Manuel de Moura Corte Real

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
«Dn. Manuel de Moura 2°. Marq. de Castel. Rodrigo». Escola espanhola do século XVII

D. Manuel de Moura Corte Real (Portugal, 1590 - Madrid, 28 de Janeiro de 1651) (de título Dom Emmanuel de Moura e Côrte-Real, marquês de Castelo Rodrigo, conde de Lumiares (en Portugal), senhor das capitanías de Angra e São Jorge, comendador mayor de la Orden de Alcántara, comendador mayor de la Ordem dos Cavaleiros de Nosso Senhor Jesus Cristo, gentilhombre de cámara del Rey y Mayordomo mayor del rey Felipe IV) foi Capitão do donatário de Angra desde 1613 até 1642 e da Praia nas mesmas datas, foi o 2º marquês de Castelo Rodrigo, o 1º conde de Lumiares e Vedor da Fazenda e Governador dos Países Baixos Espanhóis de 1644 a 1647.

Foi precedido no cargo de Capitão Donatário por Margarida Corte Real. Esta capitania foi incorporada nos bens próprios da Coroa entre 1641 e 1642, dado que Manuel de Moura Corte Real optou por permanecer no Reino de Castela após a Restauração da Independência de Portugal, tendo de seguida passado a D. Afonso de Portugal, 5.º conde de Vimioso e 1.º marquês de Aguiar.

Exerceu também o mesmo cargo de Capitão do donatário da capitania da ilha do Faial e da ilha do Pico, cargo que exerceu desde 1614 até 1642. Anteriormente esta capitania esteve nas mãos de Jerónimo de Utra Corte Real.

Em 1642 ocorreu por parte da Coroa, tal como acontecera com a capitania de Angra, o confisco da capitania que assim passa a fazer parte dos bens da coroa até 1680. Este confisco deu-se pelo facto de D. Manuel Corte Real ter optado por ficar no Reino de Castela quando se deu a Restauração da Independência em Portugal.

D. Manuel viveu em Madrid de 14 de Janeiro de 1648 até à sua morte, onde em 1649 assumiu a posição de mordomo-mor no palácio real, cargo de grande importância, pois consistia em coordenar todo o protocolo e dia-a-dia da família real.

Um retrato tradicionalmente atribuído a Velázquez mostra-o suportando o peso da idade com dignidade.

Morre em Madrid em 1651 aos 61 anos.

Relações familiares[editar | editar código-fonte]

Foi filho de D. Cristóvão de Moura (1538 -?), 1.º marquês de Castelo Rodrigo e de Margarida Corte Real (c. 1570 -?). Casou com D. Leonor de Melo (1594 -1641) de quem teve:

  1. D. Cristovão de Moura (1610 -?), 2.º conde de Lumiares casou com Henriette de Lorraine (1605-1660, princesa da Lorena.
  2. D. Cristovão de Moura (1615 -?), 3º conde de Lumiares.
  3. D. Francisco de Moura Corte-Real (c. 1610 -?), 3.º marquês de Castelo Rodrigo casou com Ana Maria de Moncada e Aragão.
  4. D. Margarida Francisca de Melo (1610 -?) casou com D. Miguel Luís de Meneses, 2.º duque de Caminha.
  5. D. Maria de Castro (1610 -?) casou com D. Miguel Luís de Meneses, 1.º duque de Caminha.
  6. Maria de Moura Corte-Real

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Arboles de Costados de las Primeras Casas de Estos Reynos, Luis de Salazar y Castro, Wilsen Editorial, 2ª Edição, 1995, Arv. 11 22.
  • História Genealógica da Casa Real Portuguesa, D. António Caetano de Sousa, Atlântida-Livraria Editora, Lda, 2ª Edição, Coimbra, 1946, Tomo X-pg. 131.
  • Nobreza de Portugal e Brasil - 3 vols, Direcção de Afonso Eduardo Martins Zuquete, Editorial Enciclopédia, 2ª Edição, Lisboa, 1989, vol. 2-pg. 705.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Margarida Corte Real
Capitão do donatário de Angra
16131642
Sucedido por
Afonso de Portugal, 1.º marquês de Aguiar
Precedido por
Francisco de Melo
Governador dos Países Baixos
16411644
Sucedido por
Leopoldo Guilhermo de Habsburgo


Ícone de esboço Este artigo sobre figuras históricas dos Açores é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.