Mabel Rivera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde maio de 2012) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Maria Isabel Rivera Torres (Ferrol, 20 de Junho de 1952) é uma actriz galega[1] .

Biografia[editar | editar código-fonte]

No final da década de 70 desloca-se para Compostela, onde estuda Filologia Inglesa e se inicia no teatro amador. Em 1984 acaba os seus estudos universitários e começa a trabalhar profissionalmente no recém-criado Centro Dramático Galego. Nos anos a seguir, participará em produções como Os velhos não devem de namorar-se, de Castelao.

Na Galiza fez grande sucesso com a série de televisão Pratos feitos, que começou a se emitir em 1995, interpretando o papel de “Balbina”. Mas será só em 2004 que atingirá o reconhecimento internacional pelo seu papel no filme “Mar Adentro”. Por este trabalho foi premiada, pela Academia das Artes e das Ciências Cinematográficas da Espanha, com o Prémio Goya à melhor actriz de partilha. De aí para a frente, tem participado em importantes filmes (como O orfanato, em 2007)[1] , obras teatrais (O Clube do Tricô, da companhia Teatro do Morcego), e séries de televisão (como Livro de Família, produzida pela Televisão da Galiza).

Nos últimos anos tem reforçado o compromisso social e político, tomando parte activa em movimentos e plataformas cidadãs como Nunca Mais ou Não à Guerra, que articularam os protestos populares contra a gestão, por parte dos governos galego e espanhol, do acidente do petroleiro Prestige, em 2002, e da invasão do Iraque, em 2003. Na actualidade, faz parte do colectivo 'Galiza não se vende', que age em defesa do meio natural frente à especulação urbanística e as actividades industriais altamente poluentes, agressivas e desrespeitosas com o ambiente. Nesta linha dirigiu, com a colaboração do seu companheiro, o produtor e técnico de fotografia Henrique Banet, os documentários Uma lousa sobre o Courel e O salário do silêncio. No primeiro, Mabel Rivera denuncia as graves repercussões que a extracção de lousa, em canteiras ilegais, está a ter sobre a serra galega do Courel. No segundo dos documentários, O salário do silêncio, são mostradas as irregularidades na instalação da central de gás natural Reganosa, no interior da ria de Ferrol.

Em 2009, Mabel Rivera recebeu em Compostela o prestigioso Prémio Cineuropa em reconhecimento a toda a sua trajectória profissional.

Referências

  1. a b Mabel Rivera (em português). Página visitada em 26 de Maio de 2012.