Manuela Ferreira Leite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2014) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes fiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes fiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Manuela Ferreira Leite
Manuela Ferreira leite num congresso do PPE
Ministro(a) de Flag of Portugal.svg Portugal
Mandato XII Governo Constitucional
  • Ministra da Educação

XV Governo Constitucional

  • Ministra de Estado e das Finanças
Vida
Nascimento 3 de Dezembro de 1940 (73 anos)
Lisboa
Dados pessoais
Partido Independente ( - 1985),
Partido Social Democrata (1985- )
Profissão Economista

Maria Manuela Dias Ferreira Leite GCCGCIH (Lisboa, 3 de Dezembro de 1940) é uma economista e política portuguesa.

Família[editar | editar código-fonte]

Manuela Ferreira Leite é bisneta de José Dias Ferreira, lente de direito da Universidade de Coimbra, Maçon[1] , várias vezes Ministro dos Negócios da Fazenda, entre 1868 e 1893, e que chegou a presidente do Conselho de Ministros na última fase da Monarquia Constitucional; neta de José Eugénio Dias Ferreira, que foi lente do ISCEF (antes disso, a sua reprovação no doutoramento em Direito na Universidade de Coimbra fez espoletar a Greve Académica de 1907), filho natural de seu pai e de Eugénia Henriqueta Alves Valdez, 1.ª Condessa de Penalva de Alva, razão pela qual na sua descendência se uniram os nomes José e Eugénio, e de sua mulher Júlia ...; filha do também advogado Carlos Eugénio Dias Ferreira (Lisboa, 18 de Maio de 1908) e de sua mulher Julieta Ferreira Teixeira Carvalho; e irmã de Júlia Dias Ferreira de Almeida Flor (professora jubilada da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa), de José Eugénio Dias Ferreira (advogado, militante do PSD), e de Margarida Dias Ferreira. É prima em 5.º grau de Pedro Miguel de Santana Lopes e parente de João Brandão.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Manuela Ferreira Leite nasceu a 3 de Dezembro de 1940 em Lisboa.

Cresceu na capital portuguesa, tendo frequentado o Liceu Maria Amália Vaz de Carvalho e o Liceu D. João de Castro. Em 1963 licenciou-se em Economia[3] [4] , pelo Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras (actual ISEG), obtendo ex-aequo os prémios de Aluno Mais Distinto do Curso, Aluno Mais Classificado do Curso de Economia e de Aluno Mais Classificado na Cadeira de Política Ultramarina.[5]

No mesmo ano torna-se bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian, para estudar os aspectos económicos da educação, vindo a frequentar um curso organizado pela OCDE na Alemanha. Entre 1964 e 1973 continuará ao serviço da FCG, primeiro como investigadora do Centro de Economia e Finanças do Instituto Gulbenkian de Ciência, até 1972, depois como técnica do Serviço de Investimentos, até 1973.

Leccionou no ISCEF, como assistente das disciplinas de Finanças Públicas e Economia Pública. No mesmo instituto exerceu funções no Conselho Directivo, de 1973 a 1975, e dirigiu o departamento de Finanças Públicas, entre 1975 e 1979.

Em 1975 passou também a dirigir o Departamento de Estatística do Instituto das Participações do Estado, além de ter um lugar como vogal do Conselho Administrativo do Instituto de Tecnologia Informativa, até 1977.

Nesse ano tornou-se coordenadora do Núcleo de Finanças Públicas e Mercado de Capitais do Gabinete de Estudos do Banco de Portugal, até 1986. Fez parte da delegação portuguesa ao Comité de Política Económica da OCDE, em 1985. Assumiu o cargo de directora-geral da Contabilidade Pública, de 1986 até 1990, e ocupou o lugar de membro do Comité do Orçamento do Conselho da Europa, entre 1987 e 1992.

Integrou ainda os órgãos de várias instituições privadas, sendo membro do Conselho Consultivo do Instituto Gulbenkian de Ciência, desde 1988, e dos Conselhos Superior e de Orientação Estratégica da Universidade Católica Portuguesa, além de ter presidido ao Conselho de Administração do Instituto Francisco Sá Carneiro. Foi também presidente do Conselho de Administração do Instituto Superior de Línguas e Administração, de 1998 a 2002, e vogal (não executiva) do Conselho de Administração do Banco Santander Totta, entre 2006 e 2008.

Entrou para a política pela mão de Aníbal Cavaco Silva, seu colega na Fundação Calouste Gulbenkian. No VI Governo Constitucional, chefiado por Francisco Sá Carneiro, assumiu funções como chefe de gabinete do então Ministro das Finanças e Plano, até 1981. Seria também Cavaco Silva a nomeá-la Secretária de Estado do Orçamento do XI Governo, em 1990. Em 1991 é chamada para o XII Governo, como Secretária de Estado Adjunta e do Orçamento, até 1993, e como Ministra da Educação, até 1995.

Eleita pelo Círculo de Évora, tomou assento na Assembleia da República em 1995, reeleita por Lisboa, em 1999. Ao longo desses mandatos presidiu à Comissão Parlamentar de Economia, Finanças e Plano, de 1995 a 1999, e ao Grupo Parlamentar do PSD, entre 2001 e 2002. Em 2002 regressou ao Governo, como Ministra de Estado e das Finanças do XV Governo, tendo sido a primeira mulher portuguesa a assumir esse cargo.

Foi membro do Conselho de Estado, entre 2006 e 2008, e professora catedrática convidada do Instituto Superior de Gestão, onde foi co-responsável pelos Serões de Política Económica e pela pós-graduação em Gestão Pública, entre 2005 e 2008.

Em 2008 seria também a primeira mulher portuguesa a chefiar um partido político, quando se tornou presidente da Comissão Política Nacional do PSD, cargo que deixou em Abril de 2010.

É autora de vários artigos científicos de âmbito económico, de que salienta The Economics of Educational Costing (1968), On Returns to Education (1970), The Political Economy of Education (1972) e O Processo Orçamental e a Reforma da Administração Pública (1986). Proferiu conferências em Portugal e no estrangeiro, tendo chefiado a Delegação Portuguesa à IV Conferência Mundial da Organização das Nações Unidas, sobre a Mulher. Tem colaborado com a imprensa escrita e com a rádio, nomeadamente no caderno de Economia do Expresso, nos diários Público e Jornal de Notícias, e no programa Falar Claro, da Rádio Renascença.

Foi distinguida com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique a 6 de Março de 1998 e com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo a 10 de Junho de 2011.[6] Desde Julho de 2011 é a Chanceler do Conselho das Ordens Nacionais.[7] [8]

Referências

  1. Marques, A. H. de Oliveira. Dicionário de Maçonaria Portuguesa. Lisboa: Editorial Delta, 1986. p. 575. vol. I..
  2. "Raízes e Memórias", Associação Portuguesa de Genealogia, Lisboa, N.º 21
  3. Cf. Base de dados de 2006 dos docentes do ensino superior
  4. Notícia de 31 de Maio de 2008 da RTP.
  5. Manuela Ferreira Leite - Política de Verdade. Política de Verdade. Página visitada em 1 de Abril de 2011.
  6. Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas. Presidência da República Portuguesa. Página visitada em 2014-06-20. "Resultado da busca de "Manuela Ferreira Leite"."
  7. Maria Luiza Rolim; Agência Lusa (18-07-2011). Ferreira Leite nova chanceler do Conselho das Ordens Nacionais. Página visitada em 2014-06-20. Cópia arquivada em 20-06-2014.
  8. Decreto do Presidente da República n.º 58/2011. (pdf) pp. 4032. Diário da República, 1.ª série — N.º 138 (20 de Julho de 2011). Página visitada em 2014-05-23.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Manuela Ferreira Leite
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Manuela Ferreira Leite
Precedida por:
António Couto dos Santos
Ministra da Educação
XII Governo Constitucional
Sucedida por:
Marçal Grilo
Precedida por:
Guilherme d'Oliveira Martins
Ministra de Estado e das Finanças
XV Governo Constitucional
Sucedida por:
António Bagão Félix
Precedida por:
Luís Filipe Menezes
Presidente do PSD
2008 - 2010
Sucedida por:
Pedro Passos Coelho