Lusofonia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Distribuição da língua portuguesa no mundo:
  Língua materna
  Língua oficial e administrativa
  Língua cultural ou secundária
  Comunidades de minorias lusófonas

Lusofonia é o conjunto de algumas identidades culturais existentes em países, regiões, estados ou cidades falantes da língua portuguesa como Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Macau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste, Goa e por diversas pessoas e comunidades em todo o mundo.

Características[editar | editar código-fonte]

Firmado o espaço continental português com a conquista do Algarve, os últimos reis da primeira dinastia dedicaram-se ao ordenamento do território nacional: promoveram o povoamento, a exploração agrícola, a criação de estruturas de comércio, a criação de defesas, já não tanto a sul como a leste, etc. Deste modo, a dinastia de Avis pôde empenhar-se em novo processo de expansão territorial, que teve início em 1415 com a tomada de Ceuta.

Seguiu-se a gesta dos Descobrimentos, que implicou a descoberta dos arquipélagos da Madeira e dos Açores, a exploração de ambas as costas de África, a chegada à América do Sul (Brasil) e a várias paragens da Ásia, como Goa, Malaca e Timor.

Ao processo de formação do Império Colonial Português foram motivos de ordem económica e político-estratégica que presidiram, aliados a uma certa curiosidade cultural e científica e a um intento de evangelização. Neste contexto, nem sempre o respeito pela identidade do indígena prevaleceu, mas deve, em todo o caso, reconhecer-se a coragem necessária ao enfrentar do desconhecido, que permitiu aos "descobridores", exploradores e colonos a criação de alianças e fraternidades, transformando e deixando-se transformar. Do contacto com os povos encontrados resultou um forte intercâmbio de produtos, costumes, técnicas, conhecimentos (de medicina, náutica, biologia, etc.), bem como uma interpenetração mais profunda através da miscigenação.

Este longo processo histórico tem como consequência, na atualidade, uma identidade cultural partilhada por oito países, unidos por um passado vivido em comum e por uma língua que, enriquecida na sua diversidade, se reconhece como una. Estes países - Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste -, com os respectivos núcleos de emigrantes, fazem do idioma português uma das línguas mais faladas do mundo, constituindo uma comunidade de cerca de duzentos milhões de pessoas. A Lusofonia pode ser também a plataforma a partir da qual os povos que hoje falam português se poderão aproximar e ampliar o âmbito e a acção da CPLP.

No passado, salientaram-se grandes vultos do diálogo intercultural como o Padre António Vieira, da aventura entre povos estranhos como Fernão Mendes Pinto, da exploração do espaço desconhecido como Gil Eanes,Vasco da Gama, Pedro Álvares Cabral e Serpa Pinto. Hoje em dia, entre os países lusófonos mantêm-se relações privilegiadas - na cooperação política e económica, na educação e nas artes - e os grandes criadores da lusofonia não são apenas personalidades portuguesas mas também (para darmos exemplos da área das Letras) um Pepetela, um José Craveirinha, um Jorge Amado ou um Luandino Vieira.

Membros[editar | editar código-fonte]

País População (est. 2013)[1] IDH (2013)
Brasil Brasil 201.009.622 0,744 elevado
Moçambique Moçambique 24.096.669 0,393 baixo
Angola Angola 18.565.269 0,526 baixo
Portugal Portugal 10.79.270 0,822 muito elevado
Guiné-Bissau Guiné-Bissau 1.660.870 0,396 baixo
Guiné Equatorial Guiné Equatorial 1.622.000 0,566 médio
Timor-Leste Timor-Leste 1.172.390 0,620 médio
Macau Macau 583.003 0,868 muito elevado (2011)
Cabo Verde Cabo Verde 531.046 0,636 médio
São Tomé e Príncipe São Tomé e Príncipe 186.817 0,558 médio
Total 260.226.956 S/D

Nota Alguns linguistas argumentam que o galego, falado na Galícia, é na verdade apenas um dialeto do português; o que naturalmente também tornaria o noroeste da Espanha uma parte do mundo lusófono.

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. The World Factbook – Field Listing – Population - CIA Central Intelligence Agency. Página visitada em 6 de abril de 2013.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]