Maluridae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaMaluridae
Malurus cyaneus (macho e fêmea)

Malurus cyaneus (macho e fêmea)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Aves
Ordem: Passeriformes
Subordem: Passeri
Superfamília: Meliphagoidea
Família: Maluridae
Swainson, 1831
Gêneros
5, ver texto
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Maluridae

Maluridae é uma família de aves pertencentes a ordem Passeriformes. Compreende pequenas aves insetívoras encontradas na Austrália e Nova Guiné. Através de estudos morfológicos e de DNA, foi possível inferir que esta família emergiu da grande radiação adaptativa dos corvídeos que ocorreu na Australásia.

Descrição e biologia[editar | editar código-fonte]

São aves de tamanho médio a pequeno. Habitam uma grande variedade de ambientes, das florestas tropicais ao deserto, embora a maioria das espécies sejam encontradas nas pastagens e cerrados. O gênero Amytornis apresentam camuflagem com uma padrão negro e marrom das penas, mas os outros gêneros tem freqüentemente plumagem com coloração brilhante, especialmente os machos.[1]

Eles são insetívoros, geralmente alimentando-se na vegetação rasteira. Constroem ninhos abobadados nas áreas de vegetação densa, e não incomum que os filhotes permaneçam no ninho e ajudem na criação dos filhotes da próxima ninhada.[1]

Aves do gênero Malurus são notáveis por várias características comportamentais peculiares. Elas são socialmente monogâmicas e sexualmente promíscuas. Machos de várias espécies colhem pétalas de coloração variada e exibem-nas as fêmeas, por razões ainda desconhecidas.

Sistemática e taxonomia[editar | editar código-fonte]

Como muitas outros animais australianos, os membros desta família foram mal compreendidos pelos primeiros pesquisadores. Eles tiveram uma variada classificação, sendo agrupados nas famílias Muscicapidae, Sylviidae e Timaliidae. No final da década de 1960, estudos morfológicos começaram a sugerir que os gêneros Malurus, Stipiturus, Amytornis, Sipodotus e Clytomyias eram relatados entre si, e seguindo o trabalho pioneiro de Charles Sibley com proteínas do ovo em meados da década de 1970, pesquisadores australianos nomearam a família Maluridae em 1975.[2]

Com o aumento de estudos morfológicos e o progresso nas análises de DNA no final do século XX, o posicionamento da família tornou-se mais claro. A Maluridae é uma das muitas famílias que emergiu da grande radiação adaptativa dos corvídeos na Australásia. Seus parentes mais próximos são as famílias Meliphagidae e Pardalotidae.[3] [4] Sua óbvia semelhança com a família Troglodytidae da Europa e Américas não é genética, mas simples conseqüência da evolução convergente entre as espécies que compartilham o mesmo nicho ecológico.

Variação da composição da família Maluridae entre autores
Autor(es) (Ano) N° de gênero Nº de espécies
Sibley e Monroe (1990; 1993)[5] [6] [*] 5 26 [a]
Howard e Moore (2003)[7] 5 28
Clements (2005)[8] 5 27 [b]
Del Hoyo (2007)[9] 5 25 [c]
Birdlife International (2008, v. 1)[10] 5 27 [d]
IOC (2008, v. 1.6)[11] 5 28
  • ^ Era considerada uma subfamília da Pardalotidae.

a. ^ Não inclui ballarae e merrotsyi.

b. ^ Não inclui campbelli.

c. ^ Não inclui ballarae, merrotsyi e campbelli.

d. ^ Não inclui ballarae.

Notas[editar | editar código-fonte]

a. ^ Foi considerada como uma espécie distinta de M. grayi por Sibley e Monroe (1990;1993), entretanto, para Beehler et al. (1986), Coates (1990), Clements (1991-2005), Vuilleumier et al. (1992), entre outros, a diferença entre os dois táxons é mínima. Mary Lecroy em um estudo comparando os dois táxons manteve-os unidos, até uma nova análise; poucos exemplares de campbelli são conhecidos.

b. ^ Foi considerada como uma subespécie de A. striatus, até ser elevada a espécie distinta por Schodde e Mason (1999) e Christidis (1999).

c. ^ Foi considerada como uma subespécie de A. purnelli, até ser elevada a espécie distinta por Schodde e Mason (1999).

Referências

  1. a b GARNETT, S. In: FORSHAW, J. Encyclopaedia of Animals: Birds. Londres: Merehurst Press, 1991. 196 p.
  2. SCHODDE, R. Interim List of Australian Songbirds. Melbourne: RAOU, 1975.
  3. BARKER,, F. K; BARROWCLUGH, G. F.; GROTH, J. G.. (2002). "A phylogenetic hypothesis for passerine birds; Taxonomic and biogeographic implications of an analysis of nuclear DNA sequence data". Proc. R. Soc. Lond. B 269: 295–308.
  4. BARKER, F. K; CIBOIS A.; SCHIKLER, P.; FEINSTEIN, J.; CRACRAFT, J.. (2004). "Phylogeny and diversification of the largest avian radiation". Proc. Natl. Acad. Sci. USA 101 (30): 11040–11045.
  5. SIBLEY, C. G.; MONROE, B. L. Jr. Distribution and Taxonomy of Birds of the World. New Haven: Yale University Press, 1990.
  6. SIBLEY, C. G.; MONROE, J. E. Jr. A Supplement to Distribution and Taxonomy of Birds of the World. New Haven: Yale University Press, 1993.
  7. DICKINSON, E. C. (ed.). The Howard and Moore Complete Checklist of the Birds of the World. eª ed. Princeton: Princeton University Press, 2003.
  8. CLEMENTS, J. F. The Clements Checklist of Birds of the World. Cornell: Cornell University Press, 2005.
  9. del HOYO, J.; ELLIOT, A.; CHRISTIE, D. A. (eds.). Handbook of the Birds of the World volume 12: Picathartes to Tits and Chickadees. Lynx Edicions, 2007.
  10. BirdLife International (2008). The BirdLife checklist of the birds of the world, with conservation status and taxonomic sources. Version 1. Acessado em <http://www.birdlife.org/datazone/species/>.
  11. GILL, F.; WRIGHT, M.; DONSKER, D. (2008). IOC World Bird Names (version 1.6). Acessado em <http://www.worldbirdnames.org/> [09 de agosto de 2008].
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maluridae