Mãe Tríplice

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde janeiro de 2012). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde maio de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Símbolo da Mãe tríplice

Mãe tríplice é a deusa mãe dos celtas; a adoração a esta Deusa mãe caracteriza uma religião matriarcal. É representada como três mulheres, cada uma segurando um objecto diferente, como um cão, um peixe e um cesto. O número três era considerado um número sagrado para os celtas, daí as figuras triplas ou deuses de três cabeças.

A Lua (a Senhora do Destino) é a grande trindade feminina de Donzela, Deusa Mãe e Anciã. Os rituais Druídicos são sempre realizados em conjunção com as fases da Lua, e as druidesas (sacerdotisas), alinham o trabalho mágico, com os ciclos menstruais. A Senhora do Destino é consagrada ao dia 6 de janeiro.

Fases místicas da lua[editar | editar código-fonte]

As fases da Lua são:

  • A donzela/Nimué - o crescente lunar, virginal e delicado;
  • A mãe/Mari - a Lua Cheia, com seu ventre inchado de vida;
  • A anciã/Anu - a Lua em quarto Minguante, sábia e poderosa, que desaparece na noite escura da morte (Morrigan, a Lua Nova).

A Deusa Mãe é também, a mãe da Natureza, a mãe de todos os seres vivos que vivem neste mundo. A fase da lua mais importante na religião celta é a lua cheia, que é quando eles rezam á sua Deusa para os proteger de todos os males que existem. Por volta do ano 1235 dizia-se que a Deusa Mãe possuiu o corpo de uma pessoa morta, para ela conseguir proteger as pessoas inocentes mais de perto. Então a partir daí ela fazia rituais, para proteger cada pessoa e cada parte do mundo. Em 1673, os homens matavam todas as mulheres que fossem belas, ou de cabelo preto, porque pensavam que estavam a ser amaldiçoados. Ainda se diz que a Deusa Mãe ainda anda por ai, a olhar pelos os inocentes e a combater o mal.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Mitologia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.