Manuel Cantacuzeno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Manuel Cantacuzeno (em grego: Μανουήλ Καντακουζηνός; transl.: Manouēl Kantakouzēnos), (c. 1326–10 de Abril de 1380. déspota do Despotado da Moreia de 25 de Outubro de 1349 até à sua morte.

História[editar | editar código-fonte]

Manuel Cantacuzeno era o segundo filho do imperador João VI Cantacuzeno e de Irene Asanina. O seu avô materno era Andrónico Asen, filho de João Asen III da Bulgária e de Irene Paleóloga. Irene era, por sua vez, filha de Miguel VIII Paleólogo e de Teodora Ducaina Vatatzina.

Manuel desempenhara o cargo de governador de Beroia e de Constantinopla em meados da década de 1340. Em 1348 foi nomeado governador da Moreia pelo seu pai, e chegou à sua província em 1349. Manuel foi o primeiro de uma série de governadores da província com o título de déspota e que eram estreitamente relacionados com os imperadores de Constantinopla.

Manuel impôs a ordem na sua província esmagando a oposição dos notáveis locais (os arcontes). O seu êxito foi tal que, quando João VI Cantacuzeno foi obrigado a abdicar por João V Paleólogo, seu genro, Manuel conseguiu resistir à tentativa de o substituir por um homem de confiança do imperador e veio a ser reconhecido como governador da Moreia pelo novo regime. Com a sua posição assegurada, Manuel manteve relações amigáveis com os seus vizinhos Latinos e logrou obter um longo período de prosperidade para a região. A cooperação entre Gregos e Latinos incluía mesmo uma aliança para conter as incursões de Murad I na Moreia na década de 1360. Manuel também encorajou a emigração de Albaneses para o povoamento do Peloponeso desertificado e empobrecido.

Casamento[editar | editar código-fonte]

Manuel casara-se com Isabel de Lusignan, filha de Guy de Lusignan, rei Constantino IV do Reino Arménio da Cilícia, mas não teve descendência masculina. À data da sua morte, em 1380, sucedeu-lhe o seu irmão mais velho e antigo co-imperador Mateus Cantacuzeno.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • The Oxford Dictionary of Byzantium, Oxford University Press, 1991.