Macaé

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Macaé
"Princesinha do Atlântico"
"
Cidade de Macaé

Cidade de Macaé
Bandeira de Macaé
Brasão de Macaé
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 29 de julho de 1813 (201 anos)
Gentílico macaense
Prefeito(a) Aluízio dos Santos Júnior (PV)
(2013–2016)
Localização
Localização de Macaé
Localização de Macaé no Rio de Janeiro
Macaé está localizado em: Brasil
Macaé
Localização de Macaé no Brasil
22° 22' 15" S 41° 47' 13" O22° 22' 15" S 41° 47' 13" O
Unidade federativa  Rio de Janeiro
Mesorregião Norte Fluminense IBGE/2008[1]
Microrregião Macaé IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Carapebus, Casimiro de Abreu, Conceição de Macabu, Nova Friburgo, Rio das Ostras e Trajano de Moraes
Distância até a capital 182 km
Características geográficas
Área 1 215,904 km² [2]
População 224 442 hab. Censo IBGE/2013 [3]
Densidade 184,59 hab./km²
Altitude 2 m
Clima Tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,764 (RJ: 7º) – alto PNUD/2010[4]
PIB R$ 11 267 976,990 mil (BR: 42º) – IBGE/2010[5]
PIB per capita R$ 42 393,66 IBGE/2008[6]
Página oficial

Macaé é um município do estado do Rio de Janeiro, no Brasil, situado 180 quilômetros a nordeste da capital do estado. Sua população era de 222 951 habitantes em 2012. Possui uma área total de 1 215,904 km².

As ligações da sede municipal são feitas por duas rodovias e uma ferrovia. A RJ-106 percorre todo o litoral, de Rio das Ostras a Carapebus, atravessando o centro da cidade. A RJ-168 corta o município de leste a oeste, acessando a BR-101, que alcança Conceição de Macabu, ao norte, e Rio das Ostras, ao sul. Com apenas um pequeno trecho asfaltado, a RJ-162 tem um traçado pelo interior, alcançando Trajano de Moraes, ao norte e Casimiro de Abreu, ao sul.

A ferrovia, que liga o Rio de Janeiro ao Espírito Santo, é usada quase que exclusivamente para transporte de cargas.

Macaé está localizada a uma latitude de -22º22'33" e longitude de -41º46'30" e faz divisa com as cidades de Carapebus, Conceição de Macabu, ao Norte; Rio das Ostras e Casimiro de Abreu, ao Sul; Trajano de Moraes e Nova Friburgo, a Oeste; e com o Oceano Atlântico, a Leste.

Contando com 23 quilômetros de litoral, o clima é quente e úmido na maior parte do ano, com temperaturas que variam entre 23 °C e 38 °C, amplitude térmica considerável, ocasionada pela troca de ventos entre o litoral e a serra, relativamente próximos. É também conhecida como "Princesinha do Atlântico"

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome do município é uma referência ao Rio Macaé. Não restam dúvidas de que este é um vocábulo de origem indígena, porém seu significado ainda é controverso:

  • Queriam alguns estudiosos que o termo procedesse da corruptela de maca-ê, "que, entre os nativos, significa macaba doce, por extensão coco doce, produzido pela palmeira macabaíba, abundante na região". Eduardo de Almeida Navarro aponta, como origem etimológica, o termo do tupi antigo mokaîé, que designava a variedade de palmeira conhecida como mocajaíba ou bocaiuva.[7] A atual bandeira da cidade apresenta o desenho de um coqueiro;
  • Outros afirmavam que os índios goitacás se utilizavam da palavra Macaé, que significaria "Rio dos Bagres", para denominar o Rio Macaé.

História[editar | editar código-fonte]

Descobertas de sambaquis na Praia de Imbetiba comprovam que a região já era povoada por indígenas há milhares de anos atrás. Quando os primeiros colonos de origem europeia chegaram ao local, no século XVI, encontraram duas tribos rivais: os tamoios e os goitacás.

As terras do atual município faziam parte da Capitania de São Tomé, indo do Rio Itabapoana ao Rio Macaé e foi batizada de "Macahé".

Seu povoamento de origem europeia iniciou-se em 1614, quando Portugal se encontrava sob o domínio da Espanha. Para evitar invasões de inimigos, criou-se uma aldeia de índios catequizados.

Os primeiros registros dos jesuítas em Macaé datam de 1634. No princípio, foi fundada, à margem do rio Macaé e próxima ao Morro de Sant'Ana, uma fazenda agropecuária, que, no correr dos anos, ficou conhecida como "Fazenda de Macahé".

Na base do morro, entre este e o rio, levantou-se um engenho de açúcar com todas as dependências e lavouras necessárias. Além do açúcar, produziam farinha de mandioca em quantidade e extraíam madeira para construções navais e edificações. No alto do morro, foram construídos um colégio, uma capela e um pequeno cemitério, o qual guarda, até hoje, os restos mortais de alguns jesuítas. Em 1759, a fazenda foi incorporada aos bens da coroa portuguesa pelo desembargador João Cardoso de Menezes. Nesta ocasião, os jesuítas foram expulsos do Brasil, imposição feita pelo Marquês de Pombal.

Em 1813, foi elevado a município e, em 1846, a Vila de Macaé passou à condição de cidade. Como a produção açucareira e cafeeira se expandiram muito e o Porto de São João da Barra não estava mais dando conta do movimento, iniciou-se, então, em 1844, a construção do Canal Campos-Macaé, com 109 km.

No dia 11 de abril de 1832 o famoso naturalista inglês Charles Robert Darwin, após meses de viagem a bordo do navio Beagle, vindo com seus auxiliares da região dos lagos a cavalo e após passar por barra de São João (Distrito de Casimiro de Abreu) se sentiu mal e, ao chegar a Macaé, devido à forte exaustão, desmaiou, sendo levado à localidade situada a três quilômetros ao sul da entrada do Rio Macaé (Praia de Imbetiba, onde hoje existe a Base da Petrobras). Neste lugar, Darwin pernoitou em um estabelecimento comercial chamado "Venda do Mato" e, no dia seguinte, foi para a "Fazenda do Socego", de propriedade de Manoel Figueiredo, cuja filha era casada com um escocês chamado Lawrie, que Darwin conhecera no Rio de Janeiro. Nesta fazenda, hoje parte do município de Conceição de Macabu, Darwin coletou insetos e répteis que foram catalogados e incorporados a sua famosa coleção e que serviram de base para sua mais notável publicação, "A Origem das Espécies" (On the Origin of Species by Means of Natural Selection, or The Preservation of Favoured Races in the Struggle for Life) publicada em 1859[8] .

1873 Criação da Sociedade Musical Nova Aurora.

Em 1875, foi construída a Cia. Estrada de Ferro Macahé-Campos.

A via férrea trouxe novo impulso e, mais tarde, os trilhos da Estrada de Ferro Leopoldina.

A partir de 1974, com a descoberta de petróleo na Bacia de Campos, o município, que permanecia rural, começou a sofrer profundas mudanças em sua economia e cultura, recebendo grande quantidade de pessoas de várias partes do país e do mundo, a fim de atender a crescente demanda desta cidade por mão de obra especializada, até hoje ainda não suprida totalmente, tornando os salários oferecidos na cidade bem atraentes.

Apesar de receber grande quantidade de mão de obra especializada, também é grande a quantidade de pessoas não especializadas que procuram a cidade em busca da promessa de emprego, nem sempre atendida pelo exigente mercado de trabalho. Muitas destas pessoas acabam ficando na cidade, e sem conseguir o tão sonhado emprego, acabam populando cada vez mais as favelas da cidade, que aumentam assustadoramente a cada dia. A inaptidão governamental, ou falta de uma política pública para criação de moradias populares, reformar o sistema de transporte público, garantir saneamento básico assim como reforçar a segurança na cidade, também colabora para a falta de qualidade de vida da maior parte da população Macaense.

Política[editar | editar código-fonte]

O atual prefeito é Aluízio Júnior (Partido Verde), que foi antecedido por Riverton Mussi (Partido do Movimento Democrático Brasileiro), encerrando assim o ciclo de quarenta anos de alternância de membros da Família Mussi no comando do município, sendo o primeiro o médico [[Carlos Emir Mussi]] e o último o seu primo [[Riverton Mussi]]. Durante os primeiros meses, o governo Aluízio Júnior caminhou vagarosamente, ocorrendo muita arrecadação orçamentária e pouco investimentos, para poder ter fontes para realizar obras.

Em 2012, a disputa eleitoral culminou na vitória de Aluízio (Partido Verde), que teve, a seu lado, Danilo Funke (Partido dos Trabalhadores) como candidato a vice-prefeito.

Nas comunidades mais pobres, como na Nova Holanda e nas Malvinas, a ausência estatal começa a ser ocupada por frações do tráfico de drogas oriundas da capital estadual, como Amigos dos Amigos e Comando Vermelho.

Em julho de 2014 Dr. Aluízio foi apontado, após uma pesquisa da Instituto Informa, como um dos melhores prefeitos do estado Rio de Janeiro, ficando acima da média geral.[9]

O trabalho do prefeito Aluízio Júnior em apenas 1,5 ano de mandato já vem sendo comemorado pela população. Muitas obras foram feitas nesse período, como a reforma da orla da Praia dos Cavaleiros, destruída desde 2011 após uma forte ressaca, urbanização dos bairros Lagomar, Nova Holanda e Nova Esperança, construção de calçadões no Parque Aeroporto, tapando dois valões do bairro, construção da Rodovia Norte-Sul, duplicação da Rodovia Amaral Peixoto (RJ-106) na altura do bairro de Imboassica, desafogando o intenso tráfego à cidade de Rio das Ostras, entre outras obras. Além disso, previsto para 2015, está a construção do Terpor, o novo Terminal Portuário de Macaé, no bairro São José do Barreto.[10]

Câmara Municipal

O prédio da Câmara Municipal de Macaé fica na Avenida Rui Barbosa, no Centro. Aproveita elementos do estilo neoclássico e se dispõe em dois blocos agregados. Foi construído no século passado e recentemente foi totalmente restaurado. As visitações podem ser feitas na segunda e sexta-feira, no horário comercial.

A nova câmara municipal, que custou dezenas de milhões aos cofres públicos, sofrendo diversas acusações de desvios milionários de verba está situada na estrada da Virgem Santa, e leva o nome de Palácio do Legislativo Natálio Salvador Antunes (nome do pai do vereador Paulo Antunes).

Prefeitura Municipal

Projetado por Oscar Niemeyer, o prédio da Prefeitura Municipal fica localizado na Avenida Presidente Sodré, Centro. O arquiteto foi contratado em 1983 pelo então prefeito Alcides Ramos para criar o projeto da nova sede do administrativo municipal. Niemeyer projetou uma estrutura de oito andares, porém foi informado que o gabarito da cidade (tamanho permitido para construções) só permitia uma estrutura com quatro andares. Esse impasse durou até 2001. Niemeyer era famoso por não alterar suas criações, mas, nesse ano, enfim, o arquiteto entendeu as limitações da cidade e cedeu. O prédio possui quatro andares e terraço e foi concluído apenas em 2004.[11] .

Geografia[editar | editar código-fonte]

Arquipélago de Sant'Ana

O Arquipélago de Sant'Ana é formado pelas ilhas do Francês, Ilhote Sul e Sant'Ana. Localizado a 8 quilômetros do cais do Mercado Municipal é utilizado para o lazer e para a pesca. Nele vivem colônias de gaivotas além do vai e vem de algumas espécies de aves que migram da América do Norte na época do inverno.

Pico do Frade

O Pico do Frade é o ponto mais alto do município. Tem 1.429 metros de altitude, estando a 56 km do centro urbano. Ideal para a prática de escaladas e caminhadas, de preferência com guias, que podem ser contratados na cidade.

Peito do Pombo
Peito do Pombo

O Peito do Pombo, com 1 120 metros, situado próximo ao Arraial do Sana, onde a natureza esconde belezas exuberantes, incluindo cachoeiras praticamente intocadas.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Corredeiras de Glicério

As corredeiras de Glicério tornaram-se famosas para a prática de canoagem, devido a presença de uma antiga usina de eletricidade nas imediações. A comunidade local desenvolveu um interessante esporte denominado "boiagem", que consiste em descer as corredeiras em boias feitas de câmaras de ar de veículos pesados.

Rio Macaé

O Rio Macaé nasce na Serra de Macaé, em Lumiar, (5° Distrito de Nova Friburgo), numa área de proteção ambiental conhecida como Macaé de Cima. Desce a região serrana e deságua no Oceano Atlântico. Grande parte de seu leito é navegável. É o rio que abastece a cidade.

Lagoa de Jurubatiba

A Lagoa de Jurubatiba é uma das menores entre as 18 lagoas que integram o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba. Suas águas de coloração escura, devido a presença de raízes, são límpidas e transparentes. É permitida a visitação e o banho, mas a pesca não é permitida.

Lagoa de Imboassica
Lagoa de Imboassica

A Laguna de Imboassica já foi considerada um verdadeiro santuário ecológico. Hoje em dia recebe dejetos de esgoto domiciliar de alguns bairros que surgiram em seu entorno e esta com má preservação devido à exploração imobiliária. No passado, já foi muito procurada para as atividades de lazer e para a prática esportiva. Tem uma área de 5 quilômetros quadrados, fazendo limite com o município de Rio das Ostras e está a 11,5 quilômetros do centro da cidade.

Praia dos Cavaleiros.
Praia do Pecado.
Praia do Pecado

A Praia do Pecado é a continuação da Praia dos Cavaleiros até encontrar-se com a Lagoa de Imboassica, já no limite com o município de Rio das Ostras. Ideal para o surfe e para o bodyboard, é muito procurada também para a prática de pesca de mergulho e pesca de linha.

Praia dos Cavaleiros

A Praia dos Cavaleiros localiza-se no bairro de mesmo nome, reduto dos principais restaurantes da cidade. Ideal para o banho e para a pesca em suas várias lajes e costões. Na Praia dos Cavaleiros, realizam-se as competições esportivas do FestVerão.

Praia Campista

A Praia Campista é de mar aberto e agitado, sendo muito utilizada para a pesca e há também escolas de windsurfe, por ser um local com ótimo espaço e condição para a prática desse esporte. Localiza-se entre a Prainha do Farol e a Praia dos Cavaleiros, muito próxima ao centro urbano.

Prainha do Farol

A Prainha do Farol tem apenas 120 metros de extensão. Quando o mar está calmo, suas águas cristalinas são um convite ao banho e também para a pesca. Nesta praia localiza-se a ruína do antigo farol de Macaé, construído em 1880, nos primeiros anos de existência do município.

Praia de Imbetiba (Praia de Cocotá)

A Praia de Imbetiba abriga hoje o Terminal de Imbetiba, em apoio as atividades de extração de petróleo na plataforma continental. Recebe descarga de afluentes sanitários tratados do bairro Parque Valentina Miranda e da Petrobras. É muito procurada para a prática de cooper e para passeios ao amanhecer e ao entardecer.

Praia de São José do Barreto

A Praia de São José do Barreto é um prolongamento da Praia da Barra. Recebe alguns detritos do Rio Macaé. É uma das preferidas pelos pescadores de linha. Esta praia atravessa o Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba.

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

O município está dividido em 10 distritos: 1º Sede; 2° - Barra de Macaé; 4° -Imboassica; 5° - Córrego do Ouro; 6° - Cachoeiros de Macaé; 7° - Glicério; 8° - Sana; 9° - Vila Paraíso; 10° - Frade e 11° - Parque Aeroporto.[12]

Economia[editar | editar código-fonte]

Desde a década de 1970, quando a Petrobras escolheu Macaé para ser a sede de suas operações na Bacia de Campos, a cidade deu um salto de crescimento. Mais de quatro mil empresas se instalaram no município e a população foi multiplicada por dez - hoje são mais de 200 mil habitantes. Surgiram hotéis de luxo e uma série de empreendimentos do setor de serviços, principalmente no ramo de restaurantes. O turismo de negócios aumentou.

O petróleo é maior força econômica de Macaé. Nos próximos dois anos, a meta da Petrobras é produzir 2 milhões e 200 mil barris de óleo por dia. Até 2010, a Petrobras investiu US$ 25,7 bilhões na Bacia de Campos, o equivalente a 80% dos recursos da empresa em Exploração e Produção para todo o país.

O município tem a maior taxa de criação de novos postos de trabalho do interior do estado, de acordo com pesquisa feita pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan): 13,2% ao ano.

A economia da cidade cresceu 600% desde 1997.[carece de fontes?] Um levantamento elaborado em 2007 pelo IBGE demonstrou que o Produto Interno Bruto per capita da cidade é de 36 000 reais por ano,[6] 200% maior do que a média nacional.[6] O município atrai empresas de todo o país e do mundo: a cidade recebeu, recentemente, quatro hotéis de luxo (Blue Tree, Sheraton, Confort e Royal).

Pesquisa feita pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas apontou a cidade como a que mais se desenvolveu na última década no eixo Rio-São Paulo. Por sua ótima economia, Macaé foi eleita pelo jornal A Gazeta Mercantil como a cidade mais dinâmica do estado, levando em consideração o Índice de Desenvolvimento Humano.

Em 2004, a Fundação Getúlio Vargas apontou Macaé como a segunda melhor cidade brasileira para se trabalhar. A cidade também recebeu o título de Município Amigo da Criança, em reconhecimento às ações nas áreas de educação e saúde. O prêmio foi dado pela Organização Pan-Americana de Saúde.

Macaé sedia a Brasil Offshore, feira que reúne quase 500 empresas do setor de petróleo de 50 países. A feira é realizada no Centro de Convenções Jornalista Roberto Marinho, o segundo maior do estado, construído em uma área de 110 mil metros quadrados no bairro São José do Barreto.

O crescimento trouxe (e ainda traz) também milhares de pessoas de outras regiões do país, em sua grande maioria sem qualquer qualificação profissional, que esperavam encontrar trabalho farto. Porém, a realidade é que a oferta de empregos é grande para quem tem boa qualificação profissional, sendo exigência mínima, quase sempre, o domínio da língua inglesa. Esses migrantes ajudaram a aumentar enormemente o tamanho e a quantidade de favelas na cidade, sob os olhos complacentes e assistencialistas dos seguidos governos municipais durante os quais a migração ocorreu.

Além disso, Macaé ganhou, em 11 de Setembro de 2008, o Shopping Plaza Macaé, um shopping que, por possuir lojas importantes, incluindo grandes franquias internacionais. Este shopping, ao oferecer mais opções de comércio para a cidade e região, cria a expectativa de maior desenvolvimento para a economia da cidade.

Turismo[editar | editar código-fonte]

Praia dos Cavaleiros

São vários os pontos turísticos desta cidade, que começa a acordar para esse mercado tão bem explorado por países de "Primeiro Mundo", graças a iniciativa privada. A cidade tem bastante potencial, mas a grande receita obtida através da indústria do petróleo na cidade acaba diminuindo o interesse dos governantes da cidade em apoiar o turismo.

Alguns desses pontos turísticos são:

Cabeceira do Sana

Arraial do Sana é um distrito de Macaé, conhecido por suas matas e cachoeiras. Possui diversos campings. É possível praticar rafting e rapel no local.

Solar de Monte Elísio

O solar de Monte Elísio tem destaque no cenário urbano macaense. O prédio foi erguido no sopé de uma pequena elevação, na Avenida Santos Moreira, bairro Visconde de Araújo. Hoje é a sede do Instituto Nossa Senhora da Glória (Castelo). Sua construção ocorreu em 1852, obedecendo o neoclássico e na parte interna, destaque para a escada em madeira, com as iniciais do Visconde de Araújo.

Forte Marechal Hermes
Forte Marechal Hermes.

Não se sabe a data de construção do Forte Marechal Hermes. Dizem que foi construído em 1761, mas há quem afirme que foi em 1725. Esta fortaleza, erguida para defender o litoral macaense dos corsários, sofreu reforma em 1908, sendo inaugurado em 1910, levando o nome do Marechal Hermes Rodrigues da Fonseca. As visitas guiadas ao forte são permitidas.

Farol de Imbetiba

O Farol de Imbetiba foi restaurado em 1999. O velho farol foi construído em 1880, para atender as necessidades do Porto de Imbetiba, que funcionava como escoadouro da produção agrícola da Baixada Campista e de Macaé. As visitas são permitidas e o acesso se dá pelo Trevo da Petrobras, na praia Campista.

Região Serrana

A Serra de Macaé é um conjunto de distritos do município que possui entre outros atrativos cachoeiras, eventos de canoagem e festas tradicionais em homenagem ao padroeiro. Seu principal acesso é através da rodovia RJ-168.

Cultura[editar | editar código-fonte]

Parque de Exposição Latiff Mussi

O Parque de Exposição Latiff Mussi fica na localidade de São José do Barreto e é considerado o terceiro melhor parque do país em infraestrutura. Tem 80 000 metros quadrados e, entre os eventos realizados, está a Expo Macaé, com rodeio e shows de música popular brasileira de primeira qualidade.

Igreja de Sant'Ana
Igreja de Sant'Ana

A Igreja de Sant'Anna, segundo uma antiga lenda (lenda da santa fujona), que diz que a porta principal foi voltada para oeste, para impedir que a santa, de mesmo nome, fugisse do altar, visto que sua imagem foi encontrada na ilha de Santana e como a fachada principal antigamente era voltada para leste, a santa sentia saudades da sua ilha e sumia (fugia) do altar da igreja, sendo sempre encontrada novamente na ilha de Santana, então mudaram a fachada da igreja para o lado oposto, onde a santa não poderia mais avistar seu local de origem, e não mais poderia fugir. A imagem da santa sumiu na década de 1990 e nunca mais foi encontrada. Prédio com construção datada de 1630, localiza-se numa elevação de onde pode-se vislumbrar toda a cidade, junto a um cemitério de mesmo nome. Em meados da década de 2000, foi instalada uma réplica da famosa estátua do Cristo Redentor[carece de fontes?] do Rio de Janeiro próximo à igreja, que acabou sendo vandalizada em 2009.[carece de fontes?]

A tradicional procissão do Senhor do Senhor Morto que percorre as ruas dos centro da cidade toda Sexta-Feira da Paixão, tem neste templo seu ponto de partida e chegada.

A igreja foi construída por padres da Companhia de Jesus (jesuítas).

Carnaval[editar | editar código-fonte]

Evento atualmente comemorado através de trios elétricos promovidos pela prefeitura em alguns pontos da cidade, desfiles de bois pintadinhos[13] , blocos carnavalescos, do desfile de escolas de samba, realizado na Linha Verde.[14] Entre as maiores escolas da cidade estão o Castelo Imperial, campeã em 2011[15] [16] e a Império da Barra, campeã em 2012.

Há também desfile de bois, entre os quais o Boi Suave Veneno.[17]

Esporte[editar | editar código-fonte]

Na cidade, há duas equipes profissionais atuando atualmente no futebol: o Macaé Esporte Futebol Clube e o Serra Macaense Futebol Clube. Há também dois estádios: o Estádio Cláudio Moacyr de Azevedo e o Estádio Expedicionário. Além disso, existem também o Clube Desportivo Macaé Sports, equipe de voleibol e futsal, e o Macaé Basquete.[18]

Relações Internacionais[editar | editar código-fonte]

Cidade-irmã:

Stavanger mantém tratado de cidade-irmã com Macaé pela semelhança que ambas possuem no aspecto econômico: são ambas conhecidas como capitais nacionais do petróleo offshore de seus respectivos países.[19]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2011 Censo Populacional 2011 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2011). Visitado em 1 de julho de 2011.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 29 de Julho de 2013..
  5. ftp://ftp.ibge.gov.br/Pib_Municipios/2010/pdf/tab01.pdf
  6. a b c Produto Interno Bruto dos Municípios 2002-2005 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (19 de dezembro de 2007). Visitado em 10 de Fevereiro de 2009.
  7. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 583,584.
  8. KEYNES, R. D. ed. 2001. Charles Darwin's Beagle diary. Cambridge: Cambridge University Press., http://darwin-online.org.uk/content/frameset?itemID=F1925&viewtype=text&pageseq=1
  9. Instituto Informa: Prefeito de Macaé dr. Aluízio está entre os melhores do estado Clique Diário / Jornal Diário da Costa do Sol (4 de Julho de 2014). Visitado em 30 de Julho de 2014.
  10. Empresários discutem sobre novo Terminal Portuário em Macaé, no RJ G1 Região dos Lagos (11/06/2014). Visitado em 30/07/2014.
  11. http://www.diariodacostadosol.com/noticias.php?page=leitura&idNoticia=26067
  12. Aemerj. [1]. Visitado em 04/04/2014.
  13. O Dia (06.02.10). A farra dos bois pintadinhos é tradição e alegria na folia em Macaé. Visitado em 11.10.10.
  14. Prefeitura de Macaé (18.01.2008). Prefeitura inicia montagem das arquibancadas para o Carnaval. Visitado em 11.10.10.
  15. Macaé News (25/03/2011). Escolas Campeãs do Carnaval em 2011. Visitado em 21/04/2011..
  16. Renata Dourado, Portal iMacaé. Confira galeria de fotos do Carnaval de Macaé. Visitado em 21/04/2011.
  17. Jusbrasil (25/01/2010). Farra dos Bois Pintadinhos continua em Macaé. Visitado em 01/06/2013.
  18. Prefeitura de Macaé (18/05/2013). Macaé Basquete está classificada para o NBB 2013/14. Visitado em 01/06/2013.
  19. http://www.macae.rj.gov.br/noticias/leitura?noticia=27089 Prefeito recebe comitiva da Noruega interessada em investir em Macaé - Prefeitura Municipal de Macaé

Ligações externas[editar | editar código-fonte]