reservistas são membros que são permitidos a ter status de membro ativo, mas não tem total disponibilidade para ser convocado 24 horas por dia ou estar presente nas reuniões da LJA. Reservistas podem ser evocados pelo líder em eventos em que a Liga não está operando em poderio apropriado para completar a missão atual. Os requerimentos para status oficial de membro reserva são: deve ter auxiliado a Liga em ao menos uma missão, deve ser um adulto de idade legal, distinto por ao menos um ano de serviço público, e ser voluntário a participar d as missões emergenciais da Liga. Reservistas não têm de exercer deveres regulares ou um número de missões que devem efetuar. Reservistas podem ganhar comunicadores da Liga, e podem assistir reuniões de emergência. Eles têm acesso limitado aos quartéis-generais da Liga. Eles devem requerer permissão ao líder ativo do grupo para usar equipamento da LJA. Reservistas podem também exercer serviço público e funções de caridade, e eles têm a opção de não comparecer a reuniões regulares da Liga.Como membros ativos, não são requeridos a revelar suas identidades civis para o resto da Liga. Um reservista que entre nos requerimentos para membro ativo pode fazer petição para tal. A petição dum reservista tem prioridade quando uma vaga ocorre entre os membros ativos. Reservistas podem declinar de seu status como tal a qualquer hora. O status de um reservista é automaticamente desativado se ele for indisponível por 3 chamadas consecutivas para missões.

Condição de membro honorário[editar | editar código-fonte]

Membros honorários são indivíduos que auxiliam numa missão da LJA mas declinam ou são incapazes de assumir condição de membro reserva ou ativo. Eles não podem entrar nos quartéis-generais da Liga sem estarem acompanhados por um membro ativo. Não podem assistir reuniões de emergência, mas eles podem contactar um membro ativo, que determina se o assunto requer a atenção da inteira LJA. Membros honorários não têm de exercer deveres regulares. Eles podem fazer serviços sociais e podem assistir reuniões de negócios. Um voto de dois terços do grupo é necessário para revogar um status de membro honorário.

Condição de chairman (líder)[editar | editar código-fonte]

O dever do líder é coordenar todas as atividades da liga. Cada membro ativo pode ser nomeado para esta posição, que é eleita com dois terços de maioridade de votos. O cargo é aplicável durante menos de um ano, e um mesmo líder pode ser reeleito consecutivamente ilimitado número de vezes. Ao evento que o líder esteja ausente ou incapaz de exercer o cargo, a liderança será assumida pelo membro mais antigo do grupo até que um novo líder seja oficialmente eleito.

Privilégios de membros[editar | editar código-fonte]

Qualquer membro eleito terá status de membro na LJA em termos vitalícios, tendo livre acesso aos quartéis-generais da Liga, e se for membro ativo terá seu próprio quarto e escritório no QG da LJA. Cada membro da LJA terá voto e privilégios iguais (exceção: Membros-fundadores podem valer como voto adicional como grupo no evento de um desempate). Por acordo com a ONU, cada membro da Liga pode viajar para outros países sem necessidade de passaporte. Não é requerido a nenhum membro jurar aliança a qualquer organização externa.

Requerimentos de membros ativos[editar | editar código-fonte]

Nenhum membro da LJA pode aceitar pagamento por serviços quando em sua identidade uniformizada [exceção: Durante o período em que foi financiada por Maxwell Lord (Liga da Justiça Internacional), membros da Liga recebiam um salário.]. Cada membro irá manter um registro de missões individuais ou grupo para os arquivos da Liga. Cada membro deve fazer um relatório explanando motivos de ausência nas missões ou reuniões da Liga. Sempre que possível, um membro deve avisar antecipadamente sobre uma ausência, então o líder pode avaliar o poder do grupo e contatar ativos e/ou reservas se necessário. Membros ativos devem portar seus comunicadores da Liga, estando prontos para serem convocados 24 horas por dia. Membros não são requeridos a revelar suas identidades civis para o resto da Liga, mas podem faze-lo caso queiram, entendido implicitamente que isto será mantido sob o mais alto sigilo. Membros são proibidos de revelar quaisquer segredos do grupo a não-membros, incluindo cônjuges. Qualquer membro ativo não-fundador deverá fazer seu turno no monitor. Como grupo ou indivíduos, qualquer membro, passado ou presente, é proibido de usar seus poderes e habilidades para adquirir poder político, violar os direitos civis de qualquer indivíduo, interferir em assuntos internacionais de nações, ou tomar parte em conflitos internacionais. A LJA não pode interferir na rotina de ações policiais ou qualquer assunto sob jurisprudência federal ou local, salva quando especificamente requerido. Do mesmo modo, não podem interferir em assuntos interplanetários que não tenham a ver com a segurança da Terra sem apropriada autorização da parte envolvida ou duma reconhecida organização de policiamento interestelar (como a Tropa dos Lanternas Verdes).

Reuniões[editar | editar código-fonte]

Encontros regulares de negócios serão efetuadas no QG da LJA 12 vezes por ano, no último sábado de cada mês, a fim de discutir assuntos organizacionais. O comparecimento de todos os membros ativos é esperado. Reuniões de emergência podem ser evocadas a qualquer hora por qualquer membro ativo ou reserva. Todos os membros disponíveis deverão comparecer a reuniões de emergência. Todas as reuniões serão digitalmente gravadas para os arquivos da LJA.

Turnos no monitor[editar | editar código-fonte]

Cada membro ativo é requerido a fazer um rodízio de um serviço de observação do monitor do QG da Liga de 24 horas. Membros fundadores são isentos dos deveres do monitor, mas podem ser voluntários a entrar no rodízio. Se um membro escalado não puder estar disponível, deve de antemão contatar um substituto entre os membros ativos. Cada membro deve cumprir os turnos faltados. O membro deve permanecer desperto em dois terços de seu turno. O membro no dever do monitor tem direito a um convidado, desde que este não interfira no serviço.

Punição de criminosos[editar | editar código-fonte]

Todos os criminosos detidos pela LJA serão trazidos perante um corpo judicial e estarão sujeitos a isto, sejam eles terrestres, extraterrestres ou extradimensionais. Ações de agressão ou má conduta interestelares serão punidos de acordo com os mandatos duma reconhecida organização de policiamento interestelar apropriada. O tribunal em exercício, não a LJA, irá decidir o rigor da punição de um criminoso. Encarceramento será veiculado em instituições convencionais, exceto em casos onde o criminoso não pode ser detido pelas instalações existentes. Neste caso, a LJA tem liberdade a fim de prover uma forma de detenção sob revisão das Nações Unidas ou duma reconhecida organização de policiamento interestelar.

Outras mídias[editar | editar código-fonte]

O Filme[editar | editar código-fonte]

  • Em 2007 George Miller assinou com a Warner para dirigir a primeira versão live-action de um filme da Liga da Justiça.[5] O projeto tinha como base usar elementos da série dos quadrinhos Projeto OMAC. Nomes como Armie Hammer e Adam Brody já estavam confirmados no elenco, mas o filme acabou cancelado e o projeto foi engavetado.
  • Em 2012 a Warner voltou a trabalhar no filme do supergrupo e contratou Will Beall para cuidar do roteiro.[6] A estreia inicial estava prevista para 2015, mas recentemente o roteiro começou a passar por problemas e a produção do filme continua uma incógnita.[7] Em 2014 a Warner divulgou uma lista de projetos até 2018, entre eles está o filme live-action da LIGA DA JUSTIÇA.

Desenhos animados[editar | editar código-fonte]

  • A primeira vez que a Liga da justiça apareceu fora dos quadrinhos foi em 1967 no desenho animado da Filmation, Justice League of America, no segmento para o programa The Superman/Aquaman Hour of Adventure. Somente 3 episódios foram feitos. Chegou a ser exibido nos anos 80 no Brasil, no extinto programa de Sérgio Malandro.
  • O desenho animado mais longo envolvendo uma versão da Liga foi Super Amigos, que teve um total de 5 temporadas de 1973 a 1986.
  • Após a aparição duma versão futura da Liga num episódio de Batman Beyond, a versão contemporânea começou com sua própria série em 2001, Liga da Justiça.

Séries Live-action[editar | editar código-fonte]

Este filme vez por outra é transmitido pelo SBT. Os personagens eram o Caçador de Marte, Guy Gardner, Fogo, Gelo, Flash, e Eléktron contra uma versão do Mago do Clima. Isto representou a primeira aparição fora dos quadrinhos para a vasta maioria desses personagens (exceção somente para Flash, e Eléktron, já tendo aparecido em outras mídias). O Guy Gardner deste filme possuía características de Hal Jordan e Kyle Rayner.

  • No seriado Smallville, uma versão da Liga da Justiça é mostrada, formada por versões diferentes de Superman, Arqueiro Verde, Aquaman, Cyborg, Canário Negro, e Flash - Impulso por restrições da DC Comics. É digno de nota, porém, que a Liga da Justiça nos quadrinhos só foi formada quando seus membros já eram adultos.

Ver Também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal:

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]