Lusitanos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Lusitana)
Ir para: navegação, pesquisa
Migrações das tribos pré-românicas no território do atual Portugal:
  Túrdulos (Turduli)
  Célticos (Celtici)
  Lusitanos (Lusitani)

Os lusitanos constituíram um conjunto de povos ibéricos pré-romanos de origem indo-europeia que habitaram a região oeste da península Ibérica desde a Idade do Ferro. Em 29 a.C., na sequência da invasão romana a que resistiram longo tempo, foi criada a província romana da Lusitânia nos seus territórios, correspondentes a grande parte do actual Portugal.

A figura mais notável entre os lusitanos foi Viriato, um dos seus líderes no combate aos romanos. Outros líderes conhecidos foramPunicus, Cæsarus, Caucenus, Curius, Apuleius, Connoba e Tantalus.

Os lusitanos são considerados, por antropólogos e historiadores, como um povo sem história por não terem deixado registos nativos antes da conquista romana.[1] As informações sobre os lusitanos são-nos transmitidas através dos relatos dos autores gregos e romanos da antiguidade o que por vezes causa diversos problemas ou conflitos na interpretação dos seus textos.

Origem[editar | editar código-fonte]

Os antepassados dos lusitanos compunham um mosaico de diferentes tribos que habitaram Portugal desde o Neolítico. Miscigenaram-se parcialmente com os invasores celtas, dando origem aos lusitanos. Não se sabe ao certo a origem destas tribos celtas, mas é muito provável que fossem oriundas dos Alpes suíços e teriam migrado devido ao clima mais quente da península Ibérica.

Entre as numerosas tribos que habitavam a península Ibérica quando chegaram os romanos, encontrava-se, na parte ocidental, a dos lusitani, considerada por alguns autores a maior das tribos ibéricas, com a qual durante muitos anos lutaram os romanos.[2]

Supõe-se que a zona do centro de Portugal era habitada pelos Lusis ou Lysis que teriam dado origem aos Lusitanos. Os Lusis eram provavelmente povos do Bronze Final, linguística e culturalmente de origem indo-europeia e pré-céltica que numa época posterior vieram a sofrer influências hallstáticas e mediterrânicas, isto ao longo dos séculos VIII e VII a.C.[3]

Os Lusis foram referidos pela primeira vez no Ora Maritima de Avieno onde foram chamados de pernix, que significa ágil, rápido e é o adjectivo que se aplicava ao praticante de jogos de destreza física.[4]

Etnia segundo os autores da Antiguidade[editar | editar código-fonte]

Os escritores da Antiguidade identificaram duas etnias na península Ibérica, a ibera e a celta, e qualificavam os seus habitantes como sendo iberos ou celtas ou uma mistura das duas etnias. No entanto, o conceito de ibero podia ser usado num sentido geral, isto é, num sentido geográfico, referindo-se ao conjunto dos seus habitantes e num sentido restrito, referindo-se a um conjunto de tribos com a mesma etnia; ou podia mesmo variar consoante o conceito da época; e o mesmo se pode considerar relativamente ao conceito de celta da Ibéria ou celtibero.[5]

Diodoro Sículo considerava os lusitanos um povo celta: "Os que são chamados de lusitanos são os mais valentes de todos os cimbros".[6] Estrabão diferenciava os lusitanos das tribos iberas.[7] Viriato foi referido como líder dos celtiberos.[8] Os Lusitanos também eram chamados de Belitanos, segundo Artemidoro.[9] [10]

Indícios arqueológicos e pesquisas etnográficas relativamente recentes sugerem que os lusitanos estejam ligados aos lígures, possivelmente através de uma origem comum.[11] No entanto, a religião, a onomástica, nomes próprios e topónimos, e escavações nos castros lusitanos revelam tratar-se de um povo celta. Entre os autores modernos não existe consenso, são considerados iberos, lígures ou celtas.[12]

Tribos[editar | editar código-fonte]

Mapa da Lusitânia romana e das suas principais cidades

Povos (populi) que constituíam os Lusitanos (Lusitani), conforme descrito na Ponte de Alcântara (CIL II 760):

  • Igaeditani
  • Lancienses Oppidani
  • Tapori
  • Coilarni ou Colarni
  • Lancienses Transcudani
  • Aravi
  • Meidubrigenses
  • Arabrigenses
  • Paesures

Língua e escrita[editar | editar código-fonte]

Línguas da península ibérica pre-romana. A língua lusitana assinalada como (L1).
Reprodução de inscrições em língua lusitana em Arroyo de la Luz (Província de Cáceres)

As principais inscrições foram feitas em território português em Lomas de Moledo e Cabeço das Fráguas; a outra inscrição procede de Arroyo de la Luz (Província de Cáceres, Espanha) no território dos vetões.[13] Como exemplo segue-se a inscrição de Cabeço das Fráguas do século III d.C.:

OILAM TREBOPALA

INDI PORCOM LAEBO
COMMAIAM ICCONA LOIM
INNA OILAM VSSEAM
TREBARVNE INDI TAVROM IFADEM[…]

REVE TRE[…]
Esta inscrição traduz-se habitualmente como: "[é sacrificada] uma ovelha a Trebopala, e um porco a Laebo, oferenda a Iccona Luminosa, uma ovelha de um ano a Trebaruna e um touro semental a Reve Tre[baruna(?)]".

As inscrições em língua lusitana (escritas em alfabeto latino) mostram uma língua celtoide facilmente traduzível e interpretável, já que conserva em maior grau a sua semelhança com o celta comum. A conservação do p- inicial em algumas inscrições lusitanas, faz com que muitos autores não considerem o lusitano como uma língua celta, mas celtoide. O celta comum perde o p- indo-europeu inicial. Por exemplo: "porc/om" em lusitano seria dito "orc/os" em outras línguas celtas como o celtibero, goidélico ou gaulês.

Para estes autores, o lusitano mais do que uma língua descendente do celta comum, seria uma língua aparentada ao celta comum, ou seja, uma variante separada do celta, mas com muita relação a ele. O alfabeto latino, o sistema de escrita utilizado nas inscrições já era usado na península Ibérica pelos povos que habitavam junto ao mar, segundo informação de Artemidoro,[14] no princípio do século I a.C., época em que visitou a península Ibérica.

Os autores antigos diziam que as pessoas das diferentes tribos que habitavam a península Ibérica, a Ibéria, falavam línguas diferentes, mas não tinham dificuldade em entenderem-se umas às outras.[15] O que poderia revelar uma situação de possível bilinguismo ou até poli-linguismo na península Ibérica.

Guerreiro lusitano[editar | editar código-fonte]

Dizem que os Lusitanos são hábeis em
armar emboscadas e descobrir pistas;
são ágeis, rápidos e de grande destreza.
Usam um pequeno escudo de dois pés de
diâmetro, côncavo para diante, que é
preso ao corpo por correias de couro,
porque não tem nem braçadeiras nem asa.
Usam também um punhal ou um gládio.
A maior parte dos guerreiros veste
couraças de linho, e apenas alguns
cotas de malha e capacete de tríplice
cimeira. Mas em geral usam elmos de
nervos. Os peões calçam polainas de
couro e estão armados com lanças
de ponta de bronze.
Estrabão: Geografia 3.3.6[16] [17]

Os guerreiros ibéricos são citados como tropas mercenárias na batalha de Hímera em 480 a.C.. Os mercenários ibéricos aparecem nos principais confrontos bélicos do Mediterrâneo, tornando-se num dos pilares dos exércitos do Mediterrâneo central. Estão presentes na batalha de Selinute, Agriento, Gela e Calamina. Surgem em outros conflitos na segunda guerra greco-púnica, na Sicília, em Siracusa, em Atenas e estão presentes na defesa de Esparta na batalha de Krimios, na Primeira Guerra Púnica, e com os púnicos no norte de África.[18] Tito Lívio (218 a.C.) descreve os Lusitanos pela primeira vez como mercenários ao serviço dos cartagineses na guerra contra os romanos.

Os lusitanos foram considerados pelos historiadores como hábeis na luta de guerrilhas. Eram indivíduos jovens na plenitude da sua força e agilidade e seleccionados entre os mais fortes. Neles recai a defesa da comunidade quando está ameaçada. A preparação militar dos jovens guerreiros [a] tinha lugar nas montanhas em lugares específicos.

"Em tempo de guerra eles marcham observando tempo e medida; e cantam hinos (paeans) quando estão prontos para investir sobre o inimigo"[6] batendo nos escudos à maneira ibérica.[19]

Segundo Tito Lívio, os lusitanos eram pacíficos quando não eram acossados.[20]

Mulheres guerreiras[editar | editar código-fonte]

Apiano relata que quando o pretor Brutus, ao perseguir Viriato, atacou as cidades da Lusitânia, as mulheres lutavam e morriam valentemente lado a lado com os homens. Depreende-se que de alguma forma o treino militar também era dado às mulheres em quem recaia também a defesa dos castros.[21]

Iuventus lusitana[editar | editar código-fonte]

A iuventus, uma organização paramilitar que preparava os jovens para a guerra, era uma adaptação urbana das fraternidades guerreiras da idade do bronze. A iuventus lusitana[22] era formada por grupos de jovens,[23] [24] que recebiam treinamento militar e que provavelmente serviam como militares de reserva na defesa dos castros. Organizações similares encontravam-se entre os celtas, celtiberos e romanos.[25] [26] O massacre da "flos iuventutis"[27] lusitana, por Galba, desencadeou um conflito que ficou conhecido como a guerra lusitana.

Armas utilizadas pelo exército lusitano[editar | editar código-fonte]

Falcata do século IV a.C.
(Museu Arqueológico de Espanha, Madrid).

Segundo Tito Lívio, são as seguintes as armas utilizadas pelo exército lusitano:[28] [29]

Armamento ofensivo usado na luta corpo a corpo
  • punhal de fio recto e antenas atrofiadas[30] ou afalcatado.
  • espadas[31] tinham um esmerado processo metalúrgico, com uma resistência e flexibilidade fora do comum para a época. Usavam a espada do tipo La Tène, a espada de antenas atrofiadas e a falcata.[32] [33]
  • lança de ponta de bronze - segundo Estrabão, estas lanças eram de uma época antiga e supõe-se que a sua presença se devia a ainda serem usadas em rituais que teriam origem nas tradições das fraternidades guerreiras da idade do bronze.[34]
  • labrys,[35] machado de dupla lâmina que aparece em moedas romanas da lusitânia não parece que fosse usado pelos lusitanos mas pelos cântabros.
Armamento ofensivo de arremesso
Armamento defensivo
Capacete de Lanhoso, da Idade do Ferro
  • caetra, pequeno escudo de dois pés de diâmetro que se manejava com a mão esquerda, era feito de madeira, couro, nervos trançados, bronze ou ferro, ficava suspenso por correias que eram manejadas habilmente para se defenderem dos dardos. Era decorado com o desenho de um labirinto, que se supõe ter sido um símbolo ou emblema étnico de reconhecimento entre os lusitanos.[36]
  • cota de malha era feita de pequenas argolas de ferro entrelaçadas, era pesada, e usada apenas por alguns guerreiros, provavelmente os líderes.
  • couraça de linho, o tipo de protecção mais usada, era mais leve e adaptada ao clima que as cotas de malha, e provavelmente mais barata.
  • elmos eram de couro, de nervos trançados ou de metal e parecidos com os dos celtiberos, do tipo montefortino,[37] [38] [39] elmos de três cimeiras (penas) de cor purpura.[40] [41]
  • polainas eram feitas de couro para proteger as pernas.

Os guerreiros lusitanos realizavam competições entre si, em que tomava parte a cavalaria e a infantaria; competiam em boxe, luta livre, corridas, faziam combates de grupo e combates entre esquadras.[42]

Estrabão reconhecia que os lusitanos lutavam como peltastas,[43] e eram organizados e eficientes a posicionarem-se na linha de batalha ou a movimentarem-se concertadamente para posições estratégicas.[17]

As lutas dos lusitanos contra os romanos começaram como mercenários no exército púnico e depois reacenderam-se em 193 a.C.. Em 150 a.C. o pretor Sérvio Galba, após ter infligido grandes punições aos lusitanos, aceitou um acordo de paz com a condição de entregarem as armas, aproveitando depois para os chacinar. Isto fez lavrar ainda mais a revolta e, durante oito anos, os romanos sofreram pesadas baixas.

As guerras lusitanas levaram ao assassínio traiçoeiro de Viriato por três aliados tentados pelo ouro romano. Mas a luta não terminou e para tentar acabá-la Roma mandou à península o cônsul Décimo Júnio Bruto Galaico, que fortificou Olisipo, estabeleceu a base de operações em Méron próximo de Santarém, e marchou para o Norte, matando e destruindo tudo o que encontrou até à margem do rio Lima. Mas nem assim Roma conseguiu a submissão total e o domínio da Lusitânia. A tomada de Numância, na Celtibéria, pelos romanos, foi vista como um símbolo da resistência dos aliados dos lusitanos.

Estratégias militares[editar | editar código-fonte]

O Basto - estátua de um guerreiro galaico-lusitano[44] [45] do século I a.C.

Os lusitanos não faziam uma guerra defensiva. Pelo contrário, planeavam uma guerra ofensiva. Faziam campanhas de longa distância e organizavam operações militares em diversos locais da península Ibérica, chegando mesmo até África.[46] A geografia destas operações militares mostra uma dupla intenção: assegurar o controlo das regiões da Beturia e com isto ocupar posições chave que impedissem o avanço dos romanos, e punir as tribos aliadas dos romanos que eram consideradas traidoras,[47] além de destruir as bases operacionais que eram instaladas nestas cidades.[46] [48]

A deslocação das operações militares para outra região implicava a divisão dos exércitos: havia exércitos que eram enviados para diversos locais na península, e exércitos que ficavam na Lusitânia a defender os castros. Compreende-se nesta divisão uma necessidade estratégica de defesa. Os romanos também dividiam os seus exércitos para cobrir uma região mais vasta, enviavam um contingente para a Hispânia Ulterior e outro para a Hispânia Citerior. Apiano relata um tipo de ataque concertado com duas frentes, em que dois exércitos consulares romanos, comandados por Luculus e Galba, invadiram de forma concertada duas regiões da Lusitânia. Estas acções concertadas frequentemente envolviam as tribos aliadas dos romanos.[46]

Estátua de guerreiro galaico-lusitano[44] [45]

Nos confrontos militares com os povos da Grécia ou Ásia, a vitória ou derrota de uma guerra era decidida numa batalha, raramente em duas; a batalha era decidida pelo resultado da primeira carga e pelo choque dos dois exércitos. Pelo contrário, na Lusitânia a guerra era uma sucessão de batalhas apenas interrompidas pelo inverno, embora nem sempre; as batalhas só cessavam com o cair da noite, para continuar com vigor renovado no dia seguinte.[47]

O exército lusitano era formado por uma força combinada de cavalaria e infantaria, versado num tipo de combate híbrido: combatiam em campo aberto ou em terreno árduo e montanhoso.

Os romanos identificavam dois tipos de conflitos: latrocinium, quando eram utilizadas tácticas de guerrilha, quando as tribos aliadas dos romanos eram atacadas ou quando eram usados pequenos exércitos; e bellum, que implicava uma declaração de guerra conforme a tradição romana, o uso de um exército regular e combate em campo aberto.[49]

O controlo táctico das unidades de combate era possivelmente feito com o uso de estandartes. Pela indicação de Tito Lívio, (134 estandartes num exército de 12.540 guerreiros),[50] cada estandarte deveria guiar unidades de cerca de noventa guerreiros lusitanos - unidades semelhante à centúria romana - ou apenas divisões por tribos, como faziam os Iberos. Os estandartes eram consagrados a uma divindade guerreira, Bandua.[51]

Segundo Júlio César, por ser inesperada e desconhecida dos legionários, a sua maneira de combater desorganizava completamente as fileiras romanas.[52]

Bronze de Alcântara, ou Tabula Alcantarensis, inscrição latina declarando a rendição incondicional (deditio) ante os romanos do povo que habitava um castro entre o território dos Lusitanos e dos Vetões, 104 a.C., Cáceres.
Tácticas ofensivas
  • emboscadas.[53]
  • ataques surpresa.
  • ataques nas horas mais quentes do dia ou durante a noite.
  • concursare.[54] [55]
  • súbita dispersão das tropas e posterior reagrupamento em local combinado.
  • formação em cunha ou v invertido - táctica usada pela cavalaria ibera e celtibera.
  • desmoralização do inimigo - nos castros dispunham como troféus, diversas insígnias, fasces e as túnicas militares conquistadas aos romanos.[56] [57]
Tácticas defensivas
  • retiradas militares estratégicas.
  • transladação de populações.
  • uso da cavalaria - formavam linhas à frente para retardar as tropas inimigas e proteger a retirada das suas próprias tropas.
  • terra queimada.

Estrutura dos povoados[editar | editar código-fonte]

Motivos castrejos

As casas de pedra tinham forma redonda ou rectangular; eram cobertas de colmo e ficavam situadas no alto de morros ou colinas, agrupando-se em aldeias - os castros citados pelos historiadores antigos.

As casas eram dispostas ordenadamente e formavam algo semelhante a bairros, organizados por famílias e subdivididos em diversos núcleos habitacionais que se distribuíam em torno de um pátio, de acordo com a sua função. Incluíam cozinha com lareiras e forno, local de armazenagem de géneros, zonas de dormida, recinto para guarda de animais.[16]

A decoração das casas, em relevo e gravura, era feita com motivos geométricos, em forma de corda, de espinha, com círculos encadeados ou sinais espiralados, tríscelos e tetrascelos, cruciformes e serpentiformes.

Nos castros destacava-se um grande edifício de planta circular, para reuniões do conselho comunitário, com bancos ao redor. Havia ainda os balneários públicos para banhos frios e de vapor. As ruas eram calcetadas com pedras regulares.

Encontram-se dois tipos de castros: fortificados, cercados com muralhas defensivas feitas de grandes pedras, chegando a alcançar um quilómetro de perímetro; e abertos, sem estruturas de defesa visiveis.[58] Outros tipos de povoamentos eram os chamados casais agrícolas. Verifica-se uma relação estreita entre a fortificação dos povoados e a exploração de metais, encontrando-se frequentemente conheiras e minas de filão perto de castros fortificados.[59]

Os instrumentos musicais incluíam a flauta e a trombeta, com que acompanhavam seus coros e danças, de que os romanos deixaram algumas descrições. Homens e mulheres bailavam em danças de roda, de mãos dadas.

Sociedade[editar | editar código-fonte]

Monumento a Viriato em Viseu, Portugal

A sociedade lusitana, essencialmente guerreira, denotava a presença de uma hierarquia social em que o guerreiro ocupava uma importante posição. Era uma sociedade aristocrática, na qual a maior parte da riqueza estava nas mãos de um grupo reduzido de pessoas. A presença de jóias e de armas nos túmulos indica a presença de uma elite guerreira.[60] [61]

A organização da família lusitana revela uma estrutura gentílica da sua sociedade. Era referida nas fontes epigráficas com a designação de gentes ou gentiliates. Os lusitanos encontravam-se unidos entre si por laços de sangue ou parentesco e não pelo território ocupado.[62]

O tipo de governo era a chefia militar e o líder era eleito em assembleia popular, escolhido entre aqueles que se distinguiam pela coragem, valor, capacidade de liderança e vitórias obtidas em tempo de guerra. Os autores gregos referiam-se a estes chefes militares como hegúmenos, isto é, líder, chefe, e os romanos duque. No entanto, o nome de regnator (rei),[63] e principe,[64] também foram referidos. O hospitium, segundo o qual se adoptavam estranhos na comunidade, é também considerado um costume dos lusitanos.

Apiano revela a existência de uma propriedade comunitária,[65] que para além de terras incluía cavalos, produtos agrícolas e diversos outros bens comunitários[66] incluindo um tesouro público, do qual fala Diodoro.[67] Esta propriedade comunitária deveria coexistir a par da propriedade privada. Os lusitanos eram um povo autónomo (grego: αὐτονόμων), com leis próprias.[68]

Os lusitanos tinham o hábito de frequentar espaços públicos onde untavam o corpo com óleos duas vezes ao dia, tomavam banhos de vapor que emanavam de pedras aquecidas. Lançavam água sobre pedras ao rubro e tomavam em seguida um banho frio. Os balneários eram decorados com gravuras em baixo relevo, como indicam os monólitos Pedra Formosa encontrados em sítios arqueológicos castrejos. Estrabão comenta que viviam de uma maneira simples e limpa, semelhante à dos lacedemônios.[42]

As refeições em que os Lusitanos se juntavam, apenas uma vez por dia, tinham lugar numa sala onde se sentavam em bancos móveis, encostados à volta das paredes da sala. A disposição dos bancos obedecia a uma hierarquia que colocava na frente os de mais idade e seguia uma ordem consoante a posição social.[42]

O alimento mais característico era o pão de bolota ou glande de carvalho;[69] bebiam leite de cabra e cerveja de cevada, reservando o vinho, que já produziam desde a época pré-romana, para as festas, .[70] Caça, pesca (usavam barcos feitos de couro ou pirogas de madeira para navegação dos rios), produção de gado bovino e equino, produção de mel e lã, assim como trigo, cevada, linho e mineração, eram actividades referenciadas.[71] [72] O custo de vida era muito barato, no século II a.C., os produtos de pesca, ovinos, caprinos e agrícolas abundantes e as peças de caça eram dadas de graça a quem comprava alguns destes produtos.[73]

O escambo era usado nas regiões do interior, onde também usavam peças cortadas de prata batida como dinheiro. Os homens vestiam-se de preto e usavam capas simples; as mulheres capas compridas e vestidos de cores vivas. Os homens usavam os cabelos compridos, como as mulheres, mas prendiam-nos à volta da testa quando combatiam.[42] Eram tipicamente monogâmicos, casavam-se em cerimónias com rituais semelhantes aos dos gregos.[74]

Culto religioso[editar | editar código-fonte]

"Cabeça cortada" castreja [1]

Os lusitanos praticavam sacrifícios humanos e, quando o sacerdote feria o prisioneiro no ventre, faziam-se vaticínios segundo a maneira como a vítima caía. Sacrificavam a Ares, deus da guerra, não só prisioneiros, como igualmente cavalos e bodes. Os sacerdotes, a quem Estrabão chama de hieroskópos, segundo a hipótese de alguns autores, fariam parte de um grupo de pessoas reconhecidas pelo seu prestígio, sabedoria e experiência.[75]

Os locais de culto funerário, de grande interesse para os arqueólogos, encontram-se por todo o território da antiga Lusitânia. Do período paleolítico, conhecem-se cemitérios onde os corpos estavam dispostos com restos de alimentos, utensílios e armas; do megalítico abundam os dólmens, conhecidos em Portugal como antas ou mamoas - porque os montículos de terra que se acumularam sobre eles criaram essa forma arredondada.

Os santuários eram erigidos nas massas rochosas de locais com certo domínio da paisagem, à beira de cursos de água ou junto a montes.[76] [77] Nestes santuários encontram-se cadeirões de pedra, pias e altares, como no Castelo do Mau Vizinho, no Santuário da Rocha da Mina, no Cadeirão da Quinta do Pé do Coelho, ou no Penedo dos Mouros.[78]

Também se verifica na Lusitânia a presença de estátuas chamadas berrões, que se assume terem sido utilizadas para fins de carácter religioso. Supõe-se que seriam animais sagrados.[79]

Notas[editar | editar código-fonte]

*a. ^ O termo em latim utilizado pelos autores da antiguidade para designar os guerreiros lusitanos era "latro", em oposição ao termo "miles" usado para designar os soldados romanos. Originariamente o termo "latro" significava mercenário, e com o passar do tempo passou a ter um sentido pejorativo e a designar uma pessoa de violência ou que cometia roubos.[80] [81] [82] Seguindo a evolução semântica da palavra esta originou o termo "ladrão" em língua portuguesa. Na época em que foram feitos os relatos sobre os lusitanos, o termo já tinha um duplo sentido, um sentido militar e outro pejorativo. O termo "latro" era frequentemente usado num sentido figurado para difamar oponentes políticos, princípes e reis, que se opunham aos interesses dos romanos e os confrontavam com os seus exércitos.[83] Dentro do contexto militar em que são feitos os relatos sobre os lusitanos, o termo "latro" é traduzido como "guerreiro", e é traduzido como "mercenário" quando está ao serviço de uma potência estrangeira.

Referências

  1. Pierre Moret, Fernando Quesada Sans. La guerra en el mundo ibérico y celtibérico, ss. VI-II a. de C.: seminario celebrado en la Casa de Velázquez, marzo de 1996 (em espanhol). [S.l.]: Casa de Velázquez, 2002. 135 pp. vol. 78 of Collection de la Casa de Velázquez. ISBN 9788495555298.
  2. João Manuel Soares. História de Portugal. Visitado em 18 de Abril de 2010.
  3. Carlos António Moutoso Batata. (2006). "Idade do Ferro e romanização entre os rios Zêzere, Tejo e Ocreza" (PDF): Capítulo X. Lisboa: Instituto português de Arqueologia. ISSN 0871-2581. ISBN 972-8662-29-7. Visitado em 20 de Abril de 2010.
  4. Jorge de Alarcão. (2001). "Novas perspectivas sobre os Lusitanos (e outros mundos)" (PDF) (em português). Revista Portuguesa de Arqueologia 4 (2). Lisboa: Instituto Português de Arqueologia. ISSN 0874-2782. Visitado em 20 de Abril de 2010.
  5. Francisco Burillo Mozota, Centro de Estudios Celtibéricos de Segeda, Seminario de Arqueología y Etnología Turolense, Facultad de Humanidades y Ciencias Sociales, Teruel. (22 de Junho de 2005). "Celtiberians: Problems and Debates" (PDF) (em inglês). e-Keltoi - Journal of Interdisciplinary Celtic Studies 6 (The Celts in the Iberian Peninsula): 411-480. Milwaukee: Center for Celtic Studies, University of Wisconsin. ISSN 1540-4889. Visitado em 18 de Abril de 2010.
  6. a b Diodorus Siculus. Bibliotheka Historia: The Historical Library. Book V: Britain, Gaul, and Iberia (em inglês). Visitado em 18 de Abril de 2010.
  7. José María Gómez Fraile. (1999). "Los coceptos de "Iberia" e "ibero" en Estrabon" (PDF) (em espanhol). SPAL: Revista de prehistoria y arqueología de la Universidad de Sevilla (8): 159-188. ISSN 1133-4525. Visitado em 18 de Abril de 2010.
  8. Sextus Julius Frontinus. Stratagems: Book II: V. On Ambushes (em inglês). [S.l.: s.n.].
  9. Luciano Pérez Vilatela. Lusitania: historia y etnología (em espanhol). [S.l.]: Real Academia de la Historia, 2000. 33 pp. vol. 6 of Bibliotheca archaeologica hispana, v. 6 of Publicaciones del Gabinete de Antigüedades. ISBN 9788489512689.
  10. André de Resende. As Antiguidades da Lusitânia (em português). [S.l.]: Imprensa da Univ. de Coimbra. 94 pp. ISBN 9789898074805.
  11. Adriano Vasco Rodrigues. Os Lusitanos (em português). [S.l.: s.n.].
  12. Julián de Francisco Martín. Conquista y romanización de Lusitania (em espanhol). 2, illustrated. ed. [S.l.]: Universidad de Salamanca. 58 pp. vol. 58 of Acta Salmanticensia. ISBN 9788474818369.
  13. Dagmar Wodtko. SOME NOTES ON LUSITANIAN (em inglês). [S.l.: s.n.], 2009. 291-292 pp. I.S.S.N.: 1578-5386..
  14. Torcuato Torío de la Riva y Herrero. Historia del Arte de Escribir: Desde su Orígen Hasta Nuestros Tiempos (em espanhol). Complutense University of Madrid: en la imprenta de la viuda de don Joaquin Ibarra, 1802. 42 pp.
  15. Titus Livius. The History of Rome (em inglês). [S.l.: s.n.]. 25.33 pp. vol. III.
  16. a b J. Santos Simões et al. Arte Castreja do Norte de Portugal: Catálogo da Exposição (em português). Formato PDF. Guimarães: Sociedade Martins Sarmento, 1999. ISBN 972-8078-70-6.
  17. a b Estrabão. Geography: Book III Chapter 3 §6 (em inglês). [S.l.: s.n.].
  18. José María Blázquez Martínez, María Paz García-Gelabert Pérez. (1987-1988). "Mercenarios hispanos en las fuentes literarias y en la arqueología" (PDF) (em espanhol) (18-19): 257-270. Habis. ISSN 0210-7694. Visitado em 19 de Abril de 2010.
  19. Lusitania: historia y etnología, p.50
  20. J. S. Richardson. (1986). "Hispaniae: Spain and the Development of Roman Imperialism, 218-82 BC" (html) (em inglês): 100. Cambridge University Press. Visitado em 25 de Abril de 2011.
  21. Apiano de Alexandria. Appian's History of Rome: The Spanish Wars (em inglês). Horace White. ed. New York: The MacMillan Company, 1899. §§71-75 pp.
  22. Ana María Martín. Los orígenes de Lusitania: el I milenio a.C. en la Alta Extremadura (em espanhol). [S.l.]: Real Academia de la Historia, 1999. 251 pp. vol. 2 of Bibliotheca archaeologica hispana, Publicaciones del Gabinete de Antigüedades, Catalogo del Gabinete de Antiguedades. ISBN 9788489512467.
  23. Diodorus Siculus. The Library of History, Book V (em inglês). Loeb Classical Library edition. ed. [S.l.: s.n.], 1939. 145-211 pp. vol. III.
  24. Martín Almagro-Gorbea, Universidad Complutense, Alberto J. Lorrio, Universidad de Alicante. (26 de Outubro de 2004). "Celtiberians: Problems and Debates" (PDF) (em inglês). e-Keltoi - Journal of Interdisciplinary Celtic Studies 6 (The Celts in the Iberian Peninsula): 73-112. Milwaukee: Center for Celtic Studies, University of Wisconsin. ISSN 1540-4889. Visitado em 19 de Abril de 2010.
  25. Ton Derks, Nico Roymans. Ethnic Constructs in Antiquity: The Role of Power and Tradition (em inglês). [S.l.]: Amsterdam University Press, 2009. 233 pp. vol. 13 of Amsterdam archaeological studies. ISBN 9789089640789.
  26. G. H. R. Horsley. A Review of the Greek Inscriptions and Papyri Published in 1979 (em inglês). [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing, 2001. 122 pp. vol. 4 of New Documents Illustrating Early Christianity. ISBN 9780802845146.
  27. Valeri Maximi. Factorum et Dictorum Memorabilium - Liber IX (em latim). [S.l.: s.n.].
  28. García-Gelabert Pérez, María Paz. (1989). "Estudio del armamento prerromano en la Península Ibérica a través de los textos clásicos." (PDF) (em espanhol). Revista Espacio Tiempo y Forma (Serie II, Historia antigua n.º2, Fedora Collection): 69-79. bibliuned:ETFSerie2-ED5F1088-2702-E50B-C649-8470903D390B. Visitado em 19 de Abril de 2010.
  29. Ulrico Falcão Galamba. (Setembro 2008). "A Colecção de Armas do Museu de Évora" (PDF) (em português). Cenáculo - Boletim on-line do Museu de Évora (3). Visitado em 19 de Abril de 2010.
  30. Lusitania: historia y etnología, p.123
  31. Museu Nacional de Arqueologia. Espada de antenas ou de apêndices reduzidos a botões, ritualmente dobrada pelo fogo (em português). Visitado em 19 de Abril de 2010.
  32. Fernando Quesada Sans. (1994). "Machaira, Kopís, Falcata." (PDF) (em espanhol): 75-94. Departamento de Prehistoria y Arqueología, Universidad Autónoma de Madrid.: Ediciones Clásicas. Visitado em 19 de Abril de 2010.
  33. Museu Nacional de Arqueologia. Falcata com lâmina de gume arredondado e dorso plano com duas caneluras paralelas (em português). Visitado em 19 de Abril de 2010.
  34. Martín Almagro-Gorbea, Alberto J. Lorrio. (1989). "War and Society in the Celtiberian World" (HTML) (em inglês). e-Keltoi - Journal of Interdisciplinary Celtic Studies 6 (The Celts in the Iberian Peninsula). Milwaukee: Center for Celtic Studies, University of Wisconsin. Visitado em 20 de Abril de 2010.
  35. Pere Bosch i Gimpera. Hispania (em espanhol). Biblioteca histórica. ed. [S.l.]: Editorial Renacimiento, 2004. 150 pp. ISBN 9788484721666.
  36. Antonio Blanco Freijeiro. Monumentos romanos de la conquista de Galicia (em espanhol). Hispania romana. Estudios. ed. Alicante: Biblioteca Virtual Miguel de Cervantes, 2007. 5 pp. CDU 946.0"-0218/0414".
  37. Joaquín García-Mauriño Múzquiz. (1993). "Los cascos de tipo Montefortino en la Península Ibérica. Aportación al estudio del armamento de la IIª Edad del Hierro" (PDF) (em espanhol). Complutum (4): 95-146. ISSN 1131-6993. Visitado em 20 de Abril de 2010.
  38. Museu Nacional de Arqueologia. Capacete em bronze de tipo Montefortino, de forma cónica, guarda nuca curta e plana. (em português). Visitado em 20 de Abril de 2010.
  39. Núleo Museológico Castelo de Lanhoso. Capacete de Lanhoso (em português). Visitado em 20 de Abril de 2010.
  40. José Leite de Vasconcelos. Opúsculos: Trajo guerreiro (em português). Lisboa: Imprensa Nacional, 1938. vol. V. Etnologia (Parte I).
  41. Manuel Andrade Maia. Romanização do território hoje português a sul do Tejo: Contribuição para a análise do processo de assimilação e interacção sócio-cultural 218 a.C. -14 d.C. (em português). Lisboa: Faculdade de Letras, 1987. vol. II.
  42. a b c d Estrabão. Geography, Book III Chapter 3
  43. Estrabão. Geography, Book III Chapter 4 §15
  44. a b http://www4.uwm.edu/celtic/ekeltoi/volumes/vol6/6_3/gonzalez_ruibal_6_3.html
  45. a b http://penelope.uchicago.edu/Thayer/E/Roman/Texts/Strabo/3C*.html Strabo, Geography, Book III, Chapter 3
  46. a b c Apiano de Alexandria. The Foreign Wars.: The Wars in Spain. Chapter X. The Lusitanian War -- The Doings of Mummius -- Servius Galba -- His Infamous Conduct (em inglês). Horace White. ed. New York: The MacMillan Company, 1899.
  47. a b Políbio. Histories: 2. The Celtiberian Wars (em inglês). Evelyn S. Shuckburgh. ed. London, New York: Macmillan, 1889. vol. 35.
  48. Lusitania: historia y etnología, p.270
  49. Thomas Grünewald. Bandits in the Roman Empire: myth and reality (em inglês). [S.l.]: Routledge, 2004. 39 pp. ISBN 9780415327442.
  50. Titus Livius. The History of Rome: Book 35 (em inglês). Ernest Rhys (trans. Rev. Canon Roberts). ed. London: J. M. Dent & Sons, Ltd., 1905. vol. 5. Everyman's Library.
  51. Eduardo Peralta Labrador. Los cántabros antes de Roma (em espanhol). 2, illustrated. ed. [S.l.]: Real Academia de la Historia, 2003. 199 pp. vol. 5 of Bibliotheca archaeologica Hispana, v. 5 of Publicaciones del Gabinete de Antigüedades. ISBN 9788489512597.
  52. C. Julius Caesar. Commentaries on the Civil War (em inglês). William Duncan. ed. [S.l.: s.n.].
  53. Appian's History of Rome: The Spanish Wars, §§66-70
  54. Rafael Treviño, Angus McBride. Rome's enemies: Spanish armies 218BC-19BC (em inglês). Angus McBride. ed. [S.l.]: Osprey Publishing, 1992. 8 pp. vol. 4 of Rome's enemies, Issue 180 of Men-at-arms series. ISBN 9780850457018.
  55. Eduardo Sánchez Moeno, Joaquín Gómez Pantoja. Protohistoria y antiguedad de la peninsula iberica (em espanhol). [S.l.]: Silex Ediciones, 2008. 239 pp. vol. II: la Iberia Prerromana y la romanidad, v. 2 of Historia de España. ISBN 9788477371823.
  56. Paulus Orosius. The seven books of history against the pagans (em espanhol). Roy J. Deferrari. ed. [S.l.]: CUA Press, 2002. 179 pp. vol. 50 of Fathers of the church, v. 50 of The Fathers of the church, a new translation. ISBN 9780813213101.
  57. Lucius Annaeus Florus. The Epitome of Roman History (em inglês). [S.l.]: Loeb Classical Library, 1929.
  58. Idade do Ferro e romanização entre os rios Zêzere, Tejo e Ocreza, Capítulo III
  59. Carlos António Moutoso Batata, Maria Filomena dos Santos Gaspar. (1999). "Castros da Bacia Hidrográfica do Rio Zêzere (Zona do Pinhal, Centro de Portugal)" (PDF) (em português). Revista de Guimarães II: 671-697. Guimarães: Sociedade Martins Sarmento, Casa de Sarmento, Centro de Estudos do Património, Universidade do Minho. Visitado em 21 de Abril de 2010.
  60. Jean Gérard Gorges, Trinidad Nogales Basarrate. Sociedad y cultura en Lusitania romana: IV mesa redonda internacional (em espanhol). [S.l.]: Casa de Velázquez, 2000. 44 pp. vol. 13 of Serie Estudios portugueses. ISBN 9788476715604.
  61. Francisco Javier González García. (9 de Fevereiro de 2009). "Between Warriors and Champions: Warfare and Social Change in the Later Prehistory of the North-Western Iberian Peninsula" (PDF) (em inglês). Oxford Journal of Archaeology 28 (1): 59-76. Blackwell Publishing Ltd.. Visitado em 21 de Abril de 2010.
  62. Mauricio Pastor Muñoz. Viriato: O herói lusitano que lutou pela liberdade do seu povo (em português). José D'Encarnação. ed. Lisboa: A Esfera dos Livros, 2006.
  63. Francisco De S. Luiz. Obras Completas Do Cardeal Saraiva (em português). [S.l.]: BiblioBazaar, LLC, 2008. ISBN 9780559373916.
  64. Diodoro Sículo. The historical library of Diodorus the Sicilian, in fifteen books: Fragments (em inglês). H. Falesius, L Bhodomaimus, R Urtinut. ed. London: W. M'Dowall for J. Davis, 1814. Lccn: 03001016.
  65. Conquista y romanización de Lusitania, p.64
  66. Conquista y romanización de Lusitania, p.232
  67. The historical library of Diodorus the Sicilian, p.616
  68. Appian's History of Rome: The Spanish Wars, §§56-60
  69. Naturlink - Informação Ambiental, S.A.. Ficha da Azinheira (em português). Visitado em 21 de Abril de 2010.
  70. Carlos Fabiao. (1998). "O vinho na Lusitânia: reflexões em torno de um problema arqueológico" (PDF) (em português). Revista Portuguesa de Arqueologia 1 (1): 169-198. Lisboa: Instituto Português de Arqueologia. ISSN 0874-2782. Visitado em 21 de Abril de 2010.
  71. Jean Gérard Gorges, Manuel Salinas de Frías. Les campagnes de Lusitanie romaine: occupation du sol et habitats: table ronde internationale (Salamanque, 29 et 30 janvier 1993) (em francês). [S.l.]: Casa de Velázquez, 1994. 39 pp. vol. 47 of Collection de la Casa de Velázquez. ISBN 9788486839765.
  72. LESENHO E AQUAE FLAVIAE: DOIS MODELOS DE ASSENTAMENTO CENTRAL E DUAS LÓGICAS LOCACIONAIS DE ÉPOCA PRÉ-ROMANA E ROMANA. [S.l.: s.n.].
  73. José María Blázquez. Historia económica de la Hispania romana (em espanhol). [S.l.]: Ediciones Cristiandad, 1978. 77-78 pp. ISBN 9788470572432.
  74. ENCARNACIÓN RUANO RUIZ. El amor y el matrimonio entre los iberos (em espanhol). [S.l.: s.n.], 1994. 141-163 pp. ISSN 1130-1082.
  75. Protohistoria y antiguidad de la Peninsula Iberica v.II, p.260
  76. J.R. Santos Júnior et al. (1989). "O Santuário do Castelo de Mau Vizinho" (PDF) (em português). Revista de Guimarães (99): 368-410. Guimarães: Núcleo de Documentação Abade de Tagilde, Casa de Sarmento, Sociedade Martins Sarmento, Centro de Estudos do Património, Universidade do Minho. Visitado em 21 de Abril de 2010.
  77. Catarina Maria Guerra Tente, Sandra Clara Alves Lourenço. (1999). "O Cadeirão da quinta do Pé do Coelho e o Penedo dos Mouros: primeira interpretação como santuários rupestres" (PDF) (em português). Revista de Guimarães II: 775-792. Guimarães: Sociedade Martins Sarmento, Casa de Sarmento, Centro de Estudos do Património, Universidade do Minho. Visitado em 21 de Abril de 2010.
  78. António Martinho Baptista. (1983-1984). "Arte rupestre do norte de Portugal" (PDF) (em português). Portugália 04-05: 71-82. Visitado em 21 de Abril de 2010.
  79. Teresa Júdice Gamito, Universidade do Algarve. (10 de Setembro de 2005). "The Celts in Portugal" (PDF) (em inglês). e-Keltoi - Journal of Interdisciplinary Celtic Studies 6 (The Celts in the Iberian Peninsula): 571-605. Milwaukee: Center for Celtic Studies, University of Wisconsin. ISSN 1540-4889. Visitado em 21 de Abril de 2010.
  80. Francis Edward Jackson Valpy. Etymological Dictionary of the Latin Language (em inglês). [S.l.]: Adegi Graphics LLC. 222 pp. ISBN 9781402173844.
  81. Anthony Rich. The illustrated companion to the Latin dictionary and Greek lexicon: forming a glossary of all the words representing visible objects connected with the arts, manufactures, and every-day life of the Greeks and Romans, with representations of nearly two thousand objects from the antique (em inglês). [S.l.]: Longmans (Harvard University), 1849. 372 pp.
  82. Robin Osborne. Studies in ancient Greek and Roman society. Past and present publications. ed. [S.l.]: Cambridge University Press, 2004. 348 pp. ISBN 9780521837699.
  83. Thomas Grünewald. Bandits in the Roman Empire: myth and reality. [S.l.]: Routledge, 2004. 76-79 pp. ISBN 9780415327442.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]