Mar dos Sargaços

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2012)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Uma imagem da distribuição e tamanho das larvas de enguia mostra a localização aproximada do Mar dos Sargaços.

O Mar de Sargaços (ou Mar dos Sargaços) é uma região alongada no meio do Atlântico Norte, cercado por correntes oceânicas. A oeste, é limitado pela Corrente do Golfo; ao norte, é circundado pela Corrente do Atlântico Norte; pelo leste, é limitado pela Corrente das Canárias; e ao sul é circundado pela Corrente Equatorial do Atlântico Norte. Grosso modo, ele possui cerca de 1100 km de largura e 3200 km de comprimento e se estende de cerca de 70 º oeste a 40º oeste, e de 25º norte a 35º norte, entre a América do Norte e a Europa. As Bermudas estão localizadas próximo da orla ocidental do mar.

Características[editar | editar código-fonte]

O Mar de Sargaços possui águas quentes (atingindo mais de 28°C), elevados índices de salinidade (mais de 37 milésimos),e é freqüentemente considerado como sendo sem vida, embora seja o habitat de várias algas do gênero Sargassum, crustáceos e peixes, como o peixe-voador (Exocoetus volitans). Estas plantas flutuam em massa em sua superfície, constituindo-se como ilhas ou campos de vegetação marinha. O Mar de Sargaços também desempenha um importante papel na migração das enguias, tanto europeias quanto norte-americanas; as larvas de ambas as espécies eclodem lá e seguem para a costa da Europa ou a costa leste da América do Norte. Posteriormente, já adultas, retornam ao Mar de Sargaços para se reproduzir.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Os marujos portugueses estiveram dentre os primeiros a descobrir a região no século XV. Cristóvão Colombo e seus homens também depararam com o Mar de Sargaços e fizeram relatos sobre as grandes quantidades de algas em sua superfície, quando cruzaram o Atlântico rumo à América em 1492. O almirante cartaginês Himilco já havia feito descrições similares após cruzar as Colunas de Hércules: "muitas algas crescem em meio às ondas, as quais retardam o navio como se fossem arbustos (...) Aqui, as bestas marinhas movem-se vagarosamente de um lado para o outro, e grandes monstros nadam languidamente entre os navios que se arrastam" (Avieno).

Devido à sua proximidade com as Bermudas (e, conseqüentemente, com o Triângulo das Bermudas), ao mar são creditados alguns dos estranhos desaparecimentos ali ocorridos; além disso, o estigma é reforçado pela às vezes total ausência de vento em sua superfície e a possibilidade de que embarcações modernas se enredem nos sargaços, resultando em mais embarcações encalhadas. Por estas razões, ele é por vezes citado como um cemitério de navios.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Mar de Sargaços em "Enciclopédia Barsa" (vol. 12, p. 360). Rio de Janeiro: Encyclopaedia Britannica Editores Lda. 1964.