Madalena (Vila Nova de Gaia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
 Portugal Madalena  
—  Freguesia  —
Brasão de armas de Madalena
Brasão de armas
Localização no concelho de Vila Nova de Gaia
Localização no concelho de Vila Nova de Gaia
Madalena está localizado em: Portugal Continental
Madalena
Localização de Madalena em Portugal
41° 06' 57" N 8° 39' 05" O
País  Portugal
Concelho VNG1.png Vila Nova de Gaia
 - Tipo Junta de freguesia
Área
 - Total 6,02 km²
População (2011)
 - Total 10 040
    • Densidade 1 667,8/km2 

Madalena é uma vila e freguesia portuguesa do concelho de Vila Nova de Gaia, com 6,02 km² de área e 10040 habitantes (2011). Densidade: 1667,8 hab./km². Situa-se na costa marítima do concelho de Vila Nova de Gaia e já tem mais de oitocentos anos de idade. Como freguesias circunvizinhas tem Canidelo, Sta. Marinha, Vilar do Paraíso e Valadares. Apresenta uma boa exposição solar devido à plenitude da plataforma litoral e os seus baixos declives. As terras agrícolas estão protegidas dos ventos oceânicos por uma frente florestada.

Foi elevada a vila em 12 de Junho de 2009.[1]

Evolução Populacional[editar | editar código-fonte]

A evolução da Madalena foi positiva, mostrando um aumento dos edifícios de 15,5% em 1991/2001. As famílias moradoras aumentaram 30,7% e em termos de alojamento, a freguesia sofreu um aumento considerável de mais de metade, 50,6%. Em declive, estiveram os jovens com menos de dezoito anos, no qual a variação é de 24,8%, mostrando que a Madalena é uma freguesia envelhecida. No entanto, ficou provado que cada vez mais existe maior investimento e construções na Madalena.

História[editar | editar código-fonte]

De início, a Madalena não era muito povoada, no entanto, nos dias de hoje já é diferente, visto que a maior proximidade ao Porto levou à freguesia um aumento populacional.

A grande maioria dos Madalenenses trabalhava a terra, exceptuando alguns que tinham ofícios, como os paneleiros, tanoeiros, carpinteiros, trolhas, trabalhadores nos armazéns de vinho, etc. Os trabalhadores rurais iam para os campos ao som de ave-marias e voltavam ao som das trindades. Ao almoço comia-se, por exemplo, papas de farinha de milho ou feijão com rojões, tudo produtos da terra. O peixe era regularmente comido pelos mais ricos, trazido pelas canastreiras da Afurada.

Apesar de não haver nenhum prato ou doce típicos da freguesia, era tradição comer no Carnaval filhozes; na Quaresma a sopa de castanhas piladas; na Páscoa pão de trigo cozido e nos finados, comia-se castanhas cozidas ou assadas.

Fazia-se também a matança do porco, feito em ambiente festivo, com um sem número de rituais. Não se sabe quando começaram as festas de Santa Maria Madalena, nem da Senhora da Hora, mas por volta do século XIII existia já uma festa paroquial na freguesia, a da Senhora da Conceição.

As desfolhadas, apesar de serem ocasião de trabalho, eram sobretudo uma altura de festa, onde cantava e brincava e quando aparecia o milho-rei, a pessoa contemplada com essa sorte levantava-se e tinha de dar um abraço a todo o círculo dos que escalpelavam as espigas de milho, dizendo bem alto: "Chi do meu coração!".

A agricultura perdeu importância e nota-se cada vez mais a implementação de outras actividades, nomeadamente alguns tipos de indústria, relacionados com os têxteis, madeiras e metalurgia.

Em termos de cursos de água, minas e fontes conta com o Ribeiro de Ateães e o da Madalena; as fontes do Barroco, da Costa, de Baixo, da Junqueira, de Aguim, Passais e Sussino; a mina da Quinta do Vale, a da Quinta do Cedro e a da Cavada.

Lenda da Bicha Moura[editar | editar código-fonte]

A lenda da Bicha Moura refere-se ao Coteiro do Crasto. Neste local, conta-se, existia um grande rochedo, tão voltado para o caminho que parecia poder rolar por ali abaixo a qualquer momento. Dizia-se que em cima deste penedo, a Bicha Moura – metade mulher, metade réptil – aparecia em noites de luar, pela meia-noite, penteando os seus longos cabelos com um pente de ouro e deixando na sua caminhada rastejante um resto auri fulgente. Ninguém podia aproximar-se dela, pois corria o risco de se transformar em bicha ou mesmo em pedra. Esta convicção inspirava medo em muitos madalenenses e o respeito de todos. Durante algum tempo chegaram-se a fazer romagens para ver a bicha e parece que algumas pessoas pregavam partidas, fazendo-se passar pela bicha. Mas, um dia, aquela pedra grande foi sacrificada a tiros de dinamite e a lenda perdeu um pouco da sua magia. No entanto, há ainda quem tenha um receio miúdo de passar pelo Coteiro do Crasto ou a ele subir, principalmente à noite.

Património[editar | editar código-fonte]

Mais de 90% da população da Madalena é católica. Como património, conta com a Igreja da Madalena, a que mais se situa próxima da costa e a Igreja de Nossa Senhora de Fátima, formada por uma nave e torre sineira. Como capelas, tem-se a Capela de Nossa Senhora da Conceição; a Capela da Quinta de Bernardino e a Capela de São Tiago de Aguim. Também tem-se os cruzeiros, utilizados para definir o espaço sagrado ao redor da igreja e o percurso das procissões: o primeiro na Rua da Igreja, e os outros dois no Marmoiral, na Rua das Lavouras e ao lado das Alminhas do Marmoiral. Uma outra cruz situa-se no cruzamento da Rua do Carvalheiro, diferenciando-se das outras, conhecida como o Cruzeiro do Homem Morto, talvez assinalando a morte de alguém nesse lugar. Tem-se ainda o Cemitério da Madalena.

Para além deste património, a freguesia tem também a Casa das Tílias, edifício artisticamente concebido em 1888 e o Lar Tavares Bastos, transformado de mansão em lar da terceira idade.

A Estação Paleolítica de Cerro, descoberta em 1988, é uma jazida com vestígios encontrados pelo Homem Paleolítico e surge como local chave para o conhecimento das primeiras ocupações humanas de toda a região.

Finalmente, tem-se um busto de bronze, representando o mestre Isolino Sousa, esculpido por Álvaro Camarinha, onde na legenda diz: "A Isolino de Sousa Maestro do Orfeão da Madalena – 1968".

Infra-estruturas Desportivas[editar | editar código-fonte]

Como infra-estruturas desportivas, conta com o Polidesportivo do Cruzeiro, junto à zona do Cruzeiro, e pode-se praticar Andebol, Basquetebol, Futsal, Ténis e Voleibol.

Unidades de Saúde[editar | editar código-fonte]

Em termos de Unidades de Saúde, a freguesia tem um centro de Saúde da Boa Nova (Unidade de Saúde da Madalena) e ainda a Clínica Médico Dentária da Madalena; a Farmácia Martins e da Madalena. Encontra-se em negociações a construção de uma nova unidade, a de Saúde Familiar.

Associações Culturais e Sócio-Culturais[editar | editar código-fonte]

Como Associações culturais e sócio-culturais, conta com o Orfeão da Madalena, que dedica atenção especial à musical coral; o Ideal Clube Madalenense, criado no intuito da melhor utilização dos tempos livres dos cidadãos, com inúmeras actividades; a Sociedade Columbófila da Madalena; o Clube de Futebol Olímpicos da Madalena; o Clube Atlântico da Madalena, destacando-se o voleibol entre outras modalidades desportivas; a Associação Madalena Jovem, criada com o objectivo de desenvolver a cooperação e solidariedade entre a juventude; a Fanfarra Juventude da Madalena, com fins culturais e musicais; e a Associação de Solidariedade Social da Madalena, com fim de apoiar crianças e jovens, apoio à integração social e comunitária, e protecção dos cidadãos na velhice e na invalidez, poderá também consultar outras instituições de solidariedade social em: http://www.cm-gaia.pt/gaia/portal/user/anon/page/_CMG_0000.psml?categoryOID=E7818080803887GC&contentid=8B81804581CO&nl=pt

Referências

  1. Público. Portugal tem cinco novas cidades e 22 vilas. Visitado em 2009-6-12.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

www.adpmadalena.com

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Commons Imagens e media no Commons
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias