Manuel García Morente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Manuel García Morente (Arjonilla, Jaén, 22 de abril de 1886Madrid, 7 de dezembro de 1942) foi um filósofo e tradutor espanhol.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.

A primeira formação de Morente é francesa. Cursou o bacharelado no Liceo de Bayona e obteve o diploma de licenciado em Letras na Universidade de Bordéus (1905). Já na Espanha, começa sua docência na Residencia de Estudiantes de la Institución Libre de Enseñanza (1906) e viaja para a Alemanha, com bolsa pela junta de Ampliación de Estudios para aprender a filosofia dos neokantianos de Marburg: Cassirer, Cohen e Natorp.

Em 1912, obtém a cátedra de Ética da Universidade de Madrid. Seu pensamento oscila neste momento entre o kantismo — tese doutoral sobre La estética de Kant (1912); monografia sobre La filosofía de Kant, Una introducción a la filosofía (1917); traduções da Crítica do Juízo (1914), da Crítica da Razão Prática (1918) e da Fundamentação da Metafísica dos Costumes (1921) kantianas— e o bergsonismoLa filosofía de Bergson (1917)—. Durante os anos vinte, incidem sobre sua mente o biologismo histórico de Spengler (traduziu a famosa Decadência do Ocidente do citado filósofo da história alemã), Rickert, Simmel, e a axiologia, graças à incorporação que se fez da obra de Scheler e Hartmann através dla Revista de Occidente. No fim desse decênio, termina as traduções das Investigações Lógicas de Husserl (1929), junto a José Gaos, e da Origem do Conhecimento Moral de Brentano: o método fenomenológico será utilizado mais adiante com singular destreza em sua indagação filosófica.

Bibliografía[editar | editar código-fonte]

  • Enciclopedia Rialp
  • MAURICIO DE IRIARTE, El profesor García Morente, sacerdote, Madrid 1956;
  • R. GAMBRA, El García Morente que yo conocí, «Nuestro Tiempo» n° 32, fevereiro de 1937, pp. 131-173;
  • P. JOBIT, Manuel García Morente, Paris 1963;
  • J. ZARAGÜETA, Necrología del académico de número D. Manuel García Morente, Madrid 1943;
  • L. AGUIRRE, García Morente, Madrid 1963;
  • A. LÓPEZ QUINTÁS, Filosofía española contemporánea, Madrid 1970 (com bibl. completa).

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]