Manifestações das segundas-feiras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde outubro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Igreja de S. Nicolau em Leipzig

As «Montagsdemonstrationen» (ou manifestações das segundas-feiras) foram um elemento essencial da queda da República Democrática da Alemanha no outono de 1989. Tratou-se de manifestações em massa que tiveram início em Leipzig às segundas-feiras à tarde e se propagaram a todas as cidades da RDA. Estas manifestações terminavam com orações pela paz na Igreja de S. Nicolau em Leipzig. Com o grito «Wir sind das Volk !» (nós somos o povo) repetiram-se semana após semana os protestos contra as condições políticas. O objectivo era propor uma reorganização pacifista e democrática do país, em particular do poder político do Partido Socialista Unificado da Alemanha (SED). Em certas cidades, tinham lugar noutros dias que não às segundas-feiras. A primeira destas manifestações ocorreu em 4 de setembro de 1989. A polícia da RDA reprimiu com violência as manifestações antes do 40.º aniversário da RDA em 7 e 8 de outubro de 1989.

No início, era um simples ajuntamento espontâneo de estudantes por ocasião da feira de Leipzig, que acolhia empresas ocidentais no mês de setembro: algumas bandeirolas indicavam a reivindicação de viajar aos ocidentais e sobretudo aos jornalistas presentes. A Stasi , presente no local, reprimiu brutalmente as manifestações e no dia seguinte, na imprensa local, estes foram chamados de "criminosos". Um pastor da Igreja Luterana estava presente e propôs para a segunda-feira seguinte uma oração pela paz, na sua igreja. Vexados por terem sido tratados por criminosos, os estudantes acorreram em massa à oração. Depois desta, os fiéis desfilaram na cidade gritando "Nós não somos criminosos!". Depois, frente ao fervor da oração colectiva, o pastor propôs que se reunissem todas as segundas-feiras ao fim da tarde.

A cada segunda-feira o número de fiéis e manifestantes aumentava. O exemplo polaco, onde a Igreja Católica estava na liderança do combate pela liberdade, contagiou-se à RDA.

Na segunda-feira 9 de outubro 70 000 pessoas manifestaram-se gritando «Wir sind das Volk!» (Nós somos o povo!) passando frente à sede da Stasi sem provocações. O secretário local do Partido Comunista, que tinha recebido plenos poderes do Politburo, pediu instruções a Berlim Oriental: de facto, tinha sido informado alguns dias antes que Egon Krenz procurava substituir Erich Honecker por uma revolução palaciana. Não recebendo instruções, proibiu as formas paramilitares presentes de usar as suas armas. O processo de afundamento do regime agudizava-se.

Em 16 de outubro, 120 000 pessoas manifestaram-se reclamando eleições livres e em 23 de outubro, o número era de 200 000 e todas as cidades tinham a sua manifestação.