Manuel Monteiro de Castro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Manuel Monteiro de Castro
Cardeal da Santa Igreja Romana
Penitenciário-Mor Emétito do Supremo Tribunal da Penitenciária Apostólica
Hierarquia
Papa Francisco
Atividade Eclesiástica
Nomeação 5 de janeiro de 2012
Predecessor Fortunato Baldelli
Ordenação e Nomeação
Ordenação Presbiteral 9 de Julho de 1961
Arquidiocese de Braga
por António Bento Martins Júnior
Nomeação Episcopal 16 de Fevereiro de 1985
Ordenação Episcopal 23 de Março de 1985
Basílica do Sameiro
por Agostino Casaroli
Lema Episcopal Mane nobiscum Domine
(Fica conosco Senhor)
Nomeado Arcebispo 16 de Fevereiro de 1985
Cardinalato
Criação 18 de Fevereiro de 2012
por Bento XVI
Ordem Cardeal-diácono (2001)
Cardeal-bispo (2009)
Título São Domingos de Gusmão (2001)
Palestrina (2009)
Brasão
Coat of arms of Manuel Monteiro de Castro.svg
Dados Pessoais
Nascimento Portugal Santa Eufémia de Prazins
29 de março de 1938 (76 anos)
Nacionalidade Portuguesa
Funções Exercidas - Pró-Núncio Apostólico para as Antilhas
(1985-1990)
- Pró-Núncio Apostólico para as Honduras
(1990-1991)
- Pró-Núncio Apostólico para El Salvador
(1990-1998)
- Núncio Apostólico para a África do Sul, Namíbia, Suazilândia e Lesotho
(1998-2000)
- Núncio Apostólico para Espanha e Andorra
(2000-2009)
- Secretário da Congregação para os Bispos
(2009-2012)
Títulos Anteriores Arcebispo titular de Benevento (1985-2012)
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Manuel Monteiro de Castro (Santa Eufémia de Prazins, 29 de Março de 1938) é um cardeal português, actualmente Penitenciário-mor do Supremo Tribunal da Penitenciária Apostólica desde a sua nomeação por Bento XVI a 5 de janeiro de 2012[1] , deixando o cargo de secretário da Congregação para os Bispos.

Formação académica e eclesiástica[editar | editar código-fonte]

Estudou filosofia e teologia na Arquidiocese de Braga. Foi ordenado presbítero pelo arcebispo António Bento Martins Júnior a 9 de julho de 1961 e posteriormente ingressou na Pontifícia Universidade Gregoriana em Roma, onde obteve o doutoramento em Direito Canónico em junho de 1967. Durante este período foi formado em diplomacia pela Pontifícia Academia Eclesiástica. Em fevereiro de 1969 tornou-se advogado do Tribunal da Rota Romana.

Carreira na diplomacia eclesiástica[editar | editar código-fonte]

Entrou no serviço diplomático da Santa Sé em 1967. Foi nomeado Capelão de Sua Santidade a 1 de julho de 1968. Foi secretário das nunciaturas do Panamá (1967-1969), Guatemala (1969-1972), Vietname e Cambodja (1972-1975), Austrália (1975-1978) e México (1978-1981). Regressou a Roma onde ficou na Segunda Secção da Secretaria de Estado de junho a novembro de 1981. Foi promovido a Prelado de Honra de Sua Santidade em 1 de julho de 1981. Nesse ano foi nomeado conselheiro da nunciatura na Bélgica, onde permaneceu até 1985.

Episcopado[editar | editar código-fonte]

Em 16 de fevereiro de 1985 foi nomeado arcebispo titular de Benevento e pró-núncio para os países das Índias Ocidentais que tinham relações diplomáticas com a Santa Sé, onde se incluíam as Bahamas, Barbados, Belize, República Dominicana, Granada, Jamaica, Santa Lúcia e Trinidad e Tobago, e delegado apostólico para os restantes territórios como as ilhas Turks e Caicos e as Antilhas Holandesas. A sua ordenação episcopal decorreu a 23 de março de 1985 na Basílica do Sameiro[2] , foi presidida pelo cardeal Agostino Casaroli, então secretário de estado do Vaticano, e teve como co-ordenantes os arcebispos Eurico Dias Nogueira e Júlio Tavares Rebimbas.[3] Decorridos dois anos, quando a Antígua e Barbuda estabeleceu relações diplomáticas com o Vaticano, permaneceu por lá como pró-núncio, em vez de delegado apostólico. Foi nomeado Núncio Apostólico para El Salvador e para as Honduras a 21 de agosto de1990, resignando a este último posto a 12 de abril de 1991. Em 2 de fevereiro de 1998 foi transferido para a África do Sul e com responsabilidades na Namíbia e Suazilândia.[4] A 7 de março seguinte foi nomeado Núncio Apostólico para o Lesotho.[5] Em 2000 tornou-se Núncio Apostólico para Espanha e Andorra[6] e como tal, teve um papel importante nas relações entre a igreja católica espanhola e o governo espanhol, principalmente durante a liderança de José Luis Rodríguez Zapatero, enquanto presidente do governo espanhol.

Secretário da Congregação para os Bispos[editar | editar código-fonte]

Em 3 de julho de 2009 foi nomeado secretário da Congregação para os Bispos por Bento XVI[7] , substituíndo o arcebispo Francesco Monterisi, que tinha sido nomeado no mesmo dia para arcipreste da Basílica de S. Paulo Fora dos Muros. É o órgão responsável pela nomeação de bispos para as dioceses de Rito Romano, com excepção para as dioceses de missão, para as nomeações que dependem de uma consulta ao governo no país em causa ou às nomeações da responsabilidade da Congregação para as Igrejas Orientais (responsáveis pelo Médio Oriente e Grécia), correspondendo assim a uma grande maioria das dioceses existentes. Tradicionalmente o secretário da Congregação para os Bispos é também ele secretário do Colégio Cardinalício, e como tal, Monteiro de Castro foi nomeado para este cargo a 21 de outubro de 2009.[8] É também consultor da Congregação para a Doutrina da Fé.

Penitenciária Apostólica[editar | editar código-fonte]

A 5 de janeiro de 2012 foi nomeado Penitenciário-mor do Supremo Tribunal da Penitenciária Apostólica,[9] substituíndo o cardeal Fortunato Baldelli que tinha atingido o limite de idade de 75 anos em 2010. A Penitenciária Apostólica é um dos 3 tribunais da Cúria Romana e restringe-se a matérias do foro interno, indulgências, sanções, dispensas ou absolvições.

Cardinalato[editar | editar código-fonte]

No dia seguinte, a 6 de janeiro de 2012 foi anunciado que seria criado cardeal no consistório de 18 de fevereiro.[10] Assim foi nesse dia, criado cardeal-diácono de São Domingos de Gusmão, diaconia recém instituída por Bento XVI.[11] Em 21 de abril de 2012 foi nomeado membro do Pontifício Conselho para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes, da Congregação para as Causas dos Santos e da Congregação para os Bispos.[12]

Opiniões éticas e sociopolíticas[editar | editar código-fonte]

Casamento homossexual[editar | editar código-fonte]

Monteiro de Castro foi citado na imprensa pela sua posição sobre o casamento homossexual. Em maio de 2004 dirigiu-se a uma conferência de bispos espanhóis dizendo que as uniões homossexuais não poderiam ser definidas como casamentos, mas seriam no mínimo dignas de compaixão.[13]

Referências

  1. Sala Stampa della Santa Sede. Página visitada em 19 de março de 2013.
  2. Diocese de Tenerife. Página visitada em 19 de março de 2013.
  3. Catholic Hierarchy. Página visitada em 19 de março de 2013.
  4. Sala Stampa della Santa Sede. Página visitada em 19 de março de 2013.
  5. Sala Stampa della Santa Sede. Página visitada em 19 de março de 2013.
  6. Sala Stampa della Santa Sede. Página visitada em 19 de março de 2013.
  7. Sala Stampa della Santa Sede. Página visitada em 19 de março de 2013.
  8. Sala Stampa della Santa Sede. Página visitada em 19 de março de 2013.
  9. Sala Stampa della Santa Sede. Página visitada em 19 de março de 2013.
  10. Sala Stampa della Santa Sede. Página visitada em 19 de março de 2013.
  11. Diário de Notícias. Página visitada em 19 de março de 2013.
  12. Sala Stampa della Santa Sede. Página visitada em 19 de março de 2013.
  13. The Guardian. Página visitada em 19 de março de 2013.


Precedido por
Tadeusz Gocłowski
C.M.
Arcebispo titular de Benevento
19852012
Sucedido por
(Vacante)
Precedido por
Paul Fouad Naïm Tabet
Pró-Núncio Apostólico para as
Bahamas, Barbados,
Jamaica e Trinidad e Tobago

19851990
Sucedido por
Eugenio Sbarbaro
Precedido por
Paul Fouad Naïm Tabet
Pró-Núncio Apostólico para o
Belize

19851990
Sucedido por
Giacinto Berloco
Precedido por
(Início das
relações diplomáticas
)
Pró-Núncio Apostólico para a
República Dominicana, Granada
e Santa Lúcia

19851990
Sucedido por
Eugenio Sbarbaro
Precedido por
(Início das
relações diplomáticas
)
Pró-Núncio Apostólico para a
Antígua e Barbuda

19851990
Sucedido por
Eugenio Sbarbaro
Precedido por
Francesco De Nittis
Núncio Apostólico para as
Honduras

19901991
Sucedido por
Luigi Conti
Precedido por
Francesco De Nittis
Núncio Apostólico para
El Salvador

19901998
Sucedido por
Giacinto Berloco
Precedido por
Ambrose Battista De Paoli
Núncio Apostólico para
África do Sul, Namíbia,
Suazilândia e Lesotho

19982000
Sucedido por
Blasco Francisco Collaço
Precedido por
Lajos Kada
Núncio Apostólico para
Espanha e Andorra

20002009
Sucedido por
Renzo Fratini
Precedido por
Francesco Monterisi
Secretário da
Congregação para os Bispos

20092012
Sucedido por
Lorenzo Baldisseri
Precedido por
Fortunato Baldelli
Penitenciário-mor do
Supremo Tribunal da
Penitenciária Apostólica

20122013
Sucedido por
Mauro Piacenza
Precedido por
Criação do titulus
Cardeal-diácono de
São Domingos de Gusmão

2012presente
Sucedido por
(incumbente)
Ícone de esboço Este artigo sobre Episcopado (bispos, arcebispos, cardeais) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.