Loros

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

loros (em grego: λῶρος; transl.: lōros) é a mais importante e distinta parte do costume imperial bizantino que desenvolveu-se a partir da trábea triunfal (treabea triumphalis) dos cônsules. Era uma estola longa, estreita, bordada e cravejada com pedras preciosas que foi enrolada em torno do torso e caiu sobre a mãe esquerda. As primeiras representações do loros são de moedas do reinado de Justiniano II (r. 685-695; 705-711). Nos séculos X-XI adquiriu um novo design: o novo loros foi desenvolvido com uma abertura e foi puxado para cima da cabeça. Embora utilizada apenas em ocasiões especiais tais como a Páscoa, o Pentecoste e alguns outros feriados, o loros foi uma parte integrante do retrato imperial. De acordo com o De Ceremoniis de Constantino VII Porfirogênito (r. 913–959),[1] o loros foi também vestido na Páscoa pelos "doze dignitários", os titulares dos postos de magistro e antípato, bem como pelo eparca de Constantinopla e a zoste patrícia durante as cerimônias de promoções deles.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Kazhdan 1991, p. 1251-1252

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kazhdan, Alexander Petrovich. The Oxford Dictionary of Byzantium (em inglês). Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press, 1991. ISBN 0-19-504652-8.