Linha da Rosa Arago

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Uma das 135 medalhas de Arago.

Linha da Rosa Arago ou Linha da Rosa é um nome dado ao Meridiano de Paris na mitologia do Priorado de Sião e popularizado por Dan Brown em sua novela O Código Da Vinci.1 Embora o mesmo nome Linha da Rosa é usado para o Meridiano de Paris, em ambos os contextos, também envolvem definições diferentes.

Priorado de Sião[editar | editar código-fonte]

Em 1967, num documento do Priorado de Sião, Au Pays de la Reine Blanche,2 3 afirma que "Rennes-les-Bains é localizado precisamente no meridiano zero, que se conecta em Saint-Sulpice, em Paris", acrescentando que "a paróquia de Rennes-les-Bains guarda no coração de Roseline", sendo uma referência para Santa Rosaline.

Suposto emblema oficial do Priorado de Sião.

Au Pays de la Reine Blanche, também faz referência a "linha do meridiano zero, ou seja, a linha vermelha, em Inglês:" Rose-line.4 Mais tarde, em 1978, Pierre Plantard também se referiu à "linha vermelha do meridiano, a "Rosa-Line" … desde Roseline, a Abade do "Celle aux Arcs', comemora seu dia de festa em 17 de Janeiro… e a sua lenda também vale a pena ler".5

Dan Brown[editar | editar código-fonte]

O termo Rose Line foi popularizado por Dan Brown em sua novela O Código Da Vinci para um nome alternativo como "primeiro meridiano do mundo"6 identificado como o meridiano de Paris.7 No romance de Brown, também funde este meridiano com um gnômon na igreja parisiense de Saint-Sulpice, marcada no chão com uma linha de latão,8 como foi feito em 1967, conforme o Documento do Priorado : Le Serpent Rouge - Notes sur Saint-Germain-des-Près et Saint-Sulpice de Paris (A Serpente Vermelha - Notas sobre Saint-Germain-des-Près e Saint-Sulpice de Paris) atribuída a Pierre Feugère, Saint Louis-Maxent e Gaston Koker,9 a qual chamada de Linha Rosa da "Serpente Vermelha". O Meridiano de Paris, na verdade, passa cerca de 100 metros a leste do gnômon,10 segundo o autor Sharan Newman e um sinal na igreja foi "nunca se chamou Rose-Line".8 11 Uma Brochura ede St. Sulpice, datado de 2000, na página sobre a história do gnomon, a linha de latão descreve como "um meridiano, ele não usa o termo Roseline ou Rose Line.12

Dan Brown, identificou o Meridiano de Paris, com a suposta linhagem de Jesus Cristo e Maria Madalena, bem como a Capela de Rosslyn, na parte central do seu romance.

Citado no livro O Código Da Vinci:

"A entrada da capela Rosslyn foi mais modesto do que Langdon estava a espera. A pequena porta de madeira tinha duas dobradiças de ferro e um sinal de carvalho simples, Roslin. Esta ortografia antiga, Langdon explicou Sophie, que é derivado ao meridiano Rose Line, com o qual os acadêmicos do Graal preferiram acreditar, a partir da "Linha da Rosa '- a linhagem ancestral de Maria Madalena…"13

Citado no livro de Rosslyn e o Santo Graal de Mark Oxbrow e Ian Robertson :

"Dan Brown simplesmente inventou o "Rose Line, ligando Rosslyn e Glastonbury. O nome "Roslin", definitivamente não deriva de qualquer "Linha da Rosa Sagrada". Não tem nada a ver com uma "Linhagem de Rose" ou um 'Rose meridiano Line'. Há muitos dados medievais de "Rosslyn". É «Roslin" certamente não é a ortografia "original" : actualmente, é a grafia mais comum para a aldeia."14

Enquanto Brown apresenta a Linha Rosa como o "Primeiro meridiano do mundo",1 a idéia de estabelecer um meridiano remonta à antiguidade,15 sugeriu que os meridianos atravessassem Rodes ou as Ilhas Canárias. Quando o Greenwich foi adoptado como longitude zero universal em 188416 (e não 1888 como diz o livro), tinha pelo menos nove rivais além de Paris (Berlim, Cádis, Copenhague, Lisboa, Rio de Janeiro, Roma, São Petersburgo, Estocolmo e Tóquio).

No clímax do romance, o protagonista segue a linha de medalhões Arago ao museu do Louvre, onde (segundo o livro) o meridiano de Paris passa por baixo da chamada Pirâmide Invertida em um centro comercial subterrâneo em frente ao museu.17 Seguindo a tradição de interpretações esotéricas deste meridiano, as dicas de romance que esta, é a última morada do Santo Graal. O facto de que o meridiano passa perto da Pirâmide Invertida, também é notado no livro Le guide du Paris maçonnique (O guia da Paris maçônica) por Raphäel Aurillac, da mesma forma que atribui mais forma profunda, o significado esotérico para isto.

Na área do Louvre, o meridiano marcado pela medalhões Arago realmente passa através do museu e do grande pátio em um local consideravelmente a leste da Pirâmide Invertida. Os medalhões no museu estão por trás dos pontos de acesso da bilheteira, enquanto a pirâmide invertida está localizado em um centro comercial, próximo do público ao museu.

Outros pontos de referências, que dizem ser mentira sobre a linha são eles : Arques e Conques,18 a Cathédrale Notre-Dame de Rodez, na cidade de Rodez, St. Vincent em Carcassonne, na Cathédrale Saint-Étienne de Bourges, em Bourges e por fim, Rennes-les-Bains. abt, a Linha da Rosa, código de um filme Da Vinci em Hollywood.

Referências

  1. a b Dan Brown, 'The Da Vinci Code, pág.106
  2. O documento é atribúido por Nicholas Beaucéan, segundo o pesquisador francês Franck Marie (Rennes-le-Château: Etude critique, SRES, 1978, pág.202.) is a pseudonym for Pierre Plantard, and was produced by Pantard's colleague, Philippe de Cherisey; John Saul, Janice Glaholm, Rennes-le-Château, A Bibliography (Mercurious Press, 1985, p. 3).
  3. Richard Andrews, Paul Schellenberger, The Tomb of God: The Body of Jesus and the Solution to a 2,000-Year-Old Mystery, Time Warner Paperbacks, 1997, pag. 258.
  4. Pierre Jarnac, Les Mystères de Rennes le Château: Mélanges Sulfureux, CERT, 1994, p. 11-15.
  5. In Plantard's preface to Henri Boudet,La Vraie Langue Celtique et le Cromleck de Rennes-les-Bains, Éditions Pierre Belfond, 1978.
  6. Dan Brown, 'The Da Vinci Code, p. 106
  7. Philip Coppens, The Stone Puzzle of Rosslyn Chapel, Adventures Unlimited Press, 2004, p. 11. ISBN 1931882088
  8. a b Richard Benishai, Saint Sulpice and the "Rose-Line".
  9. Pierre Jarnac, Les Mystères de Rennes le Château: Mélanges Sulfureux, CERT, 1994, p. 3-10.
  10. Tim O'Neill, History versus The Da Vinci Code.
  11. Sharan Newman, The Real History Behind The Da Vinci Code, Berkley Publishing Group, 2005, pág. 268.
  12. Paul Roumanet, Saint-Sulpice, Paroisse Saint-Sulpice, 2000 (English translation by Laurence Terrien), pág. 23-26.
  13. Dan Brown, The Da Vinci Code, pág. 567.
  14. Mark Oxbrow, Ian Robertson, Rosslyn and the Grail, Mainstream Publishing Company, Edinburgh, 2005, pág. 182.
  15. Ptolemy's Almagest use the meridian through Alexandria as prime. Maimonides, Hilchot Kiddush Hachodesh 11:17, calls this point אמצע היישוב, "the middle of the habitation", i.e. the habitable hemisphere. Evidently this was a convention accepted by Arab geographers of his day.
  16. Bill Putnam, John Edwin Wood, The Treasure of Rennes-le-Château, A Mystery Solved, pág. 146 (Sutton Publishing, 2005; revised paperback edition, ISBN 0 7509 4216 9.
  17. Ver vídeo no Youtube: The Da Vince Code - end scene (La Pyramide inversée) /watch?v=LTGPT0unH9k&fmt=22
  18. Alan James, The Enduring Enigma of Rennes-le-Chateau.

Ver também[editar | editar código-fonte]