Maraca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Maraca
Um par de maracas
Informações
Classificação Hornbostel-Sachs

A maraca, maracá, bapo, maracaxá ou xuatê[1] é um idiofone de agitamento, constituído por uma bola, que pode ser de cartão, plástico ou cabaça, contendo sementes secas, grãos, arroz ou areia grossa, e uma pega. Dependendo dos materiais usados, podem produzir sons como o de lixar ou o de arranhar, quando tocadas. Normalmente, são tocadas aos pares - com uma maraca em cada mão- agitando-se-as, embora também possam ser tocadas rodando-se-as lentamente.

Este instrumento é típico das danças latino-americanas. É conhecido por outros nomes nos países da América Latina: asson ou tcha-tcha no Haiti, alfandoque, carangano ou geraza na Colômbia, nasisi no Panamá e sonajas no México, bapo ou carcaxa no Brasil, chinchin na Guatemala, dadoo na Venezuela, huada no Chile e maruga em Cuba.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

"Maraca" e "maracá" são oriundos do tupi mbara'ká[1] .

Uso religioso pelos índios brasileiros[editar | editar código-fonte]

O cronista alemão Hans Staden descreveu, em sua obra História verdadeira..., que os índios tupis que habitavam a maior parte do litoral brasileiro no século 16 veneravam os seus maracás como deuses. Cada índio possuía seu maracá particular, que era guardado em um aposento próprio, após o maracá ter sido consagrado pelo pajé. Ao seu maracá particular, os índios dirigiam suas preces e pedidos.[2]

Referências

  1. a b Buarque de Holanda Ferreira, Aurélio. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Segunda edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. p. 1 087
  2. STADEN, H. Duas viagens ao Brasil: primeiros registros sobre o Brasil. Tradução de Angel Bojadsen. Porto Alegre/RS. L&PM. 2010. p. 153-155.