MSTV

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
MSTV
Informação geral
Formato Telejornal
Duração 50 minutos (1ª ed.)
15 minutos (2ª ed.)
País de origem  Brasil
Idioma original (em português)
Produção
Diretor(es) Ulisses Serotini
Alfredo Singh
Apresentador(es) 1ª Edição:
Maureen Mattiello
2ª Edição:
Marcos Anelo
Elenco Bruna Mendes (Agenda Cultural - 1ª edição)
Evelyn Souza (previsão do tempo - 2ª edição)
Transmissão original 3 de janeiro de 1983 (2ª edição)
1984 (1ª edição)– Presente

MSTV é um telejornal local brasileiro, produzido e exibido pela TV Morena, afiliada da Rede Globo em Mato Grosso do Sul. Vai ao ar de segunda a sábado. Estreou em 1983 sob o comando de Bosco Martins (atual 2ª edição); e em 1984, apresentado por Waléria Leite e Carmen Cestari (atual 1ª edição). Atualmente, é apresentado por Maureen Mattiello (1ª edição) e Marcos Anelo (2ª edição).

História[editar | editar código-fonte]

Assim como seus similares em outros estados – São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Distrito Federal, etc. –, o MSTV estreou em janeiro de 1983, para dar voz ao jornalismo local na programação da Rede Globo, apresentando matérias de serviço e comentários sobre os fatos mais importantes do dia. O objetivo era conferir maior identidade ao noticiário regional, até então incorporado aos telejornais Jornal Hoje, Jornal Nacional e Jornal da Globo.

O telejornal durava dez minutos e era dividido em três blocos de cerca de três minutos cada, com reportagens ao vivo, realizadas no local dos acontecimentos, além de reservar espaço para notícias sobre esporte e problemas no trânsito da região.

O MSTV estreou dando ênfase às notícias quentes do dia em todo o estado, incluindo a cobertura meteorológica e comentários sobre política e economia.

Um ano após a estreia, em 1984, o MSTV ganhou uma edição às 12h40 – com noticiário, entrevistas de estúdio e uma agenda cultural – e a edição noturna passou a entrar no ar mais cedo, às 19h45.

O MSTV teve ainda uma terceira edição (de 1987 a março de 1989), que ia ao ar logo após o Jornal da Globo e se dividia em dois blocos: o primeiro era reservado à cobertura dos fatos ocorridos depois da segunda edição, atualizando o noticiário do fim de noite; o segundo bloco apresentava colunas de esporte, política, economia e cultura. A partir de 25 de março de 1984, o telejornal também chegou a ser exibido aos domingos, depois do Fantástico, ampliando e complementando com detalhes as notícias divulgadas no programa. Essa edição saiu do ar em 21 de junho de 1987.

Em 1997, o MSTV é extinto e dá lugar ao RMTV. O telejornal acaba retornando no ano 2000.

A partir de 2002, urnas eletrônicas instaladas em diferentes locais de Campo Grande foram fundamentais para aprofundar a interação com a comunidade. Foram criados os quadros "O bairro que eu quero", em que os moradores, através das urnas e do site, elegeram os melhores e piores serviços de seus bairros (relação encaminhada posteriormente aos governos municipal e estadual); o "Reloginho", onde os moradores denunciavam a má infraestrutura de seus bairros e o telejornal cobrava das autoridades competentes, e os apresentadores combinavam com a autoridade, ao vivo, um prazo para que o problema fosse sanado, o tempo era marcado por relógio animado na tela; e o "Balcão de Empregos", que ia até uma praça da cidade, onde as pessoas ofereciam-se para trabalhar. Os empregadores também podiam ir até lá e solicitar mão-de-obra.

Em 2005, o MSTV ganhou nova programação visual, com novas fotos da cidade fazendo parte do cenário. E teve o espaço para entrevistas valorizado, com o anexo integrado ao cenário.[1]

Em 2009, o MSTV – 1ª Edição é remodelado, ganhando um tom mais informal, onde os apresentadores caminham pelo estúdio e comentam as notícias[2] . Esse formato foi sendo reduzido apenas aos comentários, ao longo do ano, devido ao estancamento da audiência da concorrente.

Em 2012, o MSTV, assim como todas as outras afiliadas da Rede Globo, estreou nova vinheta, seguindo o padrão proposto pela cabeça-de-rede. E em 2013, o telejornal inaugura novo cenário e uma newsroom, seguindo o padrão das afiliadas da rede.

O telejornal[editar | editar código-fonte]

Entrepõe a programação da Rede Globo em ambas as edições destinadas à chamada Praça TV, horário dedicado a jornalismo local gerado por emissoras afiliadas levado ao ar de segunda à sábado, às 12h e às 19h10 (Horário Local). Sua pauta é composta por notícias, prestação de serviço, campanhas comunitárias e informativos cotidianos como trânsito e previsão do tempo para todo o estado. As noticias do esporte ficam por conta de Camila Dib e Leomar Ferreira.

A primeira edição conta com a apresentação e editoria-chefe de Maureen Mattiello.

A segunda edição conta com a apresentação e editoria-chefe de Marcos Anelo.

Histórico de apresentadores[editar | editar código-fonte]

1ª edição[editar | editar código-fonte]

Em sua estreia, em 1984, a apresentação cabia à Waléria Leite e Carmen Cestari. Em 1986, Carmen deixa a bancada e, em seu lugar, entra Bosco Martins. Em 1994, Ogg Ibrahim substitui Bosco Martins. Em 1996, Ogg passa a apresentar a segunda edição, e Waléria Leite permanece sozinha na bancada.

No ano 2000, Edson Godoy e Juliana Lanari assumem a apresentação. Em 2003, Ana Volpe substitui Juliana. Em 2005, Ana deixa a bancada e é substituída por Glaura Villalba.

Em 2007, Edson é substituído por Rodrigo Moterani. Em 2009, Glaura é contratada pela TV MS Record[3] , e Rodrigo fica na bancada sozinho. Meses depois, Rodrigo também é contratado pela TV MS Record[4] .

Ginez César e Ellen Genaro assumem a bancada em 2009. Meses depois, Ellen é substituída por Camila Caires.

Rodrigo Grando substitui Ginez na ancoragem e também na editoria-chefe ainda em 2009. Em meados de 2010, Camila deixa a bancada e Rodrigo permanece algumas semanas apresentando sozinho. Mais tarde, Priscilla Sampaio passa a apresentar o telejornal com Rodrigo.

No final de 2010, Marcos Anelo e Lucimar Lescano assumem a apresentação. Em 2011, Maureen Mattiello substitui Lucimar Lescano.

Em março de 2012, Anelo deixa a bancada. Maureen continua na bancada sozinha. Desde então, Maureen Mattiello é a apresentadora desta edição do MSTV.

Edição local[editar | editar código-fonte]

Em Dourados, atualmente é apresentado por Gustavo Marques; a edição douradense é transmitida também para Ponta Porã, além de outros municípios.

Em Corumbá, atualmente é apresentado por Jefferson Ageitos; a edição corumbaense é transmitida também para Ladário e outros municípios da região.

2ª edição[editar | editar código-fonte]

Em sua estreia, em 1983 a apresentação cabia a Bosco Martins. Em 1985, Bosco ganha a companhia de Carmen Cestari, sendo a primeira mulher a apresentar um telejornal em horário nobre no estado[5] .

Em 1986, Bosco Martins deixa a bancada e Carmen passa a apresentar o telejornal sozinha.

Em 1989, Waléria Leite substitui Carmen Cestari.

Em 1996, Ogg Ibrahim assume a apresentação do telejornal. Em 2003, Ogg deixa a emissora, e Lucimar Lescano assume a bancada.

Em 2007, Lígia Sabka passa a apresentar o telejornal.

Em 2012, Lígia deixa a bancada para assumir o Núcleo de Produções Especiais da emissora. Marcos Anelo assume, em seu lugar, o comando da segunda edição. Desde então, Anelo é o apresentador desta edição do MSTV.

3ª edição[editar | editar código-fonte]

Em sua estreia, em 1987 a apresentação cabia a Bosco Martins. Em 1988, Carmen Cestari assume a bancada.

Em 1989, a terceira edição do MSTV é extinta.

Referências

  1. TONIAZZO, Gladis Salete Linhares. Caminhos da informação na Rede Matogrossense de Televisão. Campo Grande: Editora Uniderp, 2007.
  2. Campo Grande News (01 de novembro de 2010). Concorrência muda telejornais da TV MS Record e TV Morena. Visitado em 11 de julho de 2011.
  3. Portal MS Record (17 de abril de 2009). Glaura Villalba é contratada pela TV MS Record. Visitado em 11 de julho de 2011.
  4. Portal MS Record (13 de maio de 2009). Rodrigo Moterani é contratado pela TV MS Record. Visitado em 11 de julho de 2011.
  5. Revista Total Saúde (12 de março de 2010). (5). Visitado em 11 de julho de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]