Magnetismo animal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Mesmerismo, também chamado de magnetismo animal (notadamente nos séculos XVIII e XIX) é o estado ou o resultado de alguém, obtido ao ser mesmerizado (ou magnetizado), com um dos significados acima listados. Seria, segundo o seu descobridor, Franz Anton Mesmer, um estado particular de vibração (ou tom de movimento, em suas palavras) do fluido universal[1] .


Cquote1.svg Nem a luz, nem o fogo, nem a eletricidade, nem o magnetismo e nem o som são substâncias, mas sim efeitos do movimento nas diversas séries do fluido universal Cquote2.svg
Mesmer

Descrição[editar | editar código-fonte]

Franz Antoine Mesmer era médico e estudava sobre o magnetismo animal, nascido em 1744, na Suábia, território que atualmente é ocupado pela Alemanha. Sua família era estritamente católica, exercendo então nas terras em que residiam um papel significativo. Sua educação se deu no mosteiro Reichiano, instituição na qual aprendeu vários idiomas, literatura clássica e música. Sua dissertação de doutorado, dissertativo physico-medica de planetarum influxu, já aborda a ascendência dos corpos planetários sobre o organismo humano; aqui ele utiliza pioneiramente, em uma pesquisa acadêmica, a ideia de fluido universal. Conforme o pesquisador e pedagogo francês Allan Kardec, estudioso da doutrina espírita, este fluido é a energia básica primordial que produz tudo que há no universo, inclusive as diversas substâncias materiais existentes.

Os fluidos também envolvem todos os corpos sutis, desprovidos de peso, não tangíveis, nem visíveis pelos sentidos humanos. No estágio mineral, como, por exemplo, o imã, ele é conhecido como fluido magnético; na etapa vegetal o fluido é denominado fitomagnetismo; já no animal esta energia é intitulada fluido magnético animal, enquanto no ser humano ele é nomeado fluido magnético espiritual, o qual está presente no perispírito ou corpo espiritual. Estes fluidos são, portanto, mutações estabelecidas no fluido universal.

Segundo Mesmer discorre justamente sobre o magnetismo animal, que emana dos indivíduos, pode através da prática constante, ser ampliada como ocorre com os magnetizadores, aqueles que exercitam o uso desta energia. Hoje mesmerismo virou sinônimo deste magnetismo, por conta dos estudos e exercícios realizados por este pesquisador.

O magnetismo de Mesmer pode ser definido, portanto, como a reciprocidade estabelecida entre duas criaturas vivas através do fluido magnético. Esta ciência foi amplamente dominada durante a Era Antiga, particularmente no Egito, onde ela era utilizada nos rituais religiosos conhecidos como Mistérios, pois eram reservados apenas aos iniciados em seus conhecimentos.

O magnetismo animal foi utilizado por Mesmer em uma terapêutica de cura em 1773 pela primeira vez. A enfermeira Fransiska Esterlina pertencia à família da consorte do médico, e era igualmente amiga de Mozart e de seus familiares. Ela tinha apenas 29 anos e estava muito fraca. Suas conclusões não foram bem recepcionadas no meio científico e, em 1775, o estudioso decide prosseguir em suas experiências de forma mais reservada na cidade de Viena.

Com a publicação da Carta ao povo de Frankfurt, Mesmer dá início a uma etapa significativa de sua pesquisa. Ele explica pela primeira vez a natureza do magnetismo animal, recorrendo a uma analogia com o resultado provocado pelo magnetismo mineral em um ser humano; só que neste caso o processo seria desencadeado não por um minério, mas sim por outra pessoa.

Na Carta a um médico estrangeiro, Mesmer deixa mais claro o mecanismo concretizado na terapia magnética; no final de 1775 ele se tornou integrante da Academia do Eleitorado da Baviera. No ano seguinte ele abandonou a utilização do imã como mero condutor do magnetismo animal, para que os cientistas compreendam melhor sua terapêutica; mas continuou a adotar o uso de outros elementos, como a água e o ferro. Em 1777 o magnetizador recebeu como paciente a célebre pianista Maria Theresa Paradis, logrando a cura de sua cegueira, o que provoca profundas polêmicas.

Na doutrina espírita este magnetismo que irradia do ser humano é denominado simplesmente fluido e brota naturalmente ou é desencadeado pelo poder magnético da vontade, como ocorre nos hipnotizadores, nos próprios magnetizadores e nos médiuns, intermediários entre o mundo material e o universo espiritual.

Referências

  1. Mesmerismus oder System der Wechselwirkungen: Theorie und Anwendung des thierischen Magnetismus als die allgemeine Heilkunde zur Erhaltung des Menschen