Chlorocebus sabaeus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Macaco-verde)
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaChlorocebus sabaeus[1]
Bijilo-Portrait-of-a-Callithrix-Monkey.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 LC pt.svg
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Família: Cercopithecidae
Género: Chlorocebus
Espécie: C. sabaeus
Nome binomial
Chlorocebus sabaeus
(Linnaeus, 1758)
Distribuição geográfica
Chlorocebus sabaeus distribution.svg

Chlorocebus sabaeus é um Macaco do Velho Mundo, da subfamília Cercopithecinae[3] com pelage dourada-esverdeada e mãos e pés pálidos.[4] A ponta da cauda é amarelo-dourado como a parte posterior das coxas e os pelos das bochechas. [4] Não possui uma banda na pelagem das sobrancelhas, como outros do gênero Chlorocebus, e machos possuem o escroto de cor azul-claro.[4] Alguns autores consideram este e os outros membros do gênero Chlorocebus como uma única espécie, Chlorocebus aethiops – o nome, traduzido do inglês, macaco-verde pode ser usado para todos os primatas do gênero.

Descrição física[editar | editar código-fonte]

C. sabeus é sexualmente dimórfico com machos sendo um pouco maiores que as fêmeas. Machos adultos pesam entre 3,9 e 8 kg e medem entre 42 e 60 cm, enquanto as fêmeas possuem entre 3,4 e 5,3 kg e medem entre 30 e 49,5 cm de comprimento.[4]

Distribuição geográfica e habitat[editar | editar código-fonte]

Ocorre em um ampla variedade de habitats florestados, desde florestas secas do Sahel, até a borda de florestas chuvosas. É comum é áreas costeiras, onde se alimenta de frutos do mar, como caranguejos.[3]

É encontrado na África Ocidental do Senegal até o rio Volta. Foi introduzido em Cabo Verde e ilhas do noroeste da África, e no Caribe.[1] Foi introduzido no Caribe no fim do século XVII através de navios de escravos. [4]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Crânio de um macho

Como outros membros do gênero Chlorocebus, vive em grupos complexos, compostos por até 80 indivíduos. Dentro desses grupos, uma distinta hierarquia social, evidenciada pelo comportamento de catação e relações de gênero. Eles possuem chamadas distintas de alarme para cada predador. [5]

Reprodução[editar | editar código-fonte]

Adulto

O sistema de acasalamento é poligínico, e existe um macho alfa, que controla as interações sociais e as cópulas das fêmeas com outros machos. São reprodutores sazonais, acasalando entre os mês de abril e junho, durante a estação chuvosa. É durante esta estação que há abundância de frutos. Machos alcançam a maturidade sexual com 5 anos, e as fêmeas, com 2 anos.

Referências

  1. a b Groves, C.P.. Order Primates. In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World. 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. 158-159 p. ISBN 978-0-8018-8221-0 OCLC 62265494
  2. Kingdon, J. & Gippoliti, S. (2008). Chlorocebus sabaeus (em Inglês). IUCN 2012. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2012 Versão 2. Página visitada em 02 de abril de 2013.
  3. a b Kingdon, J.. The Kingdon Guide to African Mammals. [S.l.]: Academic Press Limited, London, 1997. ISBN 0-12-408355-2
  4. a b c d e Cawthon Lang, K. A. (2006). Primate Factsheets: Vervet (Chlorocebus) Taxonomy, Morphology, & Ecology. Página visitada em 2007-08-13.
  5. Matthew Keller, [1], "Animal Diversity Web", 3/26/12
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Chlorocebus sabaeus
Ícone de esboço Este artigo sobre Macacos do Velho Mundo ou Hominoidea, integrado ao WikiProjeto Primatas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.