MV Bill

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
MV Bill
MV Bill (imagem por Marco Túlio Figueiredo).
Informação geral
Nome completo Alex Pereira Barbosa
Também conhecido(a) como Bill
Nascimento 3 de Janeiro de 1974 (40 anos)
Local de nascimento Rio de Janeiro, RJ
 Brasil
Gênero(s) Rap, hip hop
Ocupação(ões) Rapper, escritor
Instrumento(s) Vocal
Período em atividade 1993 - presente
Outras ocupações Ator, cineasta, ativista
Gravadora(s) Chapa Preta, Universal Music, Natasha Records, Sony BMG
Afiliação(ões) Kmila CDD, DJ Tony, Charlie Brown Jr, Chuck D
Página oficial www.mvbill.com.br

Alex Pereira Barbosa (Rio de Janeiro, 3 de janeiro de 1974), mais conhecido pelo nome artístico MV Bill, é um rapper, escritor e ativista brasileiro. Iniciou a carreira na música em 1988, quando começou a escrever sambas-enredo para seu pai, sendo que em 1993 fez sua primeira participação em um disco oficial.[1] Seu primeiro álbum foi lançado em 1999 sob o título de Traficando Informação, que contou com a faixa "Soldado do Morro", que fez MV Bill ser acusado de apologia ao crime.[2] Três anos depois, gravou o segundo trabalho, chamado Declaração de Guerra, com participações de artistas como Charlie Brown Jr. e Nega Gizza. Sua discografia ainda abrange outros dois álbuns, Falcão, O Bagulho é Doido, de 2006, e Causa e Efeito, de 2010.[3] Ainda, lançou um disco de vídeo em 2009, intitulado Despacho Urbano. Paralelamente à carreira de rapper, MV Bill lançou em 2005, junto com Celso Athayde, o livro Cabeça de Porco. No ano seguinte, Falcão - Meninos do Tráfico, disponibilizado em livro e DVD, que tornou-se conhecido nacionalmente após exibição no programa Fantástico, da Rede Globo.

O documentário conta a história de dezessete jovens que se envolveram com o tráfico de drogas, onde somente um sobreviveu. Durante as filmagens, Bill chegou a ser detido e preso por policiais.[4] Uma sequência desse material foi lançada em 2007, sob o nome Falcão - Mulheres e o Tráfico. MV Bill também atua como ativista social, tendo criado junto com Celso Athayde a organização não-governamental Central Única das Favelas (CUFA), presente em todos os estados do Brasil. Acompanhada da CUFA, veio o Festival Hutúz e consequentemente o Prêmio Hutúz, que enquanto existiu, foi considerado o maior do gênero na América Latina.[1] Em 2009 participou das filmagens do filme Sonhos Roubados e, no ano seguinte, passou a integrar o elenco da 18ª temporada da telenovela Malhação, exibida pela Rede Globo, como o persongem Antônio.[5] Apresenta o programa Aglomerado na TV Brasil, o programa A Voz das Periferias na 94,1FM do Rio de Janeiro e O Som das Ruas na 94,9FM do Rio.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Anos iniciais[editar | editar código-fonte]

O bairro de Cidade de Deus, onde MV Bill nasceu e cresceu.

Alex Pereira Barbosa nasceu em 3 de janeiro de 1974 no bairro Cidade de Deus, localizado na cidade do Rio de Janeiro, onde reside até hoje. Seus pais são Mano Juca, que exerce a profissão de bombeiro, e Dona Cristina, dona-de-casa.[1] Ganhou o apelido de "Bill" logo aos oito anos de idade, em referência a um rato que vinha nas figurinhas de chiclete da Copa do Mundo FIFA de 1982. Já a alcunha MV apareceu mais tarde, em 1991, quando senhoras evangélicas da Cidade de Deus o rotularam por "Mensageiro da Verdade", pelo modo como transmitia a realidade das favelas.[2] Seu primeiro contato com o hip hop ocorreu até o 1984, através da breakdance e do Miami Bass. Mas, efetivamente, essa relação teve início em 1988, quando assistiu ao filme As Cores da Violência e leu a tradução de algumas canções presentes na trilha sonora do mesmo. A partir daí, começou a formular músicas, mas como o que predominava no seu bairro era o samba-enredo, ele cantava junto com o seu pai em uma escola de samba.[1] Em 1993, participou da coletânea musical Tiro Inicial, de diversos estilos de música, a qual revelou Gabriel o Pensador. Foi a partir desse ano que MV Bill decidiu seguir a carreira de rapper.[1]

1998-2000: Primeiras canções e Traficando Informação[editar | editar código-fonte]

Soldado do Morro
Trecho de "Soldado do Morro".

Problemas para escutar este arquivo? Veja introdução à mídia.

Em 1998, MV Bill lançou o disco CDD Mandando Fechado, pela gravadora Zâmbia Fonográfica, com músicas que contam a realidade do bairro em que mora, mas com o nome das pessoas alterados para preservar as respectivas identidades.[6] Um ano depois, este álbum foi remasterizado com a adição de três novas faixas e relançado pela Natasha Records com o título Traficando Informação.[7] O disco, que contou com a produção de Ice Blue, integrante dos Racionais MC's, teve a participação especial de KL Jay, DJ Will, PMC e sua irmã Kmila CDD. As três faixas inéditas são "De Homem pra Homem", "Sem Esquecer as Favelas" e "Soldado do Morro".[1]

Ainda em 1999, MV Bill lançou seu primeiro videoclipe, "Traficando Informação", através da Conspiração Filmes.[8] Participou do Free Jazz Festival como um dos únicos artistas de rap, onde polemizou ao apresentar-se com uma arma na cintura, que mais tarde afirmou ser de brinquedo.[2] [9] Uma das suas mais famosas atitudes está o fato de só dar entrevistas na Cidade de Deus. Ficou ainda mais conhecido em 2000, ao estrelar uma campanha publicitária de televisão contra o vandalismo em telefones públicos.[2] Em 2000, foi indicado ao Video Music Brasil com a canção "A Noite", mas acabou sendo derrotado por "Us Mano e as Mina", de Xis.[1] Em dezembro de 2000, o rapper lançou o videoclipe de "Soldado do Morro", onde também retrata o trabalho dos traficantes no bairro. Foi acusado de apologia ao crime por usar um fuzil em todo o videoclipe e recebeu represálias negativas de algumas personalidades da música.[10] Em contraponto, Caetano Veloso, Djavan e Gilberto Gil se posicionaram a favor de MV.[8] O videoclipe foi premiado no Prêmio Hutúz - o maior do gênero na América Latina - como "Melhor Videoclipe do Ano" e no tradicional Video Music Brasil 2001, da MTV, como "Melhor Videoclipe de Rap".[1]

2000-2005: Declaração de Guerra e estreia como escritor[editar | editar código-fonte]

No ano seguinte, lançou seu segundo álbum oficial, através da Natasha Records e da BMG, chamado Declaração de Guerra, que basicamente trata sobre os mesmos assuntos de Traficando Informação. Conforme explicado pelo artista, a declaração de guerra é em favor dos excluídos e contra o preconceito ao negro.[11] O disco traz participações de Charlie Brown Jr., Buiú da Doze, Kmila CDD, Nega Gizza, e de seu pai. Neste trabalho, MV Bill utilizou uma expansão do rap, com outros estilos musicais, como o samba rock e a MPB. Entre os destaques estão "Dizem que Sou Louco", "Só Deus Pode me Julgar" e "Soldado Morto".[1] Em abril de 2005, MV Bill iniciou também sua carreira de escritor, lançando junto com o produtor Celso Athayde o livro Cabeça de Porco, que foi co-escrito por Celso Athayde e Luiz Eduardo Soares e lançado pela Editora Objetiva.[12] Ele trata da entrada rápida dos jovens da periferia no mundo do crime e utiliza dados de pesquisas etnográficas, entrevistas e filmagens.[1]

2006-2007: Falcão - Meninos do Tráfico e Falcão, o Bagulho é Doido[editar | editar código-fonte]

Da esquerda para a direita: MV Bill, Fernando Gabeira e Nega Gizza.

Em 2006, Bill lançou junto com Athayde o famoso livro e documentário Falcão - Meninos do Tráfico, que conta a história de dezessete meninos envolvidos com o tráfico de drogas em diferentes favelas, sendo que somente um deles sobreviveu.[13] A partir do dia 19 de março de 2006, o documentário começou a ser exibido no programa Fantástico da Rede Globo.[14] A primeira transmissão teve cerca de 58 minutos, correspondendo a cerca de metade do tempo do programa. Este foi um fato inédito desde 1973, quando foi a última vez que o Fantástico exibiu um documentário de produção independente.[15] Também foi citado na Globo News e na TV Câmara na mesma semana. Por causa disto, o então presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva convidou MV Bill para uma audiência particular no Palácio do Planalto, onde foi presenteado com o DVD e o livro.[1]

O filme recebeu o Prêmio Rei, da Espanha.[16] Meninos do Tráfico resultou no terceiro álbum de estúdio de MV Bill, chamado Falcão, O Bagulho é Doido, lançado no mesmo ano pela Universal Records.[17] Como uma trilha sonora do documentário, O Bagulho é Doido traz a mesma ideologia apresentada nos outros trabalhos.[1] Caetano Veloso fez uma participação em "Língua de Tamanduá", que foi o destaque junto com "O Bagulho é Doido", "Estilo Vagabundo" (com Kmila CDD) e "Preto em Movimento".[2] Em julho de 2007, marcou presença em outro festival contendo música brasileira em prol da preservação ambiental, o Live Earth, realizado na Praia de Copacabana.[18] No mesmo ano, lançou o terceiro livro de sua carreira, chamado Falcão - Mulheres e o Tráfico, onde explana a mesma condição do documentário anterior, mas com as mulheres que fazem parte do tráfico.[19]

2008-presente: Despacho Urbano e Causa e Efeito[editar | editar código-fonte]

Em 2008, MV Bill estreou o programa "A Voz das Periferias", na rádio Roquette Pinto 94.1 FM.[20] Em 2009, é lançado o primeiro DVD da carreira de MV Bill. Lançado pela gravadora independente Chapa Preta, Despacho Urbano contém dez faixas de sucesso, onze videoclipes e cinco extras, onde são incluídos depoimentos e ensaios.[21] Este DVD fez MV Bill ser indicado novamente ao Video Music Brasil, onde foi escolhido o "Destaque no Rap" de 2009.[22] Na última edição do Prêmio Hutúz, que foi idealizado pela Central Única das Favelas, criada pelo próprio MV, o rapper foi escolhido como um dos "Melhores grupos ou artistas solo da década" e Declaração de Guerra como "Melhores álbuns da década".[23] Sem lançamentos inéditos desde 2006, MV Bill voltou com a música "O Bonde não Para" em 2009, juntamente com sua irmã Kmila CDD, o qual foi acompanhado de um videoclipe dirigido pelo próprio artista.

[24] Em abril de 2010, após uma espera de cerca de um ano pelo público foi lançado pela Universal Music junto com a Chapa Preta, o álbum Causa e Efeito, onde MV apresenta um rap menos "agressivo", mas sem deixar de apresentar o conteúdo nas letras que o deixaram conhecido nacionalmente.[25] Causa e Efeito contou com a participação de Chuck D, vocalista do aclamado Public Enemy e Chorão, do Charlie Brown Jr.. O álbum é vendido nos concertos ao preço de R$ 5.[26] Além de "O Bonde não Para", a canção "Corrente" também ganhou um videoclipe, que foi feito em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, novamente com sua irmã Kmila.[27] O álbum e os videoclipes fizeram Bill vencer pela segunda vez consecutiva a categoria "Destaque no Rap", no Video Music Brasil 2010.[28] Em agosto do mesmo ano, teria sido confirmado que Bill iria fazer parte da trilha sonora do filme Velozes e Furiosos 5,[29] fato que foi desmentido pelo mesmo no mês seguinte.[30]

Em 29 de junho de 2013, lançou, em seu canal no YouTube, o extended play Monstrão.[31]

Outras atividades[editar | editar código-fonte]

Entrada da Central Única das Favelas (CUFA), que foi idealizada por MV Bill.

Além da carreira de rapper e escritor, MV Bill também participou de outros projetos. O mais conhecido deles é como ativista social, quando criou junto com Celso Athayde e Nega Gizza em 1999 a Central Única das Favelas (CUFA), que está distribuída em todos os estados do Brasil.[32] Acompanhado a CUFA, veio o Prêmio Hutúz, considerado o maior da América Latina e que teve dez edições entre 2000 e 2009. O Prêmio Hutúz faz parte de um festival que sempre teve sua abertura em 4 de novembro, o Dia da Favela, e contava com shows, batalhas de MCs, exposição de pinturas, oficinas e outras atividades.[33] Além disso, a CUFA organiza outros projetos, como competições desportivas, de dança e grafite, rádios comunitárias e exibição de filmes.[34] Um dos primeiros projetos de MV Bill foi a participação na criação do partido político PPPOMAR (Partido Popular Poder Para A Maioria).[35] No entanto, ele não está em atividade devido à falta de candidatos para disputar determinado cargo.

[36] Junto com Nega Gizza, organiza o "Efeito Cufa", que em 2004 lançou uma coletânea com dois discos.[37] [38] Por causa do seu trabalho na área de desenvolvimento social junto a Juventude, o rapper recebeu o prêmio de Destaque da Unicef de 2004.[39] Juntamente a isto, foi escolhido como uma das 10 pessoas mais militantes do mundo pela UNESCO, em uma premiação realizada em Miami, nos Estados Unidos.[8] MV Bill sempre teve um posicionamento relativamente aberto à mídia em comparação a outros artistas do hip hop alternativo, tendo sido entrevistado por diversas emissoras e revistas, inclusive a Playboy, de maio de 2006.[40] Além de participar com o documentário Meninos do Tráfico no programa Fantástico, ele também marcou presença na emissora Rede Globo nos programas Faustão[41] e Altas Horas.[42] O cantor popular brasileiro Caetano Veloso cogitou a indicação do rapper para o Senado e a Presidência do país.[43] Em 2009, MV Bill iniciou a gravação do filme Sonhos Roubados - concluída no segundo semestre do mesmo ano[44] - que contou a realidade de três meninas da periferia carioca. O rapper viveu o papel de um ex-presidiário chamado Ricardo.[45] Além disso, fez uma participação em um comercial da empresa Nextel, que foi gravado na Cidade de Deus e se chamou "O Bem não tem Limites".[46] No início do segundo semestre de 2010, Bill decidiu entrar no elenco da novela Malhação, onde interpreta Antonio, um pai viúvo de uma adolescente grávida, que vive na periferia.[47] Por falar em trechos de músicas como Novela das 6, novela das 7, novela das 8, Malhação Se soubesse como é bom ser original, de "Pare de Babar", o rapper foi alvo de diversas críticas, as quais respondeu com: Há uma mudança no comportamento da direção do programa.[48]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

MV Bill se envolveu em uma polêmica com os jornalistas da Revista Veja em 2009. Tudo começou quando a empresa R.A. Brandão Produções Artísticas, a quem pertencem os direitos autorais do livro Falcão - Mulheres e o Tráfico, foi contratada para serviços terceirizados pela Petrobrás. O jornalista Diogo Mainardi divulgou em uma postagem no seu blog intitulado "O hip hop da Petrobrás" que isto se tratava de uma "falcatrua" e que a empresa estaria recebendo mais de 4.5 milhões de reais, conforme ficou comprovado, através de 53 contratos.[49] Desde então, o jornalista passou a ironizar Bill em todas as mensagens, utilizando ironicamente por várias vezes o termo "mano".[50] Um tempo depois, o assunto foi retomado pelo jornalista Reinaldo Azevedo, que sustentou as acusações de Mainardi em pelo menos sete postagens.[51] A defesa de MV Bill esteve presente em uma reportagem de nome "O hip hop é compromisso" e foi publicado em O Globo.[52]

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria(s) Ref
2000 Prêmio Hutúz Melhor álbum com "Traficando Informação"
Melhor música com "Soldado do Morro"
Artista do Ano
[10]
2001 Prêmio Hutúz Melhor música com Só mais um maluco
Melhor videoclipe com "Soldado do Morro"
[53]
2001 Video Music Brasil Melhor videoclipe de rap com "Soldado do Morro" [1]
2002 Prêmio Hutúz Melhor videoclipe com "Só Deus Pode Me Julgar" [54]
2004 Prêmio UNESCO Juventude Área de desenvolvimento social junto a juventude [8]
2005 Prêmio do Ministério da Justiça Direitos humanos [55]
2006 Troféu Raça Negra - Afrobrás Ação social [56]
2006 Prêmio Vladimir Herzog TV com "Falcão - Meninos do Tráfico" [57]
2007 Prêmio Rei da Espanha Melhor documentário na TV com "Falcão - Meninos do Tráfico" [16]
2007 Festival de Cinema de Milão Melhor documentário com "Falcão - Meninos do Tráfico" [58]
2009 Prêmio Hutúz Melhores álbuns da década com "Declaração de Guerra" [23]
2009 Prêmio Hutúz Melhores artistas e grupos da década [23]
2009 Video Music Brasil Melhor cantor de rap [22]
2010 Video Music Brasil 2010 Melhor cantor de rap [28]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m Blogs do Radar – Enyce :: Especial VMB blogs.radarurbano.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010. Cópia arquivada em 11 de abril de 2012.
  2. a b c d e Cliquemusic : Artista : MV Bill cliquemusic.uol.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  3. Canal Pop: Discografia MV Bill www.territoriodamusica.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  4. MV Bill diz que foi preso durante filmagens de Falcão diversao.terra.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  5. MV Bill no seriado Malhação www.rapnacional.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  6. Cliquemusic : Disco : CDD MANDANDO FECHADO cliquemusic.uol.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  7. Traficando Informacao new.music.yahoo.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  8. a b c d www.BrazilianArtists.net, the A-Z of Brazilian Arts, Entertainment & Cultural Events in the UK www.brazilianartists.net. Visitado em 02-Setembro-2010.
  9. MV BILL -Soldado do Morro Free Jazz Festival - Sofija Knezevic’s Blog sofijaknezevic.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  10. a b Cliquemusic : Matéria : Prêmio Hutus festeja os melhores do rap cliquemusic.uol.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  11. Cliquemusic : Disco : DECLARAÇÃO DE GUERRA cliquemusic.uol.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  12. Cabeça de Porco pt.shvoong.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  13. Falcão www.editoras.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  14. Folha Online - Ilustrada - "Fantástico" exibe documentário sobre tráfico juvenil - 19/03/2006 www1.folha.uol.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  15. Globo Vídeos - VIDEO - Falcão - Meninos do Tráfico: primeira parte video.globo.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  16. a b Canal Pop: Rapper MV Bill recebe prêmio na Espanha www.territoriodamusica.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  17. Falcao O Bagulho E Doido new.music.yahoo.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  18. Live Earth leva 400 mil a Copacabana sem tumulto - Terra - Música musica.terra.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  19. Uma vida nada cor-de-rosa nas bocas-de-fumo - O Globo Online oglobo.globo.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  20. MV Bill - Biografia - Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira www.dicionariompb.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  21. Despacho Urbano, o primeiro DVD de MV Bill - Cultura Hip Hop culturahiphop.uol.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  22. a b G1 > Música - NOTÍCIAS - Fresno sai premiado em edição sem surpresas do VMB g1.globo.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  23. a b c .:. HUTÚZ 10 ANOS .:. www.hutuz.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  24. MV Bill - o Bonde não para (2009) www.noticiario-periferico.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  25. MV Bill lança CD Causa e Efeito - Jamari França: O Globo oglobo.globo.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  26. MV Bill lança CD a R$ 5 e estreia como ator - Sessão Extra: Extra Online extra.globo.com. Visitado em 30 de Abril de 2010.
  27. UOL Mais › MV Bill - Corrente mais.uol.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  28. a b » VMB 2010: MV Bill ganha o prêmio de melhor clipe de rap Saiba tudo que rola no mundo da música www.abril.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  29. G1 - MV Bill deve participar da trilha sonora de 'Velozes e furiosos 5' - notícias em Pop & Arte g1.globo.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  30. MV Bill nega participação em "Velozes e Furiosos" www.vooz.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  31. Mendes, Letícia (9 de agosto de 2013). MV Bill lança disco e elogia Papa Francisco: 'Mensagem importante' G1. Visitado em 18 de agosto de 2013.
  32. CUFA - Central Única das Favelas www.cufa.org.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  33. Hutúz - Além das batidas e rimas www.overmundo.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  34. Projetos www.cufa.org.br. Visitado em 03-Setembro-2010.
  35. Empresa Municipal de Multimeios - MULTIRIO portalmultirio.rio.rj.gov.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  36. Entrevista com MV Bill amaivos.uol.com.br. Visitado em 03-Setembro-2010.
  37. Tpm - Google Livros books.google.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  38. Folha Online - Pensata - Magaly Prado - Marcelo Tass fecha com a Brasil 2000 - 21/09/2002 www1.folha.uol.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  39. Seminário de Assuntos Estudantis traz MV Bill para Dourados — UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados www.ufgd.edu.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  40. Entrevista de MV Bill na Playboy playboy.abril.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010. Cópia arquivada em 11 de abril de 2012.
  41. Ofuxico - Fabiana Karla, Sergio Loroza e MV Bill entram no Domingão do Faustão ofuxico.terra.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  42. Atrações - NOTÍCIAS - Memória Altas Horas: MV Bill conta como era sua vida na Cidade de Deus altashoras.globo.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  43. Grana preta - Edição 34 - (Maio/2010) - Revista Brasileiros www.revistabrasileiros.com.br. Visitado em 03-Setembro-2010.
  44. Sonhos Roubados www.cineweb.com.br. Visitado em 14-Setembro-2010.
  45. G1 - 'Sonhos roubados' dá voz às meninas das comunidades cariocas - notícias em Pop & Arte g1.globo.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  46. Nextel em "MV Bill - O Bem Não Tem Limites" www.naotenholimites.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  47. 'Malhação': MV Bill será pai viúvo e com filha adolescente grávida diversao.terra.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  48. MV Bill explica porquê aceitou entrar em 'Malhação': 'Há uma mudança no comportamento da ... - O Globo Online oglobo.globo.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  49. O hip hop da Petrobras veja.abril.com.br. Visitado em 03-Setembro-2010.
  50. A polêmica envolvendo MV Bill « www.perraps.com.br perraps.wordpress.com. Visitado em 02-Setembro-2010.
  51. MV Bill veja.abril.com.br. Visitado em 03-Setembro-2010.
  52. Ministério da Cultura - MinC » Hip hop é compromisso www.cultura.gov.br. Visitado em 03-Setembro-2010.
  53. Cliquemusic : Matéria : Prêmio Hutus 2001, por um mundo melhor cliquemusic.uol.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  54. Cliquemusic : Matéria : Racionais e rap paulista dominam Prêmio Hutus cliquemusic.uol.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  55. MV Bill recebe título de cidadão de Fortaleza na comunidade do Lagamar www.psbceara.org.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  56. Afrobras - Troféu Raça Negra 2006 www.afrobras.org.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  57. Busca - Prêmio Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos www.premiovladimirherzog.org.br. Visitado em 02-Setembro-2010.
  58. Blog do jornal CineSemana » Entrevista com o rapper MV Bill www.cinesemana.com.br. Visitado em 02-Setembro-2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: MV Bill