Luísa Isabel de França

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Maria Luísa Isabel de França e a sua filha, Isabel de Parma

Maria Luisa Isabel de França (Marie-Louise-Élisabeth; 14 de Agosto de 17276 de Dezembro de 1759) foi a filha mais velha do rei Luís XV de França e da sua esposa, Maria Leszczyńska, e a irmã gémea de Henriqueta Ana. Como filha do Rei francês, era titulada filha da França (em francês: Fille de France). Casou-se com Dom Filipe de Bourbon, infante de Espanha, filho mais novo de Filipe V de Espanha.

Filipe veio a ser, mais tarde, Duque Soberano de Parma, o que fez de Isabel Luísa duquesa consorte.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Isabel e a sua irmã gémea Henriqueta nasceram em Versalhes no dia 14 de Agosto de 1727, como primogénitas do rei Luís XV de França e da sua esposa, a princesa polaca Maria Leszczyńska. A Princesa recebeu os nomes de 'Maria Luísa Isabel, mas, enquanto filha mais velha do rei, era conhecida na corte como Madame Première, ou alternativamente Madame Élisabeth, Madame Royale ou simplesmente Madame. O Rei chamava-a de Babette.

Foi criada em Versalhes juntamente com as duas irmãs mais novas, Henriqueta Ana e Luísa Maria e o seu irmão, o Delfim Luís.

Inteligente e precoce, era fisicamente parecida com o pai, de quem era a filha favorita. Juntamente com o Delfim, foi a única dos dez irmãos que se casou. Ao invés das irmãs mais novas Sofia e Vitória, que foram enviadas para um convento para aí serem criadas, Isabel cresceu no seio de uma família carinhosa.

Noivado e casamento[editar | editar código-fonte]

Em Fevereiro de 1739, quando Isabel tinha doze anos, foi anunciado o seu compromisso de casamento com o Infante Filipe de Espanha. Filipe era o terceiro filho de Filipe V de Espanha, tio do seu pai, e da sua segunda esposa, Isabel Farnésio. O noivado prosseguiu com a tradição de cimentar as alianças entre as duas potências católicas Espanha e França através do casamento. Porém, o noivado foi mal recebido na corte francesa, uma vez que Filipe era apenas o terceiro na linha de sucessão, sendo reduzida a possibilidade de alguma vez vir a ocupar o trono espanhol.

Isabel casou por procuração a 26 de Agosto de 1739, passando a ser conhecida como Madame Infante. O casamento foi marcado por celebrações faustosas. Finalmente, no dia 30 de Agosto, Isabel partiu de Versalhes para Espanha. O adeus de Isabel à família foi copioso, tendo-se despedido da amada irma gémea com as seguintes palavras: "É para sempre, meu Deus, é para sempre!" (C’est pour toujours, mon Dieu, c’est pour toujours!).

Já em território espanhol, Isabel conheceu finalmente o marido, de dezanove anos, em Alcalá de Henares, situado a 30km de Madrid. O casamento teve lugar no dia 25 de Outubro de 1739.

Posteridade[editar | editar código-fonte]

Isabel e Filipe tiveram três filhos:

Vida em Espanha[editar | editar código-fonte]

A etiqueta da corte à data da chegada de Isabel em Espanha era muito mais rígida do que a da corte francesa. Para além disto, a sua sogra, Isabel Farnésio, exercia uma influência dominante e controladora. Como resultado disto, Isabel ocupava o seu tempo longe da Rainha, brincando com bonecas e mimando a filha, Isabel Maria (nascida quando ela tinha apenas catorze anos), e escrevendo ao pai relatando a sua infelicidade.

Em 1745, a irmã mais nova de Filipe, a Infanta Maria Teresa Rafaela, casou com o irmão de Isabel, o Delfim Luís.

Duquesa de Parma[editar | editar código-fonte]

Em 1748, Isabel conseguiu sair de Espanha. No Tratado de Aquisgrão, que pôs termo à Guerra da Sucessão Austríaca, a Imperatriz Maria Teresa da Áustria foi forçada a ceder os ducados de Parma, Placência e Guastalla a Filipe V de Espanha. Por intervenção de Luís XV, Isabel e o marido tornaram-se Duques de Parma.

Isabel regressou a Versalhes em Dezembro de 1748, a caminho de Parma, para agradecer ao seu pai. Ficou durante cerca de um ano, durante o qual veio a conhecer e entender Madame de Pompadour, ao contrário da mãe e dos irmãos, que odiavam a amante do rei.

Durante este primeiro regresso ao seu país natal, um membro da corte descreveu Madame Infante como "encantadora", com "olhos penetrantes" e "inteligência expressa". Outro observador, menos favorável, afirmou que ela era "uma jovem be-dotada, amadurecida pela maternidade". Isabel chegou a parma em Outubro de 1749, trazendo consigo os costumes da corte francesa.

Últimos anos e morte[editar | editar código-fonte]

Henriqueta, a irmã gémea de Isabel, faleceu em 1752 e Isabel regressou a França em Setembro desse ano para visitar o seu túmulo em Saint-Denis, acabando por ficar em Versalhes por quase um ano.

Ao regressar a Parma, Isabel começou a buscar um reino maior. Aliou-se com a Imperatriz Maria Teresa da Áustria, que lhe prometera o trono dos Países Baixos. Em Setembro de 1757, Isabel regressou novamente a França na esperança de casar a filha Isabel com o Arquiduque José, herdeiro do trono austríaco. O casamento teve lugar em 1760.

Em 1759, Fernando VI de Espanha morreu sem descendentes, sendo sucedido pelo irmão mais novo, que se tornou Carlos III de Espanha. Apesar de o marido de Isabel estar um passo mais próximo do trono, o facto de Carlos ter vários filhos tornava ainda improvável a possibilidade de algum dia herdar o trono espanhol.

Isabel adoeceu quando se encontrava em Versalhes e morreu de varíola no dia 6 de Dezembro de 1759, com apenas 32 anos. Foi sepultada em Saint-Denis ao lado da irmã gémea Henriqueta, a 27 de Março do ano seguinte. Os seus túmulos foram profanados durante a revolução francesa.