Maracugina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A Maracugina é um medicamento de ação sedativa, para tratamento dos estados de excitação nervosa, composto de princípios ativos vegetais, clássicos na Farmacopéia Brasileira como a Passiflora Alata, reconhecidamente neurossedativos.

Sua administração deve ser feita por via oral e suas apresentações são: Líquida ou em comprimidos revestidos.

A Maracugina é um medicamento de ação sedativa, para uso oral, composto de princípios ativos vegetais, reconhecidamente neurossedativos. O uso prolongado de preparações destinadas ao tratamento da excitabilidade aumentada do sistema nervoso vegetativo, encontra na maioria das vezes sérios obstáculos apresentados pelos próprios medicamentos que compõem as várias fórmulas existentes no comércio, tais como barbitúricos, derivados halogenados, etc. Esses obstáculos são representados principalmente pelo hábito a essas drogas e pela depressão orgânica por elas provocada. Maracugina, sendo isenta de tais substâncias, apresenta vantagem de não criar o hábito nem provocar depressão, mesmo após uso prolongado.

A produção e comercialização em larga escala de Maracujina iniciou-se através da extinta DM Farmacêutica, que popularizou o produto no Brasil com comerciais que utilizavam o bordão "Vai menino varrer o quintal, menino vai varrer a frente!"

Maracugina teve sua primeira alteração de embalagem quando a DM Farmacêutica foi adquirida pela Hypermarcas, que ficou com a tarefa de reerguer a marca que um dia já foi o sinônimo de calmante.