Mídia sem Máscara

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Mídia Sem Máscara (MSM) é uma página existente na internet desde 2002, estruturada ao redor de um grupo de redatores e editores, majoritariamente brasileiros. A página pertence ao Instituto Brasileiro de Humanidades[1] uma ONG que publica livros e vende palestras de seus membros,[2] é dirigida pelo jornalista Olavo de Carvalho e tem apoio financeiro da Associação Comercial de São Paulo.[carece de fontes?]

Linha editorial[editar | editar código-fonte]

De acordo com os mantenedores da página, a linha editorial do MSM é, através do media watch ou metajornalismo, abordar e analisar a mídia brasileira e internacional, de modo a evidenciar o que entendem ser a dominação dos instrumentos de comunicação públicos e privados por um viés esquerdista, usando assim seu direito de informar a partir de uma visão mais livre. Ainda que tal viés seja - de acordo com a linha editorial do MSM - particularmente presente na mídia brasileira, alega-se que tal tendência também se faria presente, em maior ou menor grau, nos meios de comunicação de outros países.

Apoiando-se em tais pressupostos, o MSM se propõe a publicar, noticiar e dar vazão a fatos e idéias que, segundo seus idealizadores, estariam sendo sistematicamente desprezados, distorcidos ou omitidos dos noticiários impressos, audiovisuais e virtuais.

A página possui uma pauta recheada de assuntos por muitos considerados politicamente incorretos, tais como os direitos dos tabagistas, o apoio manifesto a Israel no âmbito do Conflito israelo-palestino, a crítica a movimentos radicais de direitos homossexuais, apoio ao "american way of life", tendo os Estados Unidos da América como exemplo positivo para o Brasil.

A página também é divulgadora, por meio de traduções diretas, de artigos e ensaios de pensadores de outros países, como Daniel Pipes e Thomas Sowell e dispõe, desde 2005, de uma seção denominada Mapas Visuais, nas quais pretende organizar sistematicamente informações relativas a temas considerados mais complexos, como desarmamento e feminismo.

Perfil dos colaboradores[editar | editar código-fonte]

O grupo de articulistas, redatores e editores do MSM compõe um espectro variado de formações e profissionais, havendo desde economistas, advogados, médicos, jornalistas, administradores de empresas, militares aposentados, filósofos, magistrados, estudantes, entre outros. A página demonstra ter como editor principal o filósofo Olavo de Carvalho, embora outros editores já tenham, em maior ou menor grau, capitaneado o projeto.

Os mantenedores da página se dizem colaboradores voluntários e não-remunerados e segundo os próprios, "imbuídos de interesses intelectuais e apartidários".

A veemente contraposição do MSM a certos partidos e tendências políticas (notadamente o Partido dos Trabalhadores), definitivamente coloca o projeto no campo antipodal ao do comunismo e do esquerdismo. Embora haja certa variedade no espectro político dos colaboradores do MSM, é possível aferir que a maioria deles comunga do pensamento dito de direita, dentre os quais há conservadores,liberais, anarco-liberais, libertários e religiosos, entre outras tendências.

Temas abordados[editar | editar código-fonte]

Do ponto de vista temático, a pauta do MSM está estruturada em ensaios, artigos, pesquisas e resenhas que vão desde política e economia, passando por filosofia, humanidades, história, religião e assuntos científicos.

Dentre o que o MSM aponta como sendo exemplos de uma parcialidade da imprensa estariam a ausência de notícias desabonadoras sobre o regime de Fidel Castro em Cuba e as alegadas ligações do Partido dos Trabalhadores (PT) com a guerrilha FARC.

Projetos de cunho similar ao MSM, mas com abordagens distintas, são os websites do Centro Interdisciplinar de Ética e Economia Personalista (CIEEP), que trata das relações entre fé, cultura, política e economia; o Escola Sem Partido, voltado para debater a doutrinação política no ambiente escolar; e o De Olho na Mídia, voltado para a divulgação do conflito árabe-israelense .

Referências

  1. [1] Registro.br
  2. [2] Jornal Opção

Ligações externas[editar | editar código-fonte]