Manuscrito bíblico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Manuscrito bíblico - é o termo utilizado para referir-se a qualquer cópia feita a mão de um texto bíblico. A palavra Bíblia vem do grego biblion (livro). Já a palavra manuscrito vem do latim manu (mão) e scriptum (escrito). Manuscritos bíblicos variam grandemente em tamanho, indo desde pequeníssimos rolos de pergaminho contendo versos da escrituras judaicas (ver: Tefilin) até grandes códices poliglotas contendo tanto o Antigo Testamento (ou Tanakh) quanto o Novo Testamento, assim como textos não canônicos.

O estudo de manuscritos bíblicos é de grande importância, pois cópias manuscritas de textos costumam apresentar erros. A ciência da crítica textual (ver: Crítica da Bíblia) procura reconstruir o conteúdo dos textos originais a partir destes manuscritos, produzidos em geral antes da invenção da imprensa.

Manuscritos do Antigo Testamento (Tanakh)[editar | editar código-fonte]

O Codex Aleppo (c. 920) e o Códice de Leningrado (c. 1008) são as mais antigas cópias manuscritas completas do Antigo Testamento ou Tanakh. No entanto, a descoberta dos Pergaminhos do Mar Morto em 1947 em Qumran levou a história dos manuscritos judaicos um milênio para trás destes códices. Dos cerca de 800 manuscritos encontrados em Qumran, cerca de 220 são referentes ao Antigo Testamento ou Tanakh. Cada livro do Antigo Testamento ou Tanakh está representado entre os Pergaminhos do Mar Morto com exceção do livro de Ester, embora a maior parte seja fragmentária. Notavelmente foram encontradas em Qumran dois rolos de pergaminho contendo o livro de Isaías, um completo (1QIsa) e outro contendo 75% deste(1QIsb). Esses manuscritos são geralmente datados entre 150 A.C. e 70 D.C.[1]

A precisão com que o conteúdo dos livros foi mantido sem erros durante mais de 1000 anos (como visto no exemplo anterior) foi fruto de técnicas desenvolvidas pelos antigos escribas judeus. O resultado destas técnicas é que erros significativos surgem apenas na taxa de uma consoante em cada 1500, em média.[2]

Manuscritos Existentes da Tanakh[editar | editar código-fonte]

Uma página de Deuteronômio do Codex Aleppo.
Manuscrito Exemplos Língua Data
Pergaminhos do Mar Morto Tanakh de Qumran Hebraico, Paleo hebraico e grego (Septuaginta) c. 150 a.C - 70 d.C
Septuaginta Codex Vaticanus, Sinaiticus, Alexandrinus, e outros antigos papiros Grego sec. 4 d.C
Peshitta Siríaco antigo sec. 2 d.C
Vulgata Latim antigo sec. 5 d.C
Massorético Codex Aleppo, Códice de Leningrado e outros (incompleto) mss Hebraico sec. 10 d.C
Pentateuco samaritano Alfabeto samaritano O manuscrito mais antigo existente c. sec. 11 d.C, o mais antigo manuscrito acessível aos estudiosos sec. 16 d.C
Targum Aramaico sec. 11 d.C

Manuscritos do Novo Testamento[editar | editar código-fonte]

Folha 65v do Codex Alexandrinus contém o Evangelho de Lucas com decoração tailpiece.

O Novo Testamento foi melhor preservado em manuscritos do que qualquer outro livro antigo, possuindo mais de 5400 manuscritos gregos completos ou fragmentos de manuscritos, 10000 manuscritos em latim e 9300 manuscritos em diversos outros idiomas antigos incluindo siríaco, eslavo, gótico, copta e armênio. Alguns desses manuscritos foram escritos menos de cem anos após os originais. Para efeito de comparação, há somente sete cópias manuscritas dos escritos de Platão, escritas aproximadamente 1200 anos após os originais.[3]

Listas de manuscritos conhecidos[editar | editar código-fonte]

Distribuição dos manuscritos por século[4]

Manuscritos do Novo Testamento Lecionários
Século Papiro Unciais Minusculos Unciais Minusculos
2 2 - - - -
c. 200 4 - - - -
2 / 3 1 1 - - -
3 28 2 - - -
3 / 4 8 2 - - -
4 14 14 - 1 -
4 / 5 8 8 - - -
5 2 36 - 1 -
5 / 6 4 10 - - -
6 7 51 - 3 -
6 / 7 5 5 - 1 -
7 8 28 - 4 -
7 / 8 3 4 - - -
8 2 29 - 22 -
8 / 9 - 4 - 5 -
9 - 53 13 113 5
9 / 10 - 1 4 - 1
10 - 17 124 108 38
10 / 11 - 3 8 3 4
11 - 1 429 15 227
11 / 12 - - 33 - 13
12 - - 555 6 486
12 / 13 - - 26 - 17
13 - - 547 4 394
13 / 14 - - 28 - 17
14 - - 511 - 308
14 / 15 - - 8 - 2
15 - - 241 - 171
15 / 16 - - 4 - 2
16 - - 136 - 194

Manuscritos mais antigos[editar | editar código-fonte]

Manuscritos mais antigos dos livros do Novo Testamento:

Livro

Manuscrito mais antigo

Data

Condição

Evangelho de Mateus

P64, P67, P104

c. 200

Fragmentos

Evangelho de Marcos

P45

c. 250

Fragmentos Grandes

Evangelho de Lucas

P4, P75

c. 200

Fragmento

Evangelho de João

P52

c. 125-160

Fragmento

Atos dos Apóstolos

P38

3°/4° sec.

Fragmento

Epístola aos Romanos

P46

c. 175-225

Fragmentos

Primeira Epístola aos Coríntios

P46

c. 175-225

Fragmentos

Segunda Epístola aos Coríntios

P46

c. 175-225

Fragmentos

Gálatas

P46

c. 175-225

Fragmentos

Efésios

P46

c. 175-225

Fragmentos

Filipenses

P46

c. 175-225

Fragmentos

Colossenses

P46

c. 175-225

Fragmentos

Primeira Epístola aos Tessalonicenses

P46

c. 175-225

Fragmentos

Segunda Epístola aos Tessalonicenses

P92

3°/4° sec.

Fragmento

Primeira Epístola a Timóteo

א

c. 350

Completo

Segunda Epístola a Timóteo

א

c. 350

Completo

Epístola a Tito

P32

c. 200

Fragmento

Epístola a Filémon

P87

3º sec.

Fragmento

Epístola aos Hebreus

P46

c. 175-225

Fragmentos

Epístola de Tiago

P23, P20

3º sec.

Fragmento

Primeira Epístola de Pedro

P72

3º/4º sec.

Fragmentos

Segunda Epístola de Pedro

P72

3º/4º sec.

Fragmentos

Primeira Epístola de João

P9

3º sec.

Fragmento

Segunda Epístola de João

0232

3º/4º sec.

Fragmento

Terceira Epístola de João

א

c. 350

Completo

Epístola de Judas

P72

3º/4º sec.

Fragmentos

Apocalipse

P98, P115

c. 275

Fragmento

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. F. F. Bruce. "The Last Thirty Years". Story of the Bible. ed. Frederic G. Kenyon Retrieved June 19, 2007
  2. Wilson 1929, p.40ff.
  3. Norman Geisler. Christian Apologetics, 1976, p. 307; Richard M. Fales. "Archaeology and History attest to the Reliability of the Bible,", in The Evidence Bible, Compiled by Ray Comfort, Bridge-Logos Publishers, Gainesville, FL, 2001, p. 163; Josh Mcdowell. A Ready Defense. 1993, p. 45.
  4. Aland, p 81

Ligações externas[editar | editar código-fonte]