Limes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Merge-arrows 2.svg
Foi proposta a fusão deste artigo ou se(c)ção com Fronteiras do Império Romano. Pode-se discutir o procedimento aqui. (desde julho de 2012)
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Mapa do Limes alto-germânico e rético.

Limes significa limite, fronteira, caminho ou muralha, em latim. O Limes rético, ou Limes alto-germânico, ou simplesmente o Limes, era a fronteira entre o Império Romano e as tribos germânicas não-conquistadas. Estendia-se desde o Mar do Norte, em Katwijk nos Países Baixos, seguindo ao longo do Reno, até Eining (perto de Kelheim), no Danúbio, percorrendo uma distância total de 568 km que incluía pelo menos 60 castelos e 900 torres de vigia.

O primeiro imperador a mandar construir fortificações ao longo da fronteira foi Augusto, logo após a devastadora derrota romana na Batalha da Floresta de Teutoburgo, em 9 d.C. Inicialmente, ergueram-se diversas muralhas, as quais foram posteriormente ligadas de modo a formar o Limes alto-germânico (ao longo do Reno, na Germânia Superior) e o Limes rético (ao longo do Danúbio, na Récia). Mais tarde, estas duas muralhas foram, por sua vez, unidas.

As invasões germânicas do fim do século III levaram os romanos a abandonar o Limes. Em 2005, as suas ruínas foram inscritas na Lista do Patrimônio da Humanidade como "Fronteiras do Império Romano".

Imagem: Fronteiras do Império Romano A Limes está incluída no sítio Fronteiras do Império Romano, Património Mundial da UNESCO. Welterbe.svg
Ícone de esboço Este artigo sobre História ou um historiador é um esboço relacionado ao Projeto História. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.