Macroglossia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Macroglossia é o crescimento anormal da língua, fazendo com que esta alcance um tamanho maior do que a cavidade bucal permite e trazendo prejuízos à função de fonação, respiração, sucção e/ou deglutição.

Causas[editar | editar código-fonte]

A causa da macroglossia pode ser primária, congênita ou secundária. Uma verdadeira hipertrofia é rara,[1] sendo a principal causa da macroglossia a presença de um tumor benigno congênito (linfangioma é o mais frequente.[2] ). Macroglossia verdadeira é um sintoma de comum ocorrência no cretinismo e no mongolismo.[3]

Em geral, é de ocorrência congênita, descoberta logo ao nascimento ou sendo suspeitada ao longo do desenvolvimento da criança após eventos inflamatórios devido a lesões (associadas ao surgimento dos dentes).[4]

Listagem das causas[editar | editar código-fonte]

  • Aumento transitório da língua
    • abscessos
    • angioedema
    • hematoma
    • intoxicação por medicamentos e alimentos.
    • picada de inseto
  • Aumento persistente da língua
    • cistos
    • hemangioma
    • linfangioma
    • tumores
  • Distúrbios metabólicos
    • amiloidose
    • proteinose lipódica
    • escleredema de Buschke
  • Malformações congenitas
    • trissomia do 21
    • Síndrome de Winchester
    • displasia ectodermal anidiótica
    • Síndrome de Hajdu-cheney
    • Síndrome de Beckwith - wildemann
  • Desordens hormonais
    • acromegalia
    • Síndrome de Zellweger
    • síndrome Melkerson-Rosental
  • Processos inflamatórios crônicos
    • sífilis, lepra

Consequências[editar | editar código-fonte]

Ocorre, mais pronunciadamente, má-oclusão. Devido à precocidade do surgimento alteração, é comum o desenvolvimento anormal da mandíbula e da ossatura da face, havendo então prejuízo tanto primário quanto secundário da função fonadora.[1]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

É dependente da causa subjacente para a macroglossia. O tratamento clássico, na criança, consiste na cirurgia,[1] através da glossectomia parcial.[5] É indicação óbvia na remoção de tumores, mas discutida por muitos autores na hipertrofia associada às diversas doenças causadoras. Inquestionável é a necessidade e os resultados obstidos pelo acompanhamento fonaudiológico precoce, com significativo resultado positivo na inteligibilidade e mesmo qualidade da fala.

Referências

  1. a b c NELSON, W. E. Tratado de Pediatria. Mallorca, Barcelona: Salvat Editores. 1965.
  2. BERESFORD, J. S. Ortodontia actualizada. Buenos Aires: Editorial Mundi, 1981
  3. BURKET, Lester W. e CASTILIANO, J. Gordon. Diagnóstico y Tratamento. México: Editorial Interamericana, 1954.
  4. DECHAUME, Michel. Estomatologia. Barcelona: Editora Masson S.A. 1969.
  5. HARNDT, Ewald e WEYERS, Helmut. Odontologia Infantil: patologia, diagnostico y terapeutica de la boca y de los maxilares en la niños. Argentina: Editorial Mundi, 1970.