Manoel Pio Corrêa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Manoel Pio Corrêa foi diplomata brasileiro que atua como embaixador no Uruguai e na Argentina durante os anos da ditadura. [1] que servia no Uruguai quando em 1966 idealizou e promoveu a criação no Itamaraty o Centro de Informações do Exterior, Ciex do Itamaraty. Não confundir com o homônimo Ciex, Serviço Secreto do Exército) .[2]

A principal tarefa do Centro de Informações do Exterior era monitorar as ações de brasileiros no Exterior, entre eles o presidente deposto no golpe João Goulart e os ex-governadores Leonel Brizola e Miguel Arraes.

Embaixador no Uruguai[editar | editar código-fonte]

Depois do golpe miltar, o presidente Castello Branco nomeou Pio Corrêa como embaixador em Montevidéu. Na companhia do coronel Câmara Senna como adido militar, Pio Corrêa dedicou-se a neutralizar articulações de combate a ditadura.

O diplomata e o adido militar, arquitetaram uma rede de contatos efetuados em seguidas viagens pelo país que incluía políticos, militares, juízes, delegados de polícia, fazendeiros, comerciantes. O Uruguai acabou servindo de experiência piloto para a criação do Ciex.

Colaboração com a Central de Inteligência Americana[editar | editar código-fonte]

Em seu livro de memórias, Por dentro da Companhia, o ex-agente da CIA Philip Agee revela que Pio Corrêa era , além de diplomata brasileiro, um agente da CIA.[3]

“A CIA sempre teve entre seus colaboradores diplomatas, militares, estudantes, jornalistas, professores, enfim, gente de todas as profissões”, afirma Moniz Bandeira.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

(Em Ingles)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Manoel Pio Corrêa