Magnêncio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Magnêncio
Usurpador do Império Romano
Double Centenionalis Magnentius-XR-s4017.jpg
Centenional com efígie de Magnêncio. Embora tenha restaurado alguns direitos dos pagãos, o reverso desta moeda leva o lábaro cristão.
Governo
Reinado 18 de janeiro de 35011 de agosto de 353
Consorte Justina
Antecessor Constante I
Sucessor Constâncio II
Vida
Nome completo Flavius Magnus Magnentius
Nascimento 303
Samarobriva, Gália
Morte 11 de agosto de 353 (50 anos)
Monte Selêuco

Flávio Magno Magnêncio (em latim: Flavius Magnus Magnentius) foi um usurpador romano contra os imperadores Constante I e Constâncio II entre 350 e 353.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Nascido em Samarobriva (Amiens, na Gália), Magnêncio era o comandante dos hercúleos e jupiterianos, as unidades responsáveis pela proteção do imperial[1] . Quando a insatisfação contra o imperador Constante I tornou-se insuportável, o exército romano em Autun proclamou Magnêncio imperador em 18 de janeiro de 350. Constante foi abandonado por virtualmente todas as suas forças e ele acabou assassinado por um grupamento de cavalaria leve perto dos Pireneus.

Magnêncio rapidamente arregimentou a lealdade das províncias da Britânia, Gália e Hispânia, em parte por que ele se mostrou ser muito mais tolerante tanto com os cristãos quanto com os pagãos. Seu controle sobre Itália e África foi exercido através da eleição de alguns de seus homens para os cargos mais importantes. Porém, a breve revolta de Nepociano, um membro da dinastia constantiniana, mostrou a Magnêncio que sua posição precisava ser consolidada frente aos membros da família do grande Constantino.

Ele tentou em seguida reforçar seu controle sobre os territórios controlados pelo finado Constante e marchou para o Danúbio. Vetrânio, comandante das legiões da Panônia, havia sido proclamado augusto por suas tropas em Mursa (Osijek, na Hungria) em 1 de março. Esta revolta tinha um verniz legalista, pois Vetrânio tinha o apoio de Constância, e o próprio Constâncio II o reconheceu enviando-lhe o diadema imperial.

Derrocada[editar | editar código-fonte]

O último imperador da família de Constantino, Constâncio II, interrompeu sua campanha na Síria contra os persas sassânidas e marchou para o ocidente. Apesar dos esforços de Magnêncio para atrair Vetrânio para sua causa, o velho general alcançou Constâncio com seu exército e abdicou.

Depois de fazer de Decêncio Magno (provavelmente seu irmão) um césar e de alistar tantos soldados quanto possível, os exércitos de Magnêncio e Constâncio se enfrentaram na Batalha de Mursa Maior em 351. Magnêncio liderou suas tropas pessoalmente enquanto Constâncio passou o dia rezando numa igreja próxima. Apesar do heroísmo de Magnêncio, seu exército foi derrotado e teve que recuar para a Gália.

Por causa da derrota de Magnêncio, a Itália expulsou suas tropas e se juntou à causa legalista. Magnêncio tentou resistir em 353 na Batalha do Monte Selêuco, mas, derrotado, suicidou-se caindo sobre sua espada.

Depois que a revolta de Magnêncio foi sufocada, Constâncio iniciou uma investigação para descobrir quem eram seus aliados. O mais notório dentre eles era o primicério dos notários Paulo Catena.

Algumas fontes afirmam que o pai de Magnêncio era um britônico e sua mãe, uma franca[2] .

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cargos políticos
Precedido por:
Sergius,
Nigrinianus
Cônsul do Império Romano
351
com Gaiso
Sucedido por:
Flávio Magno Decêncio César,
Paulo,
Flávio Júlio Constâncio Augusto V,
Flávio Cláudio Constâncio César
Precedido por:
Flávio Magno Decêncio César,
Paulo,
Flávio Júlio Constâncio Augusto V,
Flávio Cláudio Constâncio César
Cônsul do Império Romano
353
com Flávio Magno Decêncio César II,
Flávio Júlio Constâncio Augusto VI,
Flávio Cláudio Constâncio César II
Sucedido por:
Flávio Júlio Constâncio Augusto VII,
Flávio Cláudio Constâncio César III

Referências

  1. Zósimo, ii.58
  2. Drinkwater pp.131–59. Fontes primárias: Aurélio Vítor, De Caesaribus 42.7; Zósimo. HN 2.46.3, 54.1; Zonar. 13.6.1.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Magnêncio
  • Cameron, Averil, and Peter Garnsey ed., The Cambridge Ancient History, Vol XIII, Cambridge University Press, 1988.
  • Drinkwater, J.F.. (2000). "The revolt and ethnic origin of the usurper Magnentius (350–53), and the rebellion of Vetranio (350)". Chiron (30).