Lolita (termo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O termo lolita normalmente refere-se à uma menina ou jovem mulher que usa características de infantilidade com atitudes sensuais, e que pode aparentar ser mais madura mentalmente do que sua idade real indica, enfatizando a aparência de um comportamento sexualmente precoce.[1] Pode ser uma menina prepubescente ou pubescente que já é desejada por homens adultos e que pode se comportar sedutoramente diante deles.[2] É utilizado no ambiente da pornografia para se referir à pornografia infantil em que uma pré-adolescente aparece como um objeto de desejo.[3]

De uma certa maneira, a estética lolita é baseada no erotismo. Uma lolita também é definida como uma menina cuja a aparência destaca a sexualização em uma idade bastante baixa. Em particular uma menina lolita, qualificada com menos de 15 anos vestindo roupas curtas e usando cosméticos para seduzir. O termo também é usado para descrever uma mulher adulta que se comporta ou se veste como uma adolescente ou menina.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo lolita surge e se relaciona com o hipocorístico do nome Dolores; nome próprio da língua espanhola que faz referência à invocação da Virgem Maria como Nossa Senhora das Dores.[4] [5] Lolita é referido como o diminutivo do hipocorístico regular de Dolores, Lola. Lolita e Lola, apesar de serem hipocorísticos, são frequentemente utilizados como nomes próprios de registro.[6]

Na língua inglesa em 1973, o termo nubile foi usado pela primeira vez no sentido de "sexualmente atraente".[7] Pode referir-se à uma ninfeta ou lolita no contexto de uma jovem mulher sexualmente atraente, sedutora ou precoce.

Ficção e realidade[editar | editar código-fonte]

Ocean Nymph (1904), de William-Adolphe Bouguereau.

O termo é derivado do apelido dado pelo protagonista adulto do romance Lolita (escrito por Vladimir Nabokov) para uma menina de 12 anos chamada Dolores (nome que se refere à Nossa Senhora das Dores[4] [5] ), da qual se apaixona e torna-se amante, levando apenas o diminutivo de "Lolita" ou "Lola".[8] Uma lolita pode usar cosméticos e lingerie para seduzir um homem mais velho e um homem que desenvolve uma obsessão sexual para com essas meninas, referido como tendo um "complexo de Lolita".

Até as imagens vagamente eróticas que representam menores podem ser consideradas obras de arte, por exemplo, no campo da fotografia contemporânea (David Hamilton e Jacques Bourboulon) ou em certos quadros do pintor do século XIX, William-Adolphe Bouguereau; enquanto a representação artística explícita da nudez de menores é geralmente considerada um tema muito controverso e sujeito à polêmica.

Algumas jovens atrizes e modelos começaram suas carreiras interpretando personagens-lolita, por exemplo, Nastassja Kinski, Lara Vendel, Alba Dunlap e Dominique Swain, mas também a atriz pornográfica Ashley Blue; o filme O Amante, adaptado do romance de Marguerite Duras, no qual Jane March era uma representante perfeita do tipo lolita.

No Japão, indica uma inocência infantil e espumante, não necessariamente associada à ideia sexual. Finalmente, o termo não deve ser confundido com a subcultura da moda Lolita, que se refere à roupas típicas da era vitoriana do século XIX e da era eduardiana no início do século XX e, eventualmente inspirada pelo rococó e barroco.

Origem do significado[editar | editar código-fonte]

O termo em um contexto erótico aparece pela primeira vez na trama do romance de 1955, Lolita, de Vladimir Nabokov. No enredo se mencionam meninas pré-adolescentes entre 9 e 14 anos com as quais o protagonista, Humbert Humbert, possui uma obsessão e que são chamadas por ele de ninfetas.[9]

O livro se centra em uma menina chamada Dolores Haze, apelidada de "Lolita", personagem feminina na qual Humbert desenvolve uma obsessão sexual. O protagonista se sente atraído sexualmente por ela e interpreta que é Dolores que o seduz ativamente.[10]

Lolita é apresentada através dos olhos de Humbert, que devido ao seu próprio desvio sexual, descreve Lolita como uma menina sexualmente precoce supondo nela o mesmo desvio sexual que ele possui. Por extensão o termo é utilizado para se referir a uma menina prematuramente sedutora e atrativa.[11]

Termos relacionados[editar | editar código-fonte]

Ninfeta[editar | editar código-fonte]

Considerado sinônimo de lolita, e também usado no romance de Nabokov, o termo ninfeta pode referir-se a uma menina que prova ser muito mais madura mentalmente do que sua idade indica — apesar de apenas atingir o estágio da puberdade — e que aparenta ter idade para casar e se envolver em relações amorosas: geralmente indica uma jovem muito atraente sexualmente.

A ninfeta (diminutivo de ninfa) é atribuível, como no livro Lolita de Nabokov, para meninas pré-adolescentes (9-14 anos). O primeiro uso registrado do termo foi relatado pelo The Century Dictionary, semelhante a uma ninfa, cujo o primeiro uso foi mencionado pelo poeta inglês do período elisabetano, Michael Drayton, no poema Poly-Olbion de 1612.

Em Lolita, "ninfeta" foi usado para descrever meninas que tinham acabado de sair da infância, com as quais o protagonista é atraído, uma ninfeta arquetípica sendo a personagem de Dolores Haze. Nabokov na voz de seu narrador Humbert, primeiro descreve essas ninfetas na seguinte passagem:

Quero agora expor uma ideia. Entre os limites de idade de nove e catorze anos, virgens há que revelam a certos viajores enfeitiçados bastante mais velhos do que elas, sua verdadeira natureza — que não é humana, mas nínfica (isto é, diabólica). A essas criaturas singulares proponho dar o nome de "ninfetas".

O leitor terá notado que substituo a noção de espaço pela de tempo. De fato, gostaria que ele visse "nove" e "catorze" como os pontos extremos — as praias refulgentes e os róseos rochedos — de uma ilha encantada onde vagam essas minhas ninfetas cercadas pelas brumas de vasto oceano.[12]

Para Humbert, um ninfolepto confesso, uma ninfeta está nos primeiros estágios da puberdade: "O estágio inicial do desenvolvimento da mama aparece mais cedo (10,7 anos)".[12] Quando ele encontra uma prostituta que alega ter 18 anos, Humbert não a considera mais uma ninfeta, embora seu corpo ainda é de certa forma infantil.

Fauno[editar | editar código-fonte]

O termo fauno, inventado por Nabokov e também utilizado por Humbert, é usado para descrever um menino em contrapartida de uma ninfeta, da mesma maneira que os faunos mitológicos eram homólogos das ninfetas. O termo aparece no romance duas vezes:

Quando eu e ela éramos crianças, não via em minha pequena Annabel uma ninfeta. Eu era um de seus pares, um jovem fauno por méritos próprios, habitando aquela mesma ilha de tempo fantasmagórico.

...deparei com os olhos negros e fixos de duas belas e estranhas crianças, um fauno e uma ninfeta, cujos traços idênticos (cabelos negros e lisos, rostos exangues) denotavam que eram irmãos ou mesmo gêmeos.[12]

O termo shōtarō foi retirado do personagem masculino Shōtarō (do mangá Tetsujin 28-go), cujo bishōnen encarnado formou o que se chama de "complexo de Shōtarō", colocando um nome a atração sexual por meninos menores de idade.

Lolita nas formas de arte[editar | editar código-fonte]

Fotografia[editar | editar código-fonte]

Literatura[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Música[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. merriam-webster dictionary
  2. Lolita Definição no Urban Dictionary
  3. Lolita no Oxford Dictionary
  4. a b Dolores (given name)
  5. a b Lola (given name)
  6. Dolores Reader Contributions section, Nicknames for Dolores. Baby Name Wizard.
  7. Online Etymology Dictionary - nubile
  8. Dolores Reader Contributions section, Nicknames for Dolores. Baby Name Wizard.
  9. Alfred Jr. Appel. The annotated Lolita. Nova Iorque: Vintage Books, 1991. ISBN 0-679-72729-9.
  10. Vladimir Nabokov. Lolita. Nova Iorque: Vintage International, 1955. ISBN 0-679-72316-1.
  11. Sexual Deviance and Normality in Nabokov's Lolita, Eric Goldman, Nabokov Studies, volume 8, 2004, pág. 87-104
  12. a b c Jorio Dauster. Lolita. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. ISBN 85-7164-400-4.