Mandrágora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mergefrom 2.svg
O artigo ou secção Mandragora deverá ser fundido aqui. (desde março de 2014)
Se discorda, discuta sobre esta fusão aqui.


Como ler uma caixa taxonómicaMandrágora
Mandragora officinarum L.

Mandragora officinarum L.
Classificação científica
Reino: Plantae
Clado: angiospérmicas
Clado: eudicotiledóneas
Clado: asterídeas
Ordem: Solanales
Família: Solanaceae
Género: Mandragora
Espécie: M. autumnalis
Nome binomial
Mandragora autumnalis
L.
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Mandrágora

A mandrágora é uma planta da família das Solanaceae, de origem eurasiana, herbácea, acaule, dotada de flores campanuliformes e frutos bacáceos.[1] ,[2] Seus frutos, semelhantes a uma pequena maça, exalam um odor forte e fétido.[carece de fontes?]

Espécies[editar | editar código-fonte]

Utilização[editar | editar código-fonte]

São-lhe atribuídas propriedades tóxicas [3] e medicinais: afrodisíaca, alucinógena, analgésica e narcótica.

O uso da raiz da planta é muito antigo, encontrando-se citado nos textos bíblicos em Gênesis 30:14 e Cantares 7:13. Segundo lendas medievais, as raízes da mandrágora deveriam ser colhidas em noite de lua cheia, puxadas para fora da terra por uma corda presa a um cão preto; se outro animal ou pessoa fizesse esta tarefa, a raiz "gritaria" tão alto que o mataria. Outra lenda refere que a mandrágora tinha como semente o Sêmen de um homem enforcado. [carece de fontes?]

Apesar do grande interesse demonstrado na planta mandrágora ao longo dos tempos e do uso tradicional das raízes na medicina tradicional, surpreendentemente poucos trabalhos foram publicados sobre os constituintes químicos. Entre os alcaloides referidos na sua constituição, possivelmente em mais de uma espécie, encontram-se a hiosciamina, hioscina, apoatropina.[4]

Na ficção[editar | editar código-fonte]

  • Essa planta também foi citada por Shakespeare em Romeu e Julieta, e acredita-se que o remédio que Julieta tomou para fingir estar morta tenha sido extraído dela.
  • O livro A Mandrágora, de Nicolau Maquiavel, conta histórias de manipulações políticas.
  • Em Harry Potter e a Câmara Secreta uma versão bruxa da Mandrágora aparece, nessa história, ela grita de verdade quando extraída da terra.

Galeria de fotos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ilustração do manuscrito do séc XV "Tacuinum Sanitatis"

Referências

  1. Mandragora autumnalis Bertol. Tropicos Tropicos.org. Missouri Botanical Garden. 20 Mar 2014
  2. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. Curitiba, Editora Positivo, 1999
  3. TSILIGIANNI, Ioanna G. et al. A two cases clinical report of mandragora poisoning in primary care in Crete, Greece: two case report. Cases Journal 2009, 2:9331 PDF Março, 2014
  4. JACKSON, Betty P.; BERRY, Michael I. Mandragora, taxonomy and chemistry of the European species in: HAWKES, J.G.; LESTER, R.N.;SKELDING, A.D. (eds). The Biology and. Taxonomy of the Solanaceae, pp. 493-504. London, Academic Press, 1979 PDF, Março, 2014
Ícone de esboço Este artigo sobre asterídeas, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.