Marília

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Marília
"Capital Nacional do Alimento"
"Capital da Alta Paulista"
Vistadocentro marilia.jpeg

Bandeira de Marília
Brasão de Marília
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 4 de abril
Fundação 1929 (85 anos)
Gentílico mariliense
Prefeito(a) Vinícius Almeida Camarinha (PSB)
(2013–2016)
Localização
Localização de Marília
Localização de Marília em São Paulo
Marília está localizado em: Brasil
Marília
Localização de Marília no Brasil
22° 12' 50" S 49° 56' 45" O22° 12' 50" S 49° 56' 45" O
Unidade federativa  São Paulo
Mesorregião Marília IBGE/2008[1]
Microrregião Marília IBGE/2008[1]
Municípios limítrofes Norte: Getulina, Guaimbê, Júlio Mesquita;
Leste: Álvaro de Carvalho, Vera Cruz, Ocauçu;
Sul: Campos Novos Paulista;
Oeste: Pompéia, Oriente e Echaporã
Distância até a capital 443 km[2]
Características geográficas
Área 1 170,054 km² [3]
População 228 618 hab. (SP: 32º) –  IBGE/2013[4]
Densidade 195,39 hab./km²
Altitude 675 m
Clima tropical de altitude Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,798 alto PNUD/2010[5]
PIB R$ 4 339 879 mil IBGE/2011[6]
PIB per capita R$ 19 886,81 IBGE/2011[6]
Página oficial

Marília é um município do estado de São Paulo, no Brasil. Situa-se na região Centro-Oeste Paulista. Fica distante da capital do estado 443 quilômetros por rodovia; 529 quilômetros por ferrovia e 376 quilômetros em linha reta. Localiza-se a uma latitude de -22° 12' 50" sul e a uma longitude de -49º 56' 45" oeste, estando a uma altitude de 675 metros. Possui uma área de 1 170,054 quilômetros quadrados, dos quais 23,040 estão em zona urbana.

O município de Marília é composto dos distritos de Amadeu Amaral, Avencas, Dirceu, Lácio, Padre Nóbrega e Rosália, além do distrito sede.

História[editar | editar código-fonte]

Há cerca de 70 milhões de anos, a região onde hoje fica Marília e o oeste paulista foi habitada por dinossauros e outros animais pré-históricos. Esses animais tiveram seus restos ósseos petrificados em sedimentos arenosos de primitivos rios e lagos. Com as transformações geológicas ocorridas ao longo do tempo, esses ambientes primitivos se modificaram, e os sedimentos se transformaram em rochas, conhecidas principalmente como arenitos, e os ossos se tornaram fósseis. Essas rochas são as mesmas que hoje constituem as serras e escarpas que rodeiam a cidade, como os paredões de arenito do vale do Barbosa na Via Expressa, a Serra de Avencas, o vale do Pombo, a Serra de Dirceu adiante do aeroporto, e muitos outros.

Um crocodilo primitivo da era dos dinossauros recebeu, inclusive, o nome da cidade, sendo batizado em 1997 como Mariliasuchus amarali. Seus restos fossilizados têm permitido uma melhor compreensão acerca dos ecossistemas do passado. A cidade ganhou projeção recentemente com a escavação de um esqueleto semiarticulado de um grande dinossauro herbívoro que viveu na região entre 65 e 70 milhões de anos atrás e que ficou conhecido como o "Dino Titã de Marília"[7] .

Todos esses fósseis são hoje objeto de estudo em parceria com instituições científicas, e parte deles se encontra exposta no Museu de Paleontologia da cidade, que hoje é também referência nacional na área de paleontologia. Até o início do século XX, o município era habitado pelos índios coroados. A partir de então, a região começou a ser ocupada por fazendas de café[8] . Em 1923, Antônio Pereira da Silva e seu filho José Pereira da Silva desbravaram terras próximas aos rios Feio e Peixe e deram, à região, o nome de "Alto Cafezal".

Um deputado da época, Bento de Abreu Sampaio Vidal, originário de São Carlos e Araraquara, em 1926, procedeu ao loteamento de seu patrimônio. O coronel José Brás (José da Silva Nogueira), originário de Itapetininga, em 1927 chegou a Marília. Os Nogueira tinham cerca de 40 por cento das terras da fazenda Bomfim. Suas faixas de terras foram loteadas e principiou o processo civilizatório de Marília, antigamente espigão do Alto Cafezal. Hoje, onde temos a Rua Coronel Galdino de Almeida, Avenida Rio Branco e Coronel José Brás (José da Silva Nogueira) passando pela vila Barbosa até as universidades (Univem, Unesp e Unimar) eram terras desbravadas pelos Nogueira e Almeida. Descendentes dos antigos Nogueira ainda continuam residindo em Marília.

A Companhia Paulista de Estradas de Ferro vinha avançando seus trilhos de Piratininga até chegar a Lácio; e de acordo com o esquema dessa companhia, as estradas que iam sendo inauguradas no ramal, eram denominadas por ordem alfabética; sendo que o próximo ramal deveria ter seu nome começado pela letra "M". Foram propostos vários nomes, como "Marathona", "Mogúncio" e "Macau", mas Bento de Abreu não ficou satisfeito com nenhum desses; em uma de sua viagens de navio à Europa, leu o livro de Tomás Antônio Gonzaga, "Marília de Dirceu", de onde tirou o nome de Marília.

A cidade de Marília, com essa denominação, foi criada pela Lei Estadual 2 161, em 22 de dezembro de 1926, ainda como um distrito de Cafelândia. Em 1928, foi elevada à categoria de município pela Lei Estadual 2 320, de 24 de dezembro de 1928. Sendo que sua instalação oficial deu-se a 4 de abril de 1929, data em que é comemorado seu aniversário.

Estátua de Bento de Abreu Sampaio Vidal, um dos fundadores de Marília

No início do século XX, a economia de Marília era baseada no cultivo de café, que, com o tempo, foi sendo substituído pelo algodão. Graças ao algodão, em 1934 e 1935 foram instaladas as duas primeiras indústrias no município (duas fábricas de óleo). Com a expansão da industrialização ao interior paulista, houve um aumento da malha ferroviária e rodoviária, com isso Marília ligou-se a várias regiões do estado de São Paulo e ao norte do Paraná.

Na década de 1940, o município se firmou como polo de desenvolvimento do Oeste Paulista, quando se verificou um grande crescimento urbano e populacional. Na década de 1970, houve um novo ciclo industrial no município com a instalação de novas indústrias, principalmente na área alimentícia e metalúrgica. Com a posterior instalação de vários cursos universitários, Marília pôde atrair vários jovens à região, o que ajudou no desenvolvimento do comércio do município.

Hoje, Marília conta com aproximadamente 50 indústrias na área alimentícia sendo conhecida como "Capital Nacional do Alimento". Em 22 de março de 2005, o prefeito Mário Bulgarelli sancionou a lei 6 230[9] , que instituiu que a bandeira municipal teria de ser terciada em vertical com partes idênticas: duas laterais em azul (não mais em vermelho), com a tira central na cor branca, onde seria aplicado o brasão de armas do município no seu exato meio. A antiga bandeira era de 1978. A bandeira vermelha (cor original) simbolizava o café, sempre presente na história do município; já a cor azul tem origem incerta (especuladores dizem ter mudado a cor de vermelho para azul para parecer com a bandeira do Marília Atlético Clube. Outros dizem que o azul é a cor do logotipo da administração do ex-prefeito Abelardo Camarinha. [carece de fontes?]

Em 2010, por imposição da justiça, a bandeira da cidade retornou à sua aparência original. Saiu o azul das faixas laterais para o retorno do vermelho.[10]

Geografia[editar | editar código-fonte]

O Centro de Marília está localizado na parte mais alta da cidade, no topo da Serra dos Agudos

O município de Marília está em toda sua extensão situado sobre o ramo ocidental da serra dos Agudos que o atravessa de leste a oeste. Os contrafortes dessa serra terminam geralmente em paredões de grés revestidos de vegetação. Dentro do município, a serra recebe algumas denominações especiais: Serra de Avencas, Serra de Cincinatina (onde fica o Morro Redondo), Serra do Tiveron, Serra do Scomparim, Serra do Macuco e Serra de Casa Grande.

Meio Ambiente[editar | editar código-fonte]

Marília tem um Horto Florestal de 554 hectares; um Bosque Municipal de 17,36 hectares; uma área reservada ao reflorestamento de 2 000 hectares e uma área de 7 400 hectares de vegetação natural.

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima do município é tropical de altitude com as seguintes características:

Mês Mínima (°C) Máxima (°C) Média (°C) Chuva (mm)
Jan. 19,0 31,0 25,0 233,3
Fev. 19,0 31,0 25,0 218,2
Mar. 19,0 31,0 25,0 136,8
Abr. 18,0 30,0 24,0 77,2
Mai. 15,0 27,0 21,0 77,8
Jun. 14,0 26,0 20,0 57,5
Jul. 14,0 27,0 21,0 36,5
Ago. 16,0 29,0 23,0 30,9
Set. 17,0 29,0 23,0 74,7
Out. 18,0 31,0 25,0 135,7
Nov. 19,0 31,0 25,0 131,8
Dez. 19,0 31,0 25,0 217,8
Ano 17,3 29,5 23,5 1 428,2
Mín. 14,0 26,0 20,0 30,9
Máx. 19,0 31,0 25,0 233,3

Fonte: CEPAGRI - Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Demografia[editar | editar código-fonte]

A população do município de Marília, de acordo com o último censo realizado pelo IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, divulgado em 1º de dezembro de 2010, apresenta os seguintes dados:

  • População total do município: 216 745 habitantes. Sendo,
    • População feminina: 112 019 habitantes - 51,68%
    • População masculina: 104 726 habitantes - 48,32%
  • Zona urbana: 207 737 habitantes - 95,84%
  • Zona rural: 8 947 habitantes - 4,16%
  • IDH-R Renda: 0,885
  • IDH-L Longevidade: 0,822
  • IDH-E Educação: 0,962

Fonte: IPEADATA

  • Distritos de Marília - População
    • Amadeu Amaral: 147 habitantes;
    • Avencas: 635 habitantes;
    • Dirceu: 122 habitantes;
    • Lácio: 959 habitantes;
    • Padre Nóbrega: 4 004 habitantes;
    • Rosália: 2 200 habitantes.

Política e administração[editar | editar código-fonte]

Poder executivo[editar | editar código-fonte]

Prefeitura e a Câmara Municipal de Marília

O poder executivo do município de Marília é representado pelo prefeito e seu gabinete de secretários, seguindo o modelo proposto pela Constituição Federal. Atualmente, o prefeito municipal é Vinícius Camarinha - Partido Socialista Brasileiro, que foi eleito prefeito para a gestão 2013/2016, ao lado do vice-prefeito Sérgio Lopes Sobrinho - Partido Social Cristão, com 61 767 votos ou 51,78 por cento dos votos válidos.

Poder legislativo[editar | editar código-fonte]

O poder legislativo é representado pela Câmara Municipal, composta por 13 vereadores. Cabe à Câmara elaborar e votar leis fundamentais à administração e ao executivo, especialmente o orçamento municipal (conhecido como Lei de Diretrizes Orçamentárias). Devido ao poder de veto do prefeito, em períodos de conflito entre o executivo e o legislativo, o processo de votação deste tipo de lei costuma gerar bastante polêmica. Abaixo, seguem os nomes dos 13 vereadores atualmente com o mandato de 2013/2016:
Luiz Eduardo Nardi - PR (Presidente da Câmara - 2013/2014)
Cícero Carlos da Silva - PT
João Paulo Salles - PSD
José Bassiga da Cruz - PHS
José Expedito Carolino - PDT
José Ferreira de Menezes Filho - PSL
Marcos José Custódio - PSC
Mário Coraíni Júnior - PTB
Samuel Ferreira de Menezes - PR
Sílvio Sadao Harada - PR
Sônia Maria Ribeiro Tonin - PSC
Wilson Alves Damasceno - PSDB
Yoshio Sérgio Takaoka - PSB

Imigração[editar | editar código-fonte]

Japonesa[editar | editar código-fonte]

Japan Fest - festival de culturas orientais organizado pela comunidade japonesa, que ocorre todo ano, no mês de abril
Maquete no Japan Fest

Marília possui, junto com Londrina, uma das maiores concentrações de nipodescendentes do interior do Brasil.

Em Marília, a comunidade nipônica criou o Nikkey Clube, clube em que se conserva as tradições japonesas. O time do Nikkey Clube de beisebol é um dos mais conhecidos no interior nessa categoria.

Anualmente, sempre no mês de abril, a comunidade realiza o Japan Fest, festival com diversas atrações destinadas ao público oriental entre elas a apresentação de grupos tradicionais japonesas, exposição de artesanato, concurso de beleza (Miss Nikey), além disso ficam a disposição do público diversos estandes onde se pode degustar da culinária nipônica ou até inscrever-se em uma das agência de empregos no Japão.

Italiana[editar | editar código-fonte]

Os italianos também fazem parte da cultura mariliense. Como a comunidade japonesa, a comunidade italiana realiza anualmente uma festa típica, trata-se da "Festa de Santo Antônio" realizada na avenida e comunidade de mesmo nome, e também a "Festa italiana" com comidas e danças típicas.

Educação[editar | editar código-fonte]

Secretaria da Educação[editar | editar código-fonte]

Responsável: Fabiana Rodrigues Cruvinel

O município conta com uma privilegiada estrutura de ensino, possuindo sistemas de educação desde a básica até a superior e de pós-graduação. A Rede Municipal de Educação conta hoje com 50 unidades, sendo 5 berçários, 26 Emeis (Escolas Municipal de Educação Infantil) e Emeis-Creche; 3 Emefeis (Escolas Municipais de Ensino Fundamental e Educação Infantil) 16 Emefs (Escolas Municipais de Ensino Fundamental), atendendo a um público de aproximadamente 21 mil alunos. Além disso, o município dispõe do CAP (Centro de Apoio Psicopedagógico), para atender estudantes com dificuldades de aprendizagem. O sistema escolar instalado conta ainda com 46 escolas estaduais; 16 escolas particulares.

O município é um centro regional de ensino superior pois conta com 2 faculdades; 1 fundação de ensino e 3 universidades (duas públicas e uma particular). São mais de 40 cursos superiores instalados no município - com excelência na área de Medicina - Famema (Faculdade de Medicina de Marília) e Unimar (Universidade de Marília).

Marília conta também com várias redes de escolas de línguas, matemática, polos de curso à distância e cursos profissionalizantes, como o Ceprom (Centro Profissionalizante de Marília), Fatec Marília (Faculdade de Tecnologia), Etec Antonio Devisate (Escola Técnica Estadual - Centro Paula Souza), Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), Senac (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial), Sesi (Serviço Social da Indústria) entre outros.

Assim, as instituições de ensino de Marília atraem todos os anos milhares de estudantes de diversas partes do país.

Ensino Superior[editar | editar código-fonte]

Universidades e Faculdades Públicas[editar | editar código-fonte]

Universidades e Faculdades Particulares[editar | editar código-fonte]

Ensino à Distância[editar | editar código-fonte]

  • UNOPAR - Universidade Norte de Paraná
  • Anhanguera Educacional

Saúde[editar | editar código-fonte]

Secretaria da Saúde[editar | editar código-fonte]

Responsável: Dr. Luiz Takano

O município é referência estadual em saúde. Marília possui 5 hospitais, outro em fase de abertura e 1 maternidade. A cidade é servida por inúmeras clínicas, empresas de diagnósticos e lojas de produtos hospitalares. A Rede Municipal de Saúde é exemplar. Conta com 29 USFs (Unidades de Saúde da Família), 12 UBSs (Unidades Básicas de Saúde), 1 policlínica e 2 PAs (prontoatendimento). O município conta ainda com serviços diferenciados como o Caps (Centro de Atenção Psicossocial), tratamento de obesidade infantil pelo Caoim (Centro de Atendimento à Obesidade Infantil de Marília), 1 Clínica de Fisioterapia, que funciona na antiga estação ferroviária, 1 CEO (Centro de Especialidades Odontológicas), 1 Clínica de Fonoaudiologia, além do atendimento do Programa Municipal de Ações Antitabágicas, que colabora na recuperação de pessoas viciadas em tabaco.

Economia[editar | editar código-fonte]

Secretaria da Fazenda[editar | editar código-fonte]

Responsável: Sérgio Moretti

Marília tem uma economia pujante. Indústria, comércio e prestação de serviços são destaques no município, com empresas que distribuem seus produtos para o mercado nacional e internacional. Conhecida como Capital Nacional do Alimento, o parque industrial mariliense conta com cerca de 1 100 empresas do setor alimentício, metalúrgico, construção, têxtil, gráfico e plástico, entre outras. Nestlé, Marilan, Dori e Sasazaki são algumas das empresas que destacam o município. No setor comercial, Marília dispõe de mix de lojas dos mais variados segmentos. O município possui dois shoppings centers, galeria, além de um centro comercial com calçadão híbrido, atraindo consumidores de toda a região, num raio de até 100 quilômetros. O setor agropecuário também tem participação no município. Café, amendoim, melancia, borracha, coco, laranja, manga, maracujá, cana-de-açúcar, mandioca, milho, são culturas produzidas na zona rural. Suinocultura, bovinocultura (corte e leite) e avicultura (corte e produção de ovos) também tem seu espaço na economia mariliense.

Centros Comerciais[editar | editar código-fonte]

  • Marília Shopping: inaugurado em dezembro de 2000, o Marília Shopping - Jardim Aquarius transformou-se no maior centro comercial de Marília e Região, abrangendo um raio de 120 km e uma população de mais de 1 200 000 pessoas. Com acesso fácil pela Rodovia do Contorno que corta a cidade e liga os municípios da região, conta com moderna infraestrutura instalada em uma área de 60 mil m².

Oferece estacionamento rotativo com 5 600 vagas por dia, praça de alimentação diversificada, ampla área de entretenimento com boliche e diversões eletrônicas para crianças, cinco salas de cinema, livraria, brinquedoteca, fraldário, praça de eventos e mais de 170 lojas das mais conceituadas grifes. O Empreendimento também conta com uma brigada de incêndio e seguranças 24 horas por dia permanentes no Shopping, garantindo assim que seus visitantes possam desfrutar de momentos de muita descontração com total tranquilidade e conforto.

  • Esmeralda Shopping: localizado na avenida das Esmeraldas, o corredor comercial mais valorizado e concorrido de Marília, o Esmeralda Shopping se consolidou como o mais moderno, seguro e confortável centro de compras de Marília e região.

Possui 3 pisos com cinema, escadas rolantes, praça de alimentação, num ambiente climatizado para maior conforto e comodidade. Oferece um diversificado mix de lojas e serviços com amplo estacionamento, monitorado por profissionais especialmente treinados.

  • Galeria Atenas: A Galeria Atenas foi inaugurada no dia 27 de Novembro de 1991, sua construção surgiu da remodelação do antigo prédio da loja Mesbla, constituindo o 1º conglomerado de lojas em Marília, causando mudança de conceito comercial varejista na região. Desde a sua inauguração, a Galeria Atenas tornou-se um ponto de referência no comércio de Marília e Região, sendo ele um dos mais antigos da cidade, localização privilegiada e de fácil acesso. Suas lojas detêm franquias e grifes das mais renomadas no cenário nacional. Hoje, a Galeria Atenas conta com uma ampla estrutura, contando com mais de 50 lojas, com um mix variado: desde roupas masculinas, femininas, calçados, perfumaria, óticas, produtos eletrônicos, café, restaurante, presentes em geral, produtos para decorações, sorveteria e muito mais. Isso ainda sem contar o grande estacionamento contando com mais de 100 vagas para clientes. Conta também com um esquema de segurança que dá uma maior confiabilidade para os frequentadores.

Esporte[editar | editar código-fonte]

Secretaria de Esportes e Lazer[editar | editar código-fonte]

Responsável: Gastão Lúcio Rodrigues Pinheiro Júnior

Futebol[editar | editar código-fonte]

O futebol de Marília está intimamente ligado à história de duas equipes que durante boa parte das décadas de 1950 e 1960 disputaram a atenção dos torcedores e o privilégio de representar a cidade nos campeonatos da Federação Paulista de Futebol.

A primeira e mais antiga delas era o São Bento, que esteve presente no primeiro Campeonato Paulista da Segunda Divisão (equivalente à atual Série A2) em 1947 – ano da criação da lei do acesso. A outra é o atual Marília, que nasceu como Esporte Clube Comercial, em 1942.

Com o nome de Comercial, o Marília disputou apenas competições amadoras, atraindo poucos torcedores. O nome não era muito simpático à população, que o achava elitista. Então em julho de 1947, em uma assembleia, o nome de Comercial foi mudado para MAC – Marília Atlético Clube, hoje time que representa a cidade em torneios estadual e federal de futebol.

Em 12 de abril, foi fundado o Esporte Clube Comercial, que não teve o sucesso esperado pelos torcedores.

Atualmente a equipe se prepara para a disputa da Série A1 do Campeonato Paulista e Série D do Brasileiro.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Aéreo[editar | editar código-fonte]

O Aeroporto de Marília (Aeroporto Estadual Frank Miloye Milenkovich) localiza-se a 3 km do centro da cidade.

Inaugurado em 1938, o aeroporto fez grande história na aviação brasileira. Principalmente por se tratar do berço da companhia aérea TAM Linhas Aéreas. O atual aeroporto possui uma pista asfaltada, com comprimento de 1.700 m e 35 m de largura, comportando pequenas aeronaves.

Empresas de voos regulares: Azul Linhas Aéreas Brasileiras operando 24 horas por dia com vôos para São Paulo, Bauru e Presidente Prudente.

Segundo dados fornecidos pela ANAC, a rota Marília-São Paulo é a 8ª mais rentável do país.[carece de fontes?]

Rodoviário[editar | editar código-fonte]

O Terminal Rodoviário Interestadual de Marília "Comendador José Brambilla" está localizado às margens da Rodovia SP-294, na Avenida Carlos Artêncio, 1001 e foi inaugurado em 2003, com projeto diferenciado e moderno, com áreas temáticas, mirante, lojas e posto de informação turística.

A Rodoviária conta com empresas com linhas regulares para todas as regiões do país e também que atendem as linhas interurbanas entre os municípios vizinhos.

A primeira Estação Rodoviária de Marília foi inaugurada em 1938, quando a cidade tinha apenas nove anos de emancipação, sendo a primeira rodoviária do Brasil. Na época, a cidade concentrava grande parte do transporte rodoviário do Estado. Hoje, Marília é polo econômico de grandes industrias alimentícias e também polo estudantil e recebe muitas pessoas vindas de todo país e que passam em sua maioria pela rodoviária.

O terminal rodoviário de Marília dispõe ainda de vários serviços onde você pode obter informações de horários e destinos, dispõe do serviço de táxi (24 horas), de achados e perdidos e caixas eletrônicos.

O município é servido por duas rodovias estaduais: a Comandante João Ribeiro de Barros (SP-294) e a Dona Leonor Mendes de Barros (SP-333); e por uma federal: a Transbrasiliana (BR-153).

Urbano[editar | editar código-fonte]

Transporte Público: Marília conta com transporte urbano servido pelas Empresas Grande Marília e Viação Sorriso, que operam por linhas regulares levando os usuários aos quatro cantos da cidade.

A frota de automóveis no município de Marília é de aproximadamente 130.729 mil veículos (Denatran-2012).

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Força Expedicionária Brasileira[editar | editar código-fonte]

27 marilienses se juntaram à Força Expedicionária Brasileira durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Partiram em 2 de julho de 1944, regressando todos em 16 de julho de 1945. Os marilienses mostraram bravura, mas um deles se destacou: o cabo Marcílio Luís Pinto, que recebeu a medalha Silver Star por ato de bravura, concedida pelo Exército Americano através do general Mark Clark. Os demais foram agraciados com medalha da Cruz de Combate de Segunda Classe.

Primeiro arranha-céus[editar | editar código-fonte]

O primeiro arranha-céus construído em nossa cidade foi o Edifício Ouro Verde, em 1951. Ele foi totalmente comercializado em um único dia.

TAM[editar | editar código-fonte]

A TAM Linhas Aéreas S.A., maior empresa aérea do país, foi fundada em Marília. Ela surgiu como TAM (Táxi Aéreo de Marília) em 1961, a partir da união de dez jovens pilotos de monomotores. Na época, eles faziam o transporte de cargas e de passageiros entre o Paraná e os estados de São Paulo e Mato Grosso.

Bradesco[editar | editar código-fonte]

O Bradesco, segundo maior banco do país, foi fundado em 1943 em Marília com o nome de Banco Brasileiro de Descontos. O primeiro caixa eletrônico do Brasil foi instalado em Marília pelo Bradesco.

Marilan[editar | editar código-fonte]

A Marilan, quarta maior empresa do ramo alimentício no Brasil, foi fundada em Marília.

Primeira fotografia em 360 graus[editar | editar código-fonte]

A primeira fotografia em 360 graus foi tirada em Marília, com a câmera inventada pelo fotógrafo ribeirão-pretano radicado na cidade e agraciado com título de cidadão mariliense, Sebastião Leme.

Livro dos Recordes[editar | editar código-fonte]

Marília está inserida no Guinness Book – o Livro dos Recordes. O feito foi conquistado em abril de 1992, por Encarnação Olivas e Garcia Pacheco, a Vó Nena, que, aos 81 anos, se tornou a pessoa mais velha a saltar de paraquedas no mundo.

Olimpíadas[editar | editar código-fonte]

O atleta mariliense Tetsuo Okamoto tornou-se o primeiro medalhista brasileiro de natação, ao conquistar a medalha de bronze participando da prova dos 1.500 metros - estilo livre, das XV Olimpíadas - Jogos Olímpicos de Helsinque (Finlândia), em 1952

Tetsuo faleceu em 02 de outubro de 2007.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista. Visitado em 26 de janeiro de 2011.
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 de dezembro de 2010.
  4. CENSO 2010 - SÃO PAULO Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Visitado em 1 de abril de 2014.
  5. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 03 de agosto de 2013.
  6. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2011 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 1 de abril de 2014.
  7. Correio Mariliense. Disponível em http://www.correiomariliense.com.br/materia.php?materia=34386. Acesso em 17 de maio de 2013.
  8. Ache tudo & região. Disponível em http://www.achetudoeregiao.com.br/sp/Marilia/historia.htm. Acesso em 17 de maio de 2013.
  9. Lei nº 6230.
  10. Bandeira de Marília deve voltar à cor original.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Marília
Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Jornal e duas emissoras de rádio sofrem atentado no Brasil