Luís Gonzaga da Silva Leme

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros (desde dezembro de 2009).
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Luís Gonzaga da Silva Leme
Nascimento 3 de agosto de 1852
Bragança Paulista
Morte 13 de janeiro de 1919 (66 anos)
São Paulo
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Advogado, engenheiro civil, historiador, genealogista

Luís Gonzaga da Silva Leme (Bragança Paulista, 3 de agosto de 1852São Paulo, 13 de janeiro de 1919) foi um advogado, engenheiro civil, historiador e genealogista brasileiro.

Filho do coronel da Guarda Nacional e fazendeiro Luís Manuel da Silva Leme e de Carolina Eufrásia de Morais. Fez seus estudos iniciais no Seminário Episcopal de São Paulo. Em 1872, matriculou-se na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, da Universidade de São Paulo, onde bacharelou-se em 31 de outubro de 1876.

Logo depois seguiu para os Estados Unidos da América onde começou seu curso de engenharia no "Instituto Politécnico de Rensselaer", em Troy, estado de Nova Iorque. Recebeu o grau de engenheiro civil em junho de 1880. Trabalhou (ainda como estudante do quarto ano de engenharia) com engenheiros do governo estadunidense incumbidos dos melhoramentos do rio Missouri, na cidade de Omaha, estado de Nebraska; aí como ajudante integrou a turma encarregada da triangulação e sondagens para o levantamento da carta hidrográfica do dito rio.

Formado em 1880, ocupou o lugar de chefe de seção na construção da estrada de ferro de Jacksonville a Waycross na Flórida. Retornou ao Brasil em 1881 e ocupou, debaixo da chefia do engenheiro Antônio Francisco de Paula Sousa, o lugar de ajudante, e mais tarde o de chefe de seção, na construção da estrada de ferro Rio Claro a São Carlos. Concluída esta fez a exploração e prolongamento de São Carlos a Araraquara em 1883. Foi depois incumbido, como engenheiro chefe de acabar a construção da estrada de ferro bragantina, que inaugurou em 6 de agosto de 1884; nomeado inspetor geral desta estrada, permaneceu neste posto até 1898, ano que começou a dedicar-se as pesquisas da sua obra genealógica.

Foi também o construtor da capela de Pirapora, onde dirigiu a a construção do Colégio de São Norberto, e inaugurou o abastecimento de água.

Era membro da "Sociedade de Engenheiros de Rensselaer", em Troy, e do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. Foi agraciado pela Santa Sé com o grau de cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, e em 1900 com a cruz "pro ecclesia et pontifice".[1]

Casou em São Paulo, em 1883, capela do seminário episcopal, com Maria Fausta da Silva Macedo, filha do capitão do exército Francisco de Assis de Araújo Macedo e Maria Antônia da Silva Macedo. Residiaram em São Paulo, e tiveram cinco filhos.

É considerado um importante autor sobre genealogia no Brasil. Sua obra, uma atualização e ampliação da de seu predecessor e parente Pedro Taques de Almeida Pais Leme, é das mais conhecidas. Intitulada Genealogia Paulistana, foi publicada em nove volumes, a partir do ano de 1901 até o de 1905, aborda a história e linhagens das famílias paulistas tradicionais. Foi impressa pela casa "Duprat & Comp", na Rua Direita, em São Paulo.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.