Lula Galvão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde julho de 2011).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.


Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.

Luís Guilherme Farias Galvão, mais conhecido como, Lula Galvão (Brasília, 1962) é um violonista e guitarrista brasileiro.

Lula tocou com nomes como Caetano Veloso, Guinga, Rosa Passos e Leila Pinheiro. Galvão acompanhou Cláudio Roditi em vários festivais de jazz pelo mundo. Acompanhou também Ivan Lins no Japão e na Europa bem como Rosa Passos em vários países europeus.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aos nove anos, ganhou de seu pai o primeiro violão. Os amigos pediam para ele parar de tocar, pois fazia barulho o dia inteiro. De formação inicialmente autodidata, teve rápidos contatos com alguns professores brasilienses, dentre eles: Luciano Flemming e Paulo André Tavares, que prontamente identificaram seu talento nato e a disciplina necessária para fazer dele o músico admirado em todas cidades e países por onde se apresenta, reconhecido tanto pelas platéias como pela crítica especializada. Desde cedo dedicou-se intensamente ao instrumento, somando experiências bastante ecléticas inicialmente: Clube do Choro, bandas de rock'roll, jazz e muita bossa nova influência direta de seus dois irmãos mais velhos: o genial baterista Zequinha Galvão, falecido (1996), e o contrabaixista, compositor contemporâneo e maestro Carlos Galvão, também falecido (2009) - música, aliás, é a chama acesa desta família de instrumentistas, que segue já em sua segunda geração.

A inventiva originalidade de sua maneira de tocar e o modo jazzístico de improvisar, aliam-se ao desenho mágico de seus solos impressionantes, sem deixar escapar também a qualidade de seus arranjos de base e para orquestra, cujo colorido harmônico revela ao mesmo tempo o casamento da mais preciosa brasilidade com o refinamento das mais belas interpretações absolutamente universais. O somatório de tantos atributos, é certamente responsável pela extensa agenda de shows e gravações desse extraordinário musicista, somente comparável à enorme diversidade de suas participações, em palco e estúdios, nos trabalhos de grandes vultos de nossa música, tais como: Fátima Guedes, Leila Pinheiro, Rosa Passos, Joyce, Gal Costa, Ivan Lins, Caetano Veloso, Chico Buarque, Zé Renato, Cláudio Roditi, Paula e Jaques Morelembaun, Guinga, Ron Carter, Wagner Tiso, Edú Lobo e tantos outros. A destreza e dedicação deste músico é perceptível tanto quando o ouvimos tocar a guitarra elétrica ou o violão acústico, a grande novidade é sua mais nova paixão, o cavaquinho. Em dueto com o excepcional violonista e compositor Guinga, encantou diversificadas platéias que não se limitaram ao solo brasileiro. Aliás, o seu disco solo, lançamento recente do selo "Biscoito Fino", alimenta os recônditos sentidos dos amantes da boa música, com muito ginga, bossa e suingue. Vale a pena conferir "Bossa da minha Terra". O virtuosismo de Lula Galvão aliado ao indiscutível talento de instrumentistas como Idriss Boudrioua (saxofone), Fernando Moraes (piano), Sérgio Barrozo (contrabaixo), Rafael Barata (bateria), além das participações especialíssimas de Rosa Passos, Cláudio Roditi, Raul de Souza e Mauricio Einhorn. O disco apresenta um refinado repertório que inclui mestres da Bossa Nova, como Tom Jobim (Esperança Perdida, Ligia e Outra Vez), João Donato (Minha Saudade e Quem Diz que Sabe), Carlos Lyra (Você e Eu), Durval Ferreira (Samba Novo) e Roberto Menescal (Rio), Mauricio Einhorn (Tristeza de Nós Dois) e o grande compositor americano Irving Berlin (Change Partners).

Ligaçõpes externas[editar | editar código-fonte]