Linha de sucessão ao trono monegasco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Coat of arms of Monaco.svg

Mônaco adota o mesmo metodo de sucessão que a Espanha. Passa para os descendentes do "Príncipe soberano de Mónaco" de acordo com a preferência do sexo masculino e da primogenitura. A linha de sucessão foi modificada e, nomeadamente, por uma mudança constitucional implementada pela principesca Lei 1, 249, de 2 de abril de 2002, durante o reinado do príncipe Rainier III.

Regras de sucessão[editar | editar código-fonte]

Nos termos da constituição de Mônaco, o filho mais velho do soberano herda o trono, ou a filha mais velha, se não houver filhos. Caso o príncipe reinante morrer sem descendência legítima, a sucessão passa para os irmãos do príncipe soberano e seus descendentes legítimos, utilizando a mesma preferência e a mesma regra. Se um candidato a sucessor falecer ou renunciar à sucessão, a sucessão, no entanto, passa para os legítimos descendentes do sexo masculino, utilizando a mesma regra de preferência. O próximo na linha de sucessão é conhecido como o "Príncipe Herdeiro do Mónaco", com o título de S.A.S).

Se estas regras [1] não forem suficientes para produzir um herdeiro, um conselho de regência assume o poder até que o Conselho da Coroa escolha um novo príncipe reinante entre os mais distantes descendentes da Casa de Grimaldi. Só pessoas com nacionalidade monegasca são elegíveis.

Atual linha de sucessão[editar | editar código-fonte]

A história recente da linha de sucessão[editar | editar código-fonte]

As seguintes nove pessoas que anteriormente ocupava os lugares entre os décimo e décimo oitavo lugares na linha de sucessão (a partir de 2002, com as novas regras de sucessão), perderam os seus lugares por morte do príncipe Rainier III, uma vez que só passa para a sucessão irmãos e descendentes do príncipe atual, e não dos seus pais:

  1. Christian, Barão de Massy, filho mais velho da princesa Antoinette, primo de Alberto II
  2. Brice de Massy, filho mais velho de Christian de Massy, primo de Alberto II
  3. Antoine de Massy, filho mais novo de Christian de Massy, primo de Alberto II
  4. Laetizia de Massy, filha de Christian de Massy, prima, uma vez removidos de Alberto II
  5. Elisabeth-Anne de Massy, filha da princesa Antoinette, prima de Alberto II
  6. Barão Jean-Léonard Taubert-Natta, filho de Elisabeth-Anne de Massy, primo de Alberto II
  7. Mélanie de Lusignan, filha de Elisabeth-Anne de Massy, primo de Alberto II
  8. Keith Sebastian Knecht, filho do falecido Christine de Massy, primo de Alberto II

Futura sucessão[editar | editar código-fonte]

Sob as novas regras de sucessão, se o príncipe Alberto II morrer sem legítima descendência, o trono passará para a sua irmã, a princesa Carolina. Se a princesa Carolina ascender ao trono, o seu filho mais velho, Andrea passará a ser o herdeiro aparente. Nesta ocasião, ele vai receber os tradicionais títulos de herdeiro ao trono do Mónaco tornando-se "Sua Alteza Sereníssima" o príncipe herdeiro Andrea do Mónaco, Marquês de Baux. Andrea também, em seguida, assume o sobrenome dinástico Grimaldi.

Após a sucessão do príncipe Alberto, a tia a princesa Antonieta e seus descendentes perderam os seus lugares na linha de sucessão. Do mesmo modo, após a sucessão de qualquer futuro filho legítimo do príncipe Alberto, as princesas Carolina e Estefânia e seus filhos deixem de estar na linha de sucessão. No entanto, se a linha de sucessão por Alberto II falhar, as princesas Carolina, Estefânia e Antonieta e os seus descendentes seriam elegíveis para a seleção feita pelo Conselho da Coroa.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]