Nisshin Maru

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de MV Nisshin Maru)
Ir para: navegação, pesquisa
Nisshin Maru (Chikuzen Maru)
Perfil do Nisshin Maru
Carreira   Bandeira da marinha que serviu
Data de encomenda 1987
Construção 1987 - Japão[1]
Comissionamento Kyodo Senpaku Kaisha, Ltd.[2]
Descomissionamento Indústri alimenticia asiática
Patrono Hitachi Zosen Corporation Innoshima Works
Número de registo 8705292 - Sinal de chamado: JJCJ, MMSI: 431683000[3]
Período de serviço 1987 - 2013 (Atualmente)
Estado Em Atividade
Características gerais
Tipo de navio Baleeiro
Comprimento 129,58 m (425 ft 2 in) o/a[1]
Boca 19,4 m (63 ft 8 in) (moulded)[1]
Pontal 11,7 m (38 ft 5 in)
Propulsão 5,383 kw (7315 bhp)
Velocidade 15,5 nós (28 7 km/h)
Cruzeiro: 13,5 nós (25 0 km/h)

O navio de prefixo naval MV Nisshin Maru (日新丸) é um baleeiro de 8.000 toneladas japonês. É o principal navio da frota de caçadores de baleia do Japão.[4] É uma embarcação convertida em pesqueiro, atua principalmente através da pesca de arrasto e espinheis. É também o maior membro, e carro-chefe da frota baleeira de sete membros, liderada pelo líder da pesquisa Shigetoshi Nishiwaki, e sediado no Japão, no porto de Shimonoseki. O navio é propriedade da empresa Kyodo Senpaku Kaisha Ltd e é contratada pelo Instituto de Pesquisa de Cetáceos.[5] .


Acidente em em 2007[editar | editar código-fonte]

O baleeiro japonês abatendo um cetáceo e seu filhote.

Um grande incêndio na fábrica de processamento do navio eclodiu em 15 de Fevereiro de 2007, enquanto em águas antárticas. O dano resultante causou ao navio a sua desativação temporaria, a acidente ocorreu enquanto a embarcação transportava cerca de 1.000 toneladas de petróleo. Este incidente teve lugar na pesquisa da Nova Zelândia e da Região de Resgate. [6] Um membro da tripulação foi morto no fogo.[7] [8]

Citando preocupações ambientais, especificamente nas proximidade do navio na Antártida, maior conglomerado de colôna de Pinguim-de-adélia do mundo, o ministro Neo-zelandês Chris Carter se juntou a grupos de civis internacionais solicitando que o navio seja rebocado. Do Japão, o Instituto de Cetáceos Research (ICR), que administra o navio com a Kyodo Senpaku Kaisha, recusou ofertas de um reboque do navio do Greenpeace, o MV Esperanza, que estava acompanhando a embarcação desde 17 de Fevereiro. Em 28 de fevereiro, o ICR divulgou um comunicado sobre sua decisão de cortar as atividades de caça de baleias da Antártida entre 2006/2007 devido ao equipamento irrecuperável e Nisshin Maru partiu para o Japão.

Outros incidentes[editar | editar código-fonte]

Nishin Maru e Steve Irwin em operações nas águas do ártico

O Nisshin Maru e o MV Arctic Sunrise, do Greenpeace, colidiram em dezembro de 1999 e em janeiro de 2006. Em 2006, ambos os navios alegaram terem sido abalroado pelo outro, e o ICR postou um vídeo para apoiar a sua versão do incidente. O Greenpeace respondeu que as ondas provenientes do Ártico MV Sunrise na disputa que apareceram no vídeo, eram proveniente de seus motores em sentido inverso; Greenpeace também reivindicou a localização de formações de nuvens no fundo do vídeo ICR indicam o MV Nisshin Maru estava virando o navio do Greenpeace no momento da colisão.

A Sea Shepherd afirmou seu presidente Paul Watson foi baleado por alguém do Nisshin Maru, durante um confronto com o Steve Irwin na Antártica em 2008. Ele estava usando um colete à prova de balas e não se machucou. Um porta-voz reconheceu que ICR lançou sete sinalizadores, mas afirmou que "não houve qualquer tipo de tiros" que foram disparados.

Em março de 2011, o Nisshin Maru retornou início das operações no Oceano Antártico, e atuou na ajuda nos esforços de socorro após o terremoto de Tohoku em 2011 e o posterior tsunami, transportando alimentos, combustível e outros suprimentos para áreas devastadas pela catástrofe.[9]

Em fevereiro de 2013, o Nisshin Maru se envolveu em uma colisão múltipla de navios, colidindo com as embarcações da Sea Shepherd, MY Steve Irwin, MY Bob Barker e o MY Sam Simon bem como navio de reabastecimento do baleeiro, o Sun Laurel. O Bob Barker foi danificado e emitiu um pedido de socorro. O salva-vidas da Sun Laurel também fora danificados devido à colisão.[10]

Nova regulamentação da IMO[editar | editar código-fonte]

A Organização Marítima Internacional, criou novos que entrou em vigor em julho de 2011, tornou ilegal para o Nisshin Maru MV, operar enquanto estiver usando óleo pesado abaixo de 60 graus ao sul. Isso provavelmente irá aumentar o custo da operação no Oceano Antártico. As novas regras proíbem navios que utilizam óleo pesado na área que rege o Tratado da Antártida, devido ao risco para a vida selvagem, no caso de um derramamento de óleo.

Outras aparições[editar | editar código-fonte]

O MV Nisshin Maru, é destaque em jogos simuladores como o Ship Simulator 2008, juntamente com o Kyo Maru Nº1 e do navio Esperanza do Greenpeace, juntamente com seus barcos infláveis ​​de popa. O Nisshin Maru foi o cenário principal para o filme Drawing Restraint.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências