Lobaria pulmonaria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaLobaria pulmonaria[1] [2]
Lobaria pulmonaria 010108c.jpg

Classificação científica
Reino: Fungi
Divisão: Ascomycota
Classe: Lecanoromycetes
Ordem: Peltigerales
Família: Lobariaceae
Género: Lobaria
Espécie: L. pulmonaria
Nome binomial
Lobaria pulmonaria[1]
L. (Hoffm.) (1796)

Lobaria pulmonaria, vulgarmente chamada pulmonária, é um grande líquen epífito que consiste na associação simbiótica entre um fungo ascomicete, uma alga verde e uma cianobactéria - uma simbiose que envolve membros de três reinos de organismos. É sensível à poluição do ar e também é negativamente afetado pela perda de habitat e alterações nas práticas florestais.

A sua população tem diminuído por toda a Europa e L. pulmonaria é considerada uma espécie ameaçada em muitas regiões de terras baixas. Esta espécie tem uma história de uso na medicina tradicional, e a pesquisa recente tem corroborado algumas propriedades medicinais dos extratos deste líquen.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Detalhe do talo. Os sorédios e isídios podem ser vistos nas cristas e margens, na imagem em tamanho real.

É um líquen folhoso e o seu talo semelhante a uma folha é verde, coriáceo e lobado com um padrão de cristas e depressões na sua face superior. Quando sob condições húmidas apresenta cor verde viva, tornando-se acastanhado e com textura de papel quando seco. Esta espécie apresenta frequentemente uma fina camada de pelos, um tomento, na sua face inferior. O córtex, a camada exterior protectora da superfície do talo, é grosseiramente comparável à epiderme das plantas verdes. O talo tem tipicamente 5 a 15 cm de diâmetro, com lobos individuais com largura entre 1 e 3 cm e até 7 cm de comprimento.[3] As estruturas reprodutoras assexuadas, sorédios e isídios estão presentes na superfície do talo. Pequenos cefalódios - bolsas de cianobactérias - com 0,5 a 1,5 mm de diâmetro, estão muitas vezes presentes na superfície inferior do talo; estas manchas são visivelmente mais escuras que a superfície verde do talo.[4] Como em outros líquenes folhosos, o talo está fracamente ligado à superfície sobre a qual se desenvolve.

Fotobiontes[editar | editar código-fonte]

O talo contém estruturas internas chamadas cefalódios, características das simbioses de líquens com três membros envolvendo dois fotobiontes (os simbiontes fotossintéticos na relação fungo-alga dos líquenes). Este cefalódios internos, encontrados entre as "costelas" da superfície do talo, surgem quando cianobactérias (do género Nostoc) na superfície do talo são envolvidas durante o crescimento do micobionte.[5] Estruturalmente, os cefalódios consistem de agregados densos de células de Nostoc rodeadas por hifas de paredes finas - o que as delimita do resto do talo que contém uma estrutura pouco ordenada de hifas de parede espessa.[6] As cianobactérias podem fixar nitrogénio atmosférico aumentando a disponibilidade de nutrientes para o líquen. O outro fotobionte de L. pulmonaria é a alga verde Dictyochloropsis reticulata.[7]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

L. pulmonaria tem a capacidade de formar propágulos vegetativos e sexuais[8] à idade de aproximadamente 25 anos.[9] Na reprodução sexuada, a espécie produz pequenos discos castanho-avermelhados conhecidos como apotécios contendo ascos, a partir dos quais os esporos são libertados de modo forçado no ar (como balistósporos). Com base em estudos da germinação dos ascósporos, foi sugerido que os esporos de L. pulmonaria utilizam algum mecanismo para inibir a germinação - a inibição é removida quando os esporos se desenvolvem num meio de crescimento sintético contendo um adsorvente como albumina de soro bovino ou α-ciclodextrina.[10]

Determinou-se que a dispersão por meio de propágulos vegetativos (através dos sorédios ou dos isídios) é o modo predominante de reprodução de L. pulmonaria.[11] [12] Neste método, os propágulos protuberantes ficam secos e frágeis durante os ciclos regulares de secagem/molhagem do líquen, e podem desfazer-se facilmente do talo. Estes fragmentos podem desenvolver-se em novos talos, quer no mesmo local ou num sítio novo após dispersão pelo vento ou chuva.[13] São necessários vários passos para o desenvolvimento de propágulos vegetativos, incluindo a degeneração do córtex do talo, replicação de células da alga verde, e entrelaçamento das hifas fúngicas com células da alga verde.[13] Estes passos levam a um aumento da pressão interna que eventualmente rompe o córtex. O crescimento continuado leva a que estes grânulos sejam empurrados para cima e para lá da superfície do talo.[14]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

Schwäbisch-Fränkische Waldberge, Alemanha

Tem uma ampla distribuição na Europa, Ásia, América do Norte e África, preferindo locais húmidos com elevada precipitação, em particular em zonas costeiras.[3] É a mais amplamente distribuída e mais comum das espécies de Lobaria na América do Norte.[4] Associada a florestas antigas, a sua presença e abundância podem ser usadas como um indicador da idade das florestas, pelo menos na zona biogeoclimática de Interior Cedar-Hemlock na Colúmbia Britânica oriental.[15] Também pode ser encontrada em bosques de pastagem.[16] Normalmente cresce sobre a casca de árvores de folha larga como carvalho, faia e bordo, mas pode também desenvolver-se sobre rochas. Em laboratório, L. pulmonaria conseguiu-se que crescesse sobre microfilamentos de náilon.[17] Pensa-se que vários fatores afetam a sua distribuição, como a temperatura, humidade (humidade média, rapidez e frequência dos ciclos molhado-seco), exposição solar, e níveis de poluição atmosférica.[18] É difícil tentar avaliar quantitativamente a contribuição destes fatores para o crescimento do líquen, pois diferenças no ambiente original do qual são obtidos os talos afetarão muito as tolerâncias ao calor e dessecação.[19]

Devido ao declínio das suas populações, L. pulmonaria é considerada rara ou ameaçada em muitas partes do mundo, sobretudo nas terras baixas da Europa.[20] [21] [22] O declínio tem sido atribuído à silvicultura industrial[15] e à poluição atmosférica, em particular à chuva ácida.[23] Tal como outros líquenes com uma componente cianobacteriana, L. pulmonaria é particularmente suscetível aos efeitos da chuva ácida, porque a diminuição de pH subsequente reduz a fixação de nitrogénio por inibição da enzima nitrogenase das algas.[23]

Compostos químicos[editar | editar código-fonte]

Sabe-se que L. pulmonaria contém uma variedade de ácidos comuns aos líquenes, como ácido estíctico, ácido desmetil-estíctico, ácido girofórico, tenuiorina,[24] e os ácidos constíctico, norestíctico, periestíctico, e metil-norestíctico.[25] Sabe-se que estes compostos, coletivamente conhecidos como depsidonas, estão envolvidos na defesa contra herbívoros como moluscos que se alimentam de líquenes.[26] Contém também os polialcoois D-arabitol[27] e volemitol, além de vários carotenoides (contéudo total > 10 mg/kg), como alfacaroteno, betacaroteno, e betacriptoxantina.[24] O córtex superior do líquen contém melaninas que filtram as radiações ultravioleta e fotossinteticamente ativa que atingem o fotobionte.[28] A síntese dos pigmentos de melanina no líquen aumenta em resposta a um aumento da irradiação solar,[29] e os talos adaptados à sombra têm cor verde-cinza quando secos ao ar, enquanto os talos expostos ao sol podem ter cor castanha escura. Esta adaptação protege o fotossimbionte D. reticulata, conhecido por ser relativamente intolerante a níveis de luminosidade elevados.[30] [31]

Sabe-se que estão também presentes vários esteroides, nomeadamente ergosterol, episterol, fecosterol e liquesterol.[32] [33]

Usos[editar | editar código-fonte]

Medicinais[editar | editar código-fonte]

A sua forma assemelha-se de alguma forma ao tecido no interior dos pulmões e portanto acredita-se que seja um remédio para doenças pulmonares segundo a teoria das assinaturas. O nome comum deriva desta associação. A obra de Gerard, The Herball or General Historie of plants (1597) recomenda L. pulmonaria como valiosa medicinalmente.[34] É ainda hoje usada para a asma, problemas da bexiga e falta de apetite.[34] Na Índia é usada como remédio tradicional para tratar hemorragias e eczema,[4] e é usada como remédio para a tosse com sangue pelos Hesquiaht na Colúmbia Britânica, Canadá.[35] Um levantamento etnofitoterapêutico na região italina de Molise revelou que L. pulmonaria é usado como antisséptico, e é esfregado em feridas.[36]

Está demonstrado que um extrato de água quente preparado usando esta espécie tem propriedades anti-inflamatórias e previne a úlcera péptica.[37] Além disso, mostrou-se que extratos de metanol têm um efeito protetor no aparelho digestivo dos ratos, possivelmente por reduzirem o stress oxidativo e reduzirem os efeitos inflamatórios dos neutrófilos.[38] Adicionalmente, os extratos de metanol possuem também potente atividade antioxidante e poder redutor, provavelmente devido à presença de compostos fenólicos.[39]

Outros usos[editar | editar código-fonte]

L. pulmonaria tem sido também usada para produzir um pigmento laranja para tingir a lã, nos curtumes, no fabrico de perfumes e como ingrediente na elaboração da cerveja.[40] [41]

Referências

  1. a b Species Fungorum - GSD Species. Página visitada em 2009-01-12.
  2. Miadlikowska J, et al... (2006). "New insights into classification and evolution of the Lecanoromycetes (Pezizomycotina, Ascomycota) from phylogenetic analyses of three ribosomal RNA- and two protein-coding genes". Mycologia 98 (6): 1088–1103 pp.. DOI:10.3852/mycologia.98.6.1088. PMID 17486983.
  3. a b Geiser L, McCune B.. Macrolichens of the Pacific Northwest. Corvallis: Oregon State University Press, 1997. ISBN 0-87071-394-9
  4. a b c Sharnoff S, Brodo IM, Sharnoff SD.. Lichens of North America. New Haven, Conn: Yale University Press, 2001. p. 417. ISBN 0-300-08249-5
  5. Hill DH, Hawksworth DL.. The Lichen-Forming Fungi. London: Blackie, 1984. ISBN 0-412-00641-3
  6. Millback JW, Kershaw KA. (1970). "Nitrogen metabolism in lichens. III. Nitrogen fixation by internal cephalodia in Lobaria pulmonaria"". New Phytologist 69 (3): 595–597 pp.. Blackwell Publishing.
  7. (2007) "Dictyochloropsis Splendida (Chlorophyta), the Correct Phycobiont of Phlyctis Argena and the High Degree of Selectivity or Specificity Involved". The Lichenologist 27: 169 pp.. DOI:10.1017/S002428299500020X.
  8. Yoshimura I. (1971). "The genus Lobaria of Eastern Asia". Journal of the Hattori Botanical Laboratory 34 (2): 231–364 pp.. American Bryological and Lichenological Society.
  9. Scheidegger C, Walser JC. (1998). "Reintroduction and augmentation of populations of the endangered Lobaria pulmonaria: methods and concepts". In: Lobarion Lichens as Indicators of the Primeval Forests of the Eastern Carpathians (eds Kondratyuk S, Coppins B), pp. 33–52. Ukrainian Phytosociological Centre, Kiev.
  10. Denison WC. (2003). "Apothecia and ascospores of Lobaria oregana and Lobaria pulmonaria investigated". Mycologia 95 (3): 513–518 pp.. Mycological Society of America. DOI:10.2307/3761894.
  11. Walser JC. (2004). "Molecular evidence for limited dispersal of vegetative propagules in the epiphytic lichen Lobaria pulmonaria". American Journal of Botany 91: 1273–1276 pp.. DOI:10.3732/ajb.91.8.1273.
  12. (2006) "Effect of disturbances on the genetic diversity of an old-forest associated lichen.". Molecular ecology 15 (4): 911–21 pp.. DOI:10.1111/j.1365-294X.2006.02838.x. PMID 16599956.
  13. a b Galun M.. CRC Handbook of Lichenology, Volume I. Boca Raton: CRC Press, 1988. p. 112. ISBN 0-8493-3582-5
  14. (1993) "The development of regenerative thallus structures in lichens". Botanical Journal of the Linnean Society 113: 61 pp.. DOI:10.1111/j.1095-8339.1993.tb00329.x.
  15. a b Campbell J, Fredeen AL. (2004). "Lobaria pulmonaria abundance as an indicator of macrolichen diversity in Interior Cedar-Hemlock forests of east-central British Columbia". Canadian Journal of Botany 82: 970–982.
  16. Rolstad J, Gjerde I, Storaunet KO, Rolstad E. (2001). "Epiphytic lichens in Norwegian coastal spruce forest: historic logging and present forest structure". Ecological Applications 11: 421–436 pp.. DOI:[0421:ELINCS2.0.CO;2 10.1890/1051-0761(2001)011[0421:ELINCS]2.0.CO;2].
  17. Denison WC. (1988). "Culturing the lichens Lobaria oregana and L. pulmonaria on nylon monofilament". Mycologia 80 (6): 811–814 pp.. Mycological Society of America. DOI:10.2307/3807559.
  18. Ahmadjian V.. The Lichen Symbiosis. New York: John Wiley, 1993. ISBN 0-471-57885-1
  19. Shirazi AM, Muir PS, McCune B. (1996). "Environmental factors influencing the distribution of the lichens Lobaria oregana and L. pulmonaria". The Bryologist 99 (1): 12–18 pp.. American Bryological and Lichenological Society. DOI:10.2307/3244432.
  20. Wirth V, Schöller H, Scholz P, Ernst G, Feuerer T, Gnüchtel A, Hauck M, Jacobsen P, John V, Litterski B. (1996). "Rote Liste der flechten (Lichenes) der Bundesrepublik Deutschland". Schriftenreihe für Vegetationskunde 28: 307–368.
  21. Scheidegger C, Clerc P, Dietrich M, Frei M, Groner U, Keller C, Roth I, Stofer S, Vust M. (2002). "Rote Liste der gefährdeten Arten der Schweiz: Baum- und erdbewohnende Flechten". - Bern, Bundesamt für Umwelt, Wald und Landschaft BUWAL; Birmensdorf, Eidgenössische Forschungsanstalt WSL; Conservatoire et Jardin botaniques de la Ville de Genève CJBG. 124 S.
  22. Danish Lichen Checklist. Página visitada em 2008-12-16.
  23. a b (1986) "Field evidence for an acid rain effect on lichens". Environmental Pollution Series A, Ecological and Biological 40: 227 pp.. DOI:10.1016/0143-1471(86)90097-8.
  24. a b www.emea.europa.eu. Página visitada em 2009-01-08.
  25. (1994) "Depsidones from Lobaria pulmonaria and their chemotaxonomic importance". Biochemical Systematics and Ecology 22: 583 pp.. DOI:10.1016/0305-1978(94)90070-1.
  26. Asplund J, Gauslaa Y. (February 2008). "Mollusc grazing limits growth and early development of the old forest lichen Lobaria pulmonaria in broadleaved deciduous forests". Oecologia 155 (1): 93–9 pp.. DOI:10.1007/s00442-007-0891-z. PMID 17985157.
  27. (1933) "Salazinic Acid and the Constituents of the Lichen, Lobaria pulmonaria". Nature 132: 281 pp.. DOI:10.1038/132281b0.
  28. (2001) "Fungal melanins as a sun screen for symbiotic green algae in the lichen Lobaria pulmonaria". Oecologia 126: 462 pp.. DOI:10.1007/s004420000541.
  29. McEvoy M, Gauslaa Y, Solhaug KA. (2007). "Changes in pools of depsidones and melanins, and their function, during growth and acclimation under contrasting natural light in the lichen Lobaria pulmonaria". New Phytol. 175 (2): 271–82 pp.. DOI:10.1111/j.1469-8137.2007.02096.x. PMID 17587375.
  30. Gauslaa Y, Solhaug KA. (1996). "Differences in the susceptibility to light stress between epiphytic lichens of ancient and young boreal forest stands". Functional Ecology 10 (3): 344–354 pp.. British Ecological Society. DOI:10.2307/2390282.
  31. Gauslaa Y, Solhaug KA. (1999). "High-light damage in air-dry thalli of the old forest lichen Lobaria pulmonaria – interactions of irradiance, exposure duration and high temperature". Journal of Experimental Botany 50: 697–705 pp.. DOI:10.1093/jexbot/50.334.697.
  32. (1975) "Sterols of three lichen species: Lobaria pulmonaria, Lobaria Scrobiculata and Usnea Longissima". Phytochemistry 14: 1821 pp.. DOI:10.1016/0031-9422(75)85302-7.
  33. (1976) "Hydrocarbons sterols and fatty acids of Lobaria Pulmonaria". Phytochemistry 15: 221 pp.. DOI:10.1016/S0031-9422(00)89091-3.
  34. a b Gilbert O.. Lichens. London: HarperCollins, 2000. 16–17 pp. ISBN 0-00730-861-9
  35. Lobaria pulmonaria. Página visitada em 2009-01-08.
  36. Guarrera PM, Lucchese F, Medori S. (2008). "Ethnophytotherapeutical research in the high Molise region (Central-Southern Italy)". Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine 4: 7 pp.. DOI:10.1186/1746-4269-4-7. PMID 18334029.
  37. (2003) "Anti-inflammatory and antiulcerogenic effects of the aqueous extract of Lobaria pulmonaria (L.) Hoffm.". Phytomedicine : international journal of phytotherapy and phytopharmacology 10 (6-7): 552–7 pp.. PMID 13678242.
  38. Karakus B, Odabasoglu F, Cakir A, Halici Z, Bayir Y, Halici M, Aslan A, Suleyman H.. (2008). "The effects of methanol extract of Lobaria pulmonaria, a lichen species, on indometacin-induced gastric mucosal damage, oxidative stress and neutrophil infiltration". Phytotherapy Research 23 (5): n/a pp.. DOI:10.1002/ptr.2675. PMID 19107853.
  39. Odabasoglu F, Aslan A, Cakir A, Suleyman H, Karagoz Y, Halici M, Bayir Y.. (2004). "Comparison of antioxidant activity and phenolic content of three lichen species". Phytotherapy Research 18 (11): 938–941 pp.. DOI:10.1002/ptr.1488. PMID 15597312.
  40. Lungwort. Página visitada em 2008-12-16.
  41. Llano GA. (1948). "Economic uses for lichens". Economic Botany 2 (1): 15–45 pp..
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Lobaria pulmonaria
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Lobaria pulmonaria