Livro Sagrado do Grande Espírito Invisível

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Duas versões do antes perdido Livro Sagrado do Grande Espírito Invisível, também conhecido - incorretamente - como Evangelho Copta dos Egípcios (não confundir com o Evangelho Grego dos Egípcios)[1] , foram encontradas entre os códices na Biblioteca de Nag Hammadi, descoberta em 1945 (Códices III e IV).

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Os conteúdos principais dizem respeito ao entendimento Gnóstico Setiano de como a Terra veio a existir, de como Sete, na intepretação Gnóstica, encarnou como Jesus para livrar as almas das pessoas da prisão maligna que é a criação.

Ele também contém um hino, partes do qual são incomuns por serem aparentemente seqüências de vogais sem sentido (que, acredita-se, são uma representação da primitiva glossolalia cristã), apesar de as vogais do último parágrafo (u aei eis aei ei o ei ei os ei) poderem ser particionadas para serem lidas (em grego) "que existe como Filho para todo sempre. Você é o que você é, você é quem você é"[2] .

Referências

  1. Citação: Desde o final dos anos 40 se tornou comum se referir à esta obra incorretamente como "Evangelho dos Egípcios" escreveu: «John D. Turner» em Meyer, Marvin. The Nag Hammadi Scriptures: International Edition (em inglês). [S.l.: s.n.], 2007. 247 pp.
  2. Robinson, James M.. The Nag Hammadi Library, revised edition: The Gospel of the Egyptians (Trad. de Alexander Bohlig e Frederik Wisse) (em inglês). São Francisco: Harper Collins, 1990.