Lisânias (tirano de Cálcis)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Lisânias foi o filho e sucessor de Ptolemeu, filho de Meneu, tirano de Cálcis da Celessíria. A fonte para sua vida é Flávio Josefo.

Seu pai, Ptolemeu, um homem perverso, era parente por casamento de Dionísio de Trípoli, que havia sido decapitado, porém quando Pompeu entrou em seu território, Ptolomeu comprou a absolvição de seus crimes por mil talentos, que Pompeu usou para pagar seus soldados.[1]

Após a morte de Ptolemeu, Lisânias tomou o governo de Cálcis, e se aliou a Antígono, filho de Aristóbulo. Antígono [Nota 1] havia oferecido aos partas mil talentos e quintentas mulheres, para que eles tomassem o governo da Judeia de Hircano, e matassem Herodes. Apesar de Antígono não ter pago o que prometera, os partas, com Antígono, invadiram a Judeia. As forças partas eram lideradas por Pácoro, comandante das forças navais e filho do rei da Pártia, e Barzapharnes, comandante das forças terrestres.[2] O reino de Antígono na Judeia durou de 40 a 37 a.C., ele foi o último asmoneu a reinar, e foi sucedido por Herodes, o Grande, cliente de Roma.[3] [4]

Em 36 [5] ou 34 a.C.,[6] Lisânias foi morto por Marco Antônio, por ter trazido os partas para atacar a Judeia.[7]

Calvino, baseando-se em que Lisânias, filho de Ptolemeu Meneu, era pai de Lisânias, que chamou os partas para invadirem a Síria e foi morto por Cleópatra, conjecturou que ele poderia ter um neto, também chamado Lisânias, que seria o tetrarca de Abilene mencionado em Lucas 3:1.[8]

Outros historiadores [Nota 2] propõem que o Lisânias bíblico seria o mesmo que o filho de Ptolemeu, e que a atribuição da tetraquia a Lisânias seria geográfica, ou seja, a tetrarquia era chamada "de Lisânias" por causa do rei que havia sido morto décadas antes.[9]

Notas e referências

Notas

  1. Em A Guerra dos Judeus, Flávio Josefo escreveu que foi Lisânias quem ofereceu os mil talentos e quintentas mulheres.
  2. Kitto menciona Valcaius e Paulus; outros historiadores mais recentes também propõem esta alternativa.

Referências

  1. Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XIV, Capítulo 3, Como Aristóbulo e Hircano levaram a Pompeu sua disputa pelo reino; e como depois da fuga de Aristóbulo para a fortaleza Alexandrina Pompeu levou seu exército contra ele e o obrigou a entregar a fortaleza, 2 ´[em linha]
  2. Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XIV, Capítulo 13, Como Antônio fez de Herodes e Fasael tetrarcas, após eles terem sido acusados sem consequências; e como os partas, ao trazerem Antígono para a Judeia, tomaram Hircano e Fasael como prisioneiros. A fuga de Herodes; e o sofrimento de Hircano e Fasael, 3
  3. Jona Lendering, Hasmonaeans [em linha]
  4. John Kitto, A Cyclopedia of Biblical Literature (1865), Jerusalem, p.515 [google books]
  5. William Smith, Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology, 5. Lysanias [em linha]
  6. John Kitto, A Cyclopedia of Biblical Literature (1865), Lysanias, p.870 [google books]
  7. Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XV, Capítulo 14, Como Cleópatra, quando tinha conseguido de Antônio algumas partes da Judeia e Arábia, veio até a Judeia, e como Herodes deu-lhe vários presentes e a levou de volta ao Egito, 1
  8. João Calvino, Comentários, Mateus 3:1-6, Marcos 1:1-6, Lucas 3:1-6 [em linha]
  9. John Kitto, A Cyclopedia of Biblical Literature (1865), Lysanias, p.871 [google books]