Mídia Ninja

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Mídia Ninja (sigla para Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação), é um grupo de mídia formado em 2011. Sua atuação é conhecida pelo ativismo sociopolítico, declarando ser uma alternativa à imprensa tradicional. O grupo tornou-se conhecido mundialmente na transmissão dos protestos no Brasil em 2013.[1]

As transmissões da Mídia Ninja são em fluxo de vídeo em tempo real, pela Internet, usando câmeras de celulares e uma unidade móvel montada em um carrinho de supermercado.[2]

A estrutura da Mídia Ninja é descentralizada e faz uso das redes sociais, especialmente o Facebook, na divulgação de notícias.

O jornalista Bruno Torturra, um dos participantes do "Mídia Ninja" ao lado de outros midiativistas fundadores que participam da rede Fora do Eixo, como Rafael Vilela, Filipe Peçanha, Thiago Dezan, Felipe Altenfelder, Dríage Aguiar, Pablo Capilé, além de colaboradores de outros coletivos e grupos.

História[editar | editar código-fonte]

O grupo teve origem em junho de 2011, por meio da Pós-TV, mídia digital do circuito Fora do Eixo.[3] [4] O embrião do movimento esteve presente na Marcha da Maconha e na Marcha da Liberdade daquele ano. Em 2012 fizeram uma cobertura da situação das aldeias Guarani-Kaiowá do Mato Grosso do Sul.[5]

Polêmicas[editar | editar código-fonte]

Por ocasião da visita do Papa Francisco ao Brasil, houve a prisão de dois membros no Rio de Janeiro.[6] A Midia Ninja e o Fora do Eixo sofreram denúncias pela Revista Veja, que usou do depoimento da cineasta Beatriz Seigner para acusar o grupo de retenção de cachês e outros crimes.[7]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. ROMERO, Simon; NEUMAN, William (21 de junho de 2013), "Sweeping Protests in Brazil Pull In an Array of Grievances" (em inglês), The New York Times, http://www.nytimes.com/2013/06/21/world/americas/brazil-protests.html, visitado em 23 de julho de 2013 
  2. BRESSANE, Ronaldo (jul 2013), "Guerra dos Memes", Revista Piauí (O Estado de São Paulo) (82), http://revistapiaui.estadao.com.br/edicao-82/esquina/guerra-dos-memes 
  3. Que história é essa de Pós-TV?, Pós TV, http://www.postv.org/que-historia-e-essa-de-postv/, visitado em 23 de julho de 2013 
  4. LORENZOTTI, Elizabeth, "Pós-TV: de pós-jornalistas para pós-telespectadores", Observatório da Imprensa, http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/postv_de_pos_jornalistas_para_pos_telespectadores, visitado em 23 de julho de 2013 .
  5. BLUMEN, Felipe (1 de abril de 2013), "‘Ninjas’ do jornalismo travam guerrilha pela liberdade da mídia", Catraca Livre, http://catracalivre.com.br/geral/cidadania/indicacao/ninjas-do-jornalismo-travam-guerrilha-pela-liberdade-da-midia/, visitado em 23 de julho de 2013 
  6. Carol Farina (22 de julho de 2013), Detenção de integrantes da 'Mídia Ninja' prolongou os protestos, Veja online, http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/detencao-de-integrantes-da-midia-ninja-estendeu-protestos, visitado em 10 de novembro de 2013 
  7. Raquel Carneiro (09 de agosto de 2013), Artistas acusam grupo base da Mídia Ninja de estelionato, retenção de cachês e outros crimes, Veja online, http://veja.abril.com.br/noticia/celebridades/artistas-acusam-grupo-base-da-midia-ninja-de-crimes-culturais-e-exploracao-de-mao-de-obra, visitado em 10 de novembro de 2013