Luísa Henriqueta de Orange-Nassau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Luísa Henriqueta
Princesa de Orange
Eleitora de Brandemburgo
1627 louise Henriette.jpg
Luísa Henriqueta
Governo
Consorte Frederico Guilherme I de Brandemburgo
Vida
Nascimento 7 de Dezembro de 1627
Haia, Países Baixos
Morte 18 de Junho de 1667 (39 anos)
Berlim, Alemanha
Filhos Guilherme Henrique de Brandemburgo
Carlos de Brandemburgo
Frederico I da Prússia
Amália de Brandemburgo
Henrique de Brandemburgo
Luís de Brandemburgo
Pai Frederico Henrique de Orange
Mãe Amália de Solms-Braunfels

Luísa Henriqueta de Nassau (7 de Dezembro de 1627 - 18 de Junho de 1667) foi uma condessa de Nassau, neta de Guilherme, o taciturno e eleitora de Brandemburgo.

Família[editar | editar código-fonte]

Luísa Henriqueta era a segunda criança e primeira filha do stadtholder Frederico Henrique de Orange e da condessa Amália de Solms-Braunfels. Os seus avós paternos eram Guilherme, o taciturno e a sua quarta esposa, Luísa de Coligny. O seu avô foi assassinado por ordem do rei Filipe II de Espanha que acreditava que Guilherme o tinha traído a ele e à religião católica. Os seus avós maternos eram João Alberto I de Solms-Braunfels e a sua esposa, Inês de Sayn-Wittgenstein.[1]

Casamento[editar | editar código-fonte]

Luísa Henriqueta com o marido.

Luísa Henriqueta teve de desistir do seu amor por Henri Charles de la Trémoille, príncipe de Talmant, filho de Henry de la Trémoille, uma vez que a sua mãe tinha ambições mais altas para o seu casamento apesar de as suas tentativas de a noivar com o rei Carlos II de Inglaterra não terem tido sucesso. Finalmente Luísa foi forçada a casar-se com o eleitor Frederico Guilherme I de Brandemburgo, em Haia, no dia 7 de Dezembro de 1646, o dia do seu décimo-nono aniversário.

Brandemburgo viu este casamento com bons olhos devido às ligações com a família de Orange e ao desenvolvido estado dos Países Baixos, bem como a esperança de receber apoio militar para a tentativa de ganhar influência na Pomerânia.

Eleitora[editar | editar código-fonte]

O casal viveu em Kleve nos primeiros anos do seu casamento, mas mudaram-se para Brandemburgo, a capital de Frederico Guilherme, em 1648. Durante o seu casamento, Luísa seguiu o seu marido, viajando entre Haag, Königsberg, Berlim e Kleve entre campanhas, inspecções, guerras e campos de batalha na Polónia e na Dinamarca. Era conselheira política do seu marido e era vista como pragmática. Conseguiu, através de correspondência com a rainha da Polónia, fazer uma aliança com o seu país em troca do reconhecimento da Prússia como província de Brandemburgo por parte da Polónia. Disse-se dela: "Poucas eleitoras puderam ter tanta influência". Luís mandou construir um novo palácio em estilo dinamarquês ao qual chamou Oranienburg. Em 1653 toda a cidade de Bötzow foi rebaptizada com esse nome. Também esteve envolvida no projecto e desenvolvimento do Lustgarten em Berlim. Em 1663 instalou o primeiro armário de porcelana da Europa. Em 1665 abriu um orfanato com espaço para vinte e quatro crianças. Era vista como verdadeiramente boa, gentil e com grande inteligência: os seus conselhos foram vitais para o seu marido e o seu casamento foi considerado um modelo a seguir. Durante a guerra esforçou-se por minimizar os danos para com a sociedade.

Descendência[editar | editar código-fonte]

  • Guilherme Henrique(1648-1649)
  • Carlos (1655-1674)
  • Frederico (1657-1713), primeiro rei na Prússia
  • Amália (1656-1664)
  • Henrique (1664-1664)
  • Luís (1666-1687), casado com Ludwika Karolina Radziwiłł


Precedido por
Isabel Carlota
Eleitora Consorte de Brandemburgo
Duquesa Consorte da Prússia

7 de dezembro de 164618 de junho de 1667
Sucedido por
Sofia Doroteia de Schleswig


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Luísa Henriqueta de Orange-Nassau

Referências

  1. Jirí Louda and Michael MacLagan, Lines of Succession: Heraldry of the Royal Families of Europe, 2nd edition (London, U.K.: Little, Brown and Company, 1999), table 34.