Lynn Margulis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lynn Margulis.

Lynn Margulis, nascida Lynn Alexander (Chicago, 5 de março de 1938 - Massachusetts, 22 de novembro de 2011[1] ), foi uma bióloga e professora na Universidade de Massachusetts. Seu trabalho científico mais importante foi a teoria da endossimbiose, segundo a qual a mitocôndria teria surgido por endossimbiose: a mitocôndria seria um organismo separado que teria entrado em simbiose com células eucarióticas. Foi casada com Carl Sagan e com ele teve dois filhos, Jeremy Sagan e Dorion Sagan, jornalista e escritor especializado em divulgação científica.

Hipótese de Gaia[editar | editar código-fonte]

Muito menos aceitação do meio científico tem a hipótese de Gaia, com que Margulis começou a trabalhar no ano de 1972. A hipótese de Gaia fora apresentada por James E. Lovelock, químico inglês e inventor. Gaia é uma deusa, a Mãe terra grega. Na sua hipótese, Lovelock sustentava que a Terra é um organismo vivo e Margulis especificou que a Biota terrestre – o agregado de toda a matéria viva do planeta – é habilitada para o crescimento e tem um metabolismo e uma interação química apropriada à manutenção da temperatura do planeta e da composição atmosférica nos níveis desejáveis para a eclosão e a existência da vida na Terra.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Chicago a 5 de Março de 1938, filha de Morris e Leone Alexander. Foi aceite na Universidade de Chicago com 15 anos. Aí conheceu Carl Sagan, então doutorando em física. Casaram quando Lynn tinha 19 anos. Recebe o bacharelato em Liberal Arts.[2] Do casamento com Carl Sagan teve dois filhos, Dorion Sagan (com quem co-escreveu vários livros) e Jeremy Sagan. Do seu segundo casamento com o cristalógrafo Thomas N. Margulis teve dois filhos, Zachary Margulis-Ohnunma e Jennifer Margulis di Properzio.

Prémios[editar | editar código-fonte]

  • Nevada Medal, Sigma Xi's William Proctor Prize, NASA Public Service Award, Miescher-Ishida Prize, Commandeur de l'Ordre dees Palmes Academique de France.[3]


Referências

  1. Muere Lynn Margulis, defensora del papel de las bacterias en la evolución de la vida El Mundo, 23 de Novembro de 2011. Página acedida em 23 de Novembro de 2011.
  2. Gale Encyclopedia of Biography. 2006 by The Gale Group, Inc.
  3. Lynn Margulis, Renowned Evolutionary Biologist and Author at UMass Amherst, Dead at 73 Comunicado da Universidade de Massachussets, Amherst, 23 de Novembro de 2011.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MARGULIS, Lynn (2001). Cinco reinos - Um guia ilustrado dos filos da vida na Terra. Ed. Guanabara/Koogan.
  • MARGULIS, Lynn (2001). O planeta simbiótico - Uma nova perspectiva da evolução. Ed. Rocco.
  • MARGULIS, Lynn e LOVELOCK, James (2002). Gaia - Uma teoria do conhecimento. Ed. Gaia.
  • MARGULIS, Lynn e SAGAN, Dorion (2002). O que é vida?. Ed. Jorge Zahar.
  • MARGULIS, Lynn e SAGAN, Dorion (2002). O que é sexo?. Ed. Jorge Zahar. [1]
  • MARGULIS, Lynn e SAGAN, Dorion (2004). Microcosmos - Quatro bilhões de anos de evolução microbiana. Ed. Cultrix. Original em inglês.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Lynn Margulis
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.