Macuxi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Macuxis)
Ir para: navegação, pesquisa
macuxi
Telmo Macuxi.jpg
Telmo Macuxi, representante da Comissão de Professores Indígenas da Amazônia, falando durante debate nos IX Jogos dos Povos Indígenas
População total
Regiões com população significativa
leste de Roraima, no  Brasil 11 598
Línguas
língua portuguesa
língua macuxi
Religiões

Os macuxis são uma etnia indígena sul-americana. São um subgrupo dos pemons. Falam a língua macuxi, que pertence à família linguística caribe. Habitam a região compreendida entre as cabeceiras dos rios Branco e Rupununi, território partilhado entre o Brasil e a Guiana.[1]

No Brasil, os macuxis se localizam no leste de Roraima (mais especificamente, nas terras indígenas Ananás, Aningal, Anta, Araçá, Barata/Livramento, Bom Jesus, Boqueirão, Cajueiro, Jaboti, Mangueira, Manoá/Pium, Moskow, Ouro, Pium, Ponta da Serra, Raimundão, Raposa/Serra do Sol, Santa Inês, São Marcos e Sucuba).[2] São 11 598 pessoas no total.

Habitantes de uma região de fronteira, os macuxis vêm enfrentando, pelo menos desde o século XVIII, situações adversas, em razão da ocupação não indígena na região - primeiramente por aldeamentos e migrações forçadas,[3] depois pelo avanço de frentes extrativistas e pecuaristas e, mais recentemente, pela presença de garimpeiros e pela proliferação de grileiros em suas terras.

Hoje, protagonizan, juntamente com outros povos da região, um dos maiores impasses relativos aos direitos indígenas no Brasil contemporâneo: o que diz respeito à homologação da terra indígena Raposa Serra do Sol,[4] onde, atualmente, existem núcleos urbanos e fazendas de pecuária e de rizicultura.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre antropologia ou um antropólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

77012003000100010&script=sci_arttext">SANTILLI, Paulo. Pemongon Patá: território Macuxi, rotas de conflito</ti>, São Paulo, Editora UNESP, 2001 (resenha).</a>