Luis Echeverría

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Luis Echeverría Álvarez
Luis Echeverría Álvarez
Presidente do  México
Período de governo 1 de dezembro de 1970 - 1 de dezembro de 1976
Antecessor(a) Gustavo Díaz Ordaz
Sucessor(a) José López Portillo
Vida
Nascimento 17 de Janeiro de 1922 (92 anos)
Cidade do México, México
Dados pessoais
Primeira-dama María Esther Zuno
Partido Partido Revolucionario Institucional - PRI
Profissão advogado

Luis Echeverría Álvarez nasceu na Cidade do México em 17 de janeiro de 1922) foi presidente do México de 1970 a 1976.

Estudou na Universidad Nacional Autónoma de México (UNAM), onde se formou em Direito. Em 1946 ingressou no Partido Revolucionário Institucional (PRI), onde trabalhou para o presidente do partido, como secretário do general Rodolfo Sánchez Taboada a quem seguiu na Secretaria da Marinha. Foi oficial maior da Secretaria de Educação. Em 1958 é nomeado sub-secretário do Governo. Em 1964 é nomeado secretário do Governo do Presidente Gustavo Díaz Ordaz. Nesta época ocorreu a tragédia da matança de estudantes da Praça das Três Culturas em Tlatelolco em 2 de outubro de 1968.

Em 1969, é designado candidato a presidência da república pelo PRI e em 1970 assume o cargo. Auto-definido como sendo de esquerda, se rodeou de jovens, intelectuais, economistas e activistas ligados ao movimento de 1968.

Em 10 de junho de 1971, teve lugar uma manifestação estudantil na Cidade do México em apoio aos estudantes de Monterrey, que foram recebidos pelo grupo paramilitar a serviço do Estado, chamado "Los Halcones". O presidente pediu a renúncia do Chefe do Departamento do Distrito Federal. Este acontecimento foi conhecido com o nome de El halconazo ou a matança de Corpus Christi.

Aumentou de forma considerável os gastos públicos, emitindo papel moeda sem valor e somando dívidas em conjunto com a crise internacional provocada pela crise do petróleo. O governo se converteu em empresário e se lançou na compra de empresas para que os funcionários não perdessem seus empregos, o que não ajudou muito, devido à ineficiência administrativa e corrupção. Durante seu governo foi abandonado o câmbio fixo que vigorava desde 1954, de $12,50 por dólar, no final do seu mandato, o câmbio chegou a $20,00 por dólar. A dívida externa aumentou de 6 000 milhões de dólares para mais de 20 000 milhões.

Realizou uma grande quantidade de viagens a países da Europa, África e América Latina. Seu governo foi bastante próximo dos regimes socialistas do Chile e Cuba, dando exílio a Hortensia Bussi, esposa do presidente chileno Salvador Allende, quando este morreu em 1973 depois de derrotado por um golpe de estado. Também deu exílio a um grande número de pessoas provenientes das ditaduras da América do Sul. Mas também realizou a chamada "Guerra Sucia", durante a qual uma grande quantidade de pessoas foram torturadas e desaparecidas. Em seu governo foram mortos os guerrilheiros Genaro Vázquez e Lucio Cabañas.

Quase no final do seu mandato desencadeou-se uma onda de sequestros e assaltos a bancos por grupos guerrilheiros de esquerda. O caso mais famoso foi o sequestro e assassinato do empresário Eugenio Garza Sada.

Entregou a presidência a José López Portillo, que havia sido secretário de seu governo, tentou ser escolhido para o posto de secretário das Organização das Nações Unidas, perdendo para Javier Pérez de Cuéllar.

Em 2002 foi o primeiro funcionário político notificado para prestar depoimento frente à justiça mexicana pela matança de estudantes em Tlatelolco em 1968.

Em fevereiro de 2006 com 84 anos, esteve hospitalizado por um problema de circulação sanguínea no cérebro.

Em 4 de abril de 2006 foram-lhe penhorados um total de 14 terrenos por dívidas fiscais acumuladas de 30 anos num total de quase 2 milhões de pesos.

Em 30 de junho de 2006 um juíz federal ordenou a sua prisão pela Matança de Tlatelolco em 1968.

É absolvido em 8 de julho de 2006 devido a prescrição do delito em novembro de 2005.

Referências

Precedido por
Gustavo Díaz Ordaz
Presidente do México
1 de dezembro de 19701 de dezembro de 1976
Sucedido por
José López Portillo