Marataízes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Marataízes
"Pérola Capixaba"
"Marata"
"Capital Nacional do Abacaxi Pérola"
"Mtz"
Bandeira de Marataízes
Brasão de Marataízes
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 16 de outubro
Fundação 14 de janeiro de 1992
Gentílico marataizense
Prefeito(a) Robertino Batista da Silva (em exercício) (PT)
(2013–2016)
Localização
Localização de Marataízes
Localização de Marataízes no Espírito Santo
Marataízes está localizado em: Brasil
Marataízes
Localização de Marataízes no Brasil
21° 02' 34" S 40° 49' 26" O21° 02' 34" S 40° 49' 26" O
Unidade federativa  Espírito Santo
Mesorregião Sul Espírito-santense IBGE/2008 [1]
Microrregião Itapemirim IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Itapemirim e Presidente Kennedy
Distância até a capital 127 km
Características geográficas
Área 135,402 km² [2]
População 34 140 hab. Censo IBGE/2010[3]
Densidade 252,14 hab./km²
Altitude 2 m
Clima Tropical Aw
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,696 médio PNUD/2010 [4]
PIB R$ 471 597 mil IBGE/2010[5]
PIB per capita R$ 13 810,79 IBGE/2010[5]
Página oficial
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Marataízes

Marataízes [nota 1] é um município localizado no litoral sul do estado do Espírito Santo, no Brasil. Faz divisa com Itapemirim, Presidente Kennedy e é banhado pelo Oceano Atlântico.

Segundo o censo 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Marataízes tem uma população de 34 140 habitantes, sendo, assim, o maior município em população no litoral sul do estado do Espírito Santo.

História[editar | editar código-fonte]

Por volta do ano 1000, os índios tapuias que habitavam o sul do Espírito Santo foram expulsos para o interior do continente devido à chegada de povos tupis procedentes da Amazônia. No século XVI, quando chegaram os primeiros europeus à região, esta era ocupada pela tribo tupi dos temiminós[6] . Marataízes partilha sua origem histórica com o município de Itapemirim, cujo povoamento europeu se iniciou em 1539, quando Pedro da Silveira estabeleceu fazenda perto da foz do Rio Itapemirim. Em 1700, chegaram, da Bahia, Domingos Freitas Bueno Caxangá, Pedro Silveira e outros, que se ocuparam da cultura da cana-de-açúcar, dando continuidade à construção do povoado.

Em 1771, quando os índios puris atacaram as Minas do Castelo (atual município de Castelo), seus moradores se refugiaram na foz do rio Itapemirim, fundando, naquele local, a Freguesia de Nossa Senhora do Patrocínio, hoje Barra do Itapemirim. Devido às facilidades de transporte e à segurança oferecida pelo ancoradouro interno a pequenas embarcações, a Freguesia progrediu rapidamente. Foi, sem dúvida, o ponto de partida de toda a colonização do Sul do Espírito Santo. O Porto da Barra do Itapemirim era a porta de saída de produtos da terra e a entrada dos primeiros colonizadores. Pela Barra do Itapemirim, entraram homens e as máquinas, o progresso, a civilização, a cultura e a arte. Pelo porto, entraram os vagões da estrada de ferro e saiu toda a produção de açúcar, aguardente e café, que, já em 1852, era superior a 100 000 arrobas, ou seja, 1 500 toneladas.

Em 1991, Marataízes se emancipou, se tornando um município independente.


Geografia e economia[editar | editar código-fonte]

A geografia de Marataízes se caracteriza por florestas tropicais costeiras próximas ao mar. O município é banhado pelo Oceano Atlântico tendo também porções de lagoas de água doce.

Na economia local se destacam a agricultura da plantação de abacaxi, a pesca oceânica e o turismo, que, no verão, recebe um grande número de turistas, muitos deles vindos do sul do Espírito Santo, além de estados vizinhos, principalmente Minas Gerais e Rio de Janeiro.

O município também faz divisa com Presidente Kennedy, grande polo nacional de extração de petróleo, o que garante royalties à prefeitura e investimentos no setor petrolífero. O polo urbano, comercial, educacional e industrial mais próximo é Cachoeiro de Itapemirim.

Invasão do mar e recuperação[editar | editar código-fonte]

No final de 2001, o mar invadiu a faixa de areia da praia central, se chocando diretamente com a Avenida Atlântica, destruindo até partes do calçadão de concreto. No entanto, no ano de 2008, o Governo Estadual iniciou uma grande e ousada obra para a recuperação da praia central de Marataízes. A recuperação da praia central de Marataízes compreende duas etapas, consistindo em recompor o trecho afetado por erosões com estruturas de enrocamento (5 no total) e o engordamento da faixa de areia e reurbanização completa para devolver a balneabilidade. O projeto foi elaborado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Hidroviárias, que baseou-se em estudos das situações pretéritas, climas de ondas, correntes marítimas, transportes de sedimentos, intensidade de maré e direção de ondas. Tais dados permitiram a modelagem matemática que indicaram a solução para o local. Os modelos matemáticos mostraram as formas destas obras que melhor atendem às necessidades estruturais e melhor desempenham seus papéis no meio ambiente.

A primeira etapa contemplou a construção de duas estruturas de pedras, uma ao norte e outra ao sul da praia. Na segunda etapa, foram construídas três estruturas de pedras, por etapas, protegendo e recuperando trechos sucessivos da praia, do sul para o norte, combinando a obra de construção das estruturas de pedras com o correspondente aterro na sua respectiva área de influência. No dia 6 de maio de 2009, foi conhecida a empresa que venceu a licitação pública, no valor de 41 500 000 reais: o Consórcio Contractor Rohde Nielsem, de origem dinamarquesa, para a segunda e última etapa das obras, que começaram em 16 de junho de 2009. No dia 7 de dezembro de 2009, o governador Paulo Hartung acionou a draga que irá recompor a faixa de areia da praia (a última etapa da obra). A dragagem tem prazo de 1 mês para ser concluída.

Espera-se a recuperação total da economia no turismo já para o verão de 2010 com prospecto de crescimento em 2011.

Praias[editar | editar código-fonte]

Praia Bacia das Turcas

Praia do Siri

Praia do Centro - Praia de águas calmas e areia fofa, localizada exatamente no Centro de Marataízes.

Praia de Boa Vista do Sul - É uma praia cercada por morros, ideal para a prática do windsurf e da pesca. Possui uma das maiores lagoas do município. É um bairro histórico, onde nasceu Domingos José Martins, herói capixaba.

Além das praias citadas, Marataízes ainda tem como opção os seguintes lugares, que totalizam mais de 25 km de praias: Praia Bacia das Turcas, Praia da Areia Preta, Praia da Barra, Praia dos Cações, Praia da Cidade Nova, Praia das Cruzes, Praia da Lagoa D'antas, Praia da Lagoa Funda, Praia das Arraias e Praia do Pontal.

População[editar | editar código-fonte]

A população de Marataízes, segundo o último censo demográfico realizado pelo IBGE em 2010, é de 34.140 habitantes. Assim o município é o maior do litoral sul, excluindo Guarapari que faz parte da Grande Vitória. E também o segundo maior de toda a região sul do estado, com aproximadamente a mesma população de Castelo, que tem 34.768 habitantes. Cachoeiro de Itapemirim, o pólo da região, é o maior município com 189.889 habitantes. A população de Marataízes teve um grande salto nos últimos anos, aumentando 11% nos últimos 10 anos, desde o Censo IBGE de 2000 até o Censo realizado em 2010.Isso reflete no crescimento do comércio no município, que é bem visível, com a instalação de importantes redes de lojas do estado, como a Itacar Motors, Honda Motors, Dadalto, Sipolatti, Antônio Auto-peças entre outras. Comparando a evolução da população do município de Marataízes com outros municípios da região, da Grande Vitoria e municípios fluminenses, além dos estados capixaba e fluminense e o país, temos a seguinte tabela.

Regiões e bairros[editar | editar código-fonte]

Casas no Centro
  • Área Urbana: Área Norte (Barra do Itapemirim): 10 Bairros (Pontal, Barra do Itapemirim, Areias Negras, Filemon Tenório, Candinha, Monte Carlo, Wandamaria, Cidade Nova, Acapulco e Queimada). Área Sul: Nova Marataízes (antiga Lagoa Funda), Lagoa Dantas e Lagoa do Siri.
Vila de Itapemirim, na região de Marataízes
  • Área Central: 27 bairros (Cidade Nova, Santa Rita, Ilmenita, Jardim Balneário Elza, Arraias, Miramar, Baixa dos Ubás, Centro, Belvedere, Santa Tereza, Elza, Esplanada, Esplanada II, Baixa Bonita, Alvorada, Bela Vista, Belo Horizonte, Novo Horizonte, Belo Horizonte Otil, Lourdes I, Lourdes II, Atlântico, Fátima, Dona Ruth, Nossa Senhora Aparecida, Xodó e Petrolândia.
  • Área Rural: 9 localidades - (Jacarandá, Brejo dos Patos, Fazenda Canaã, Jaboti, Nova Jerusalém, São João do Jaboti, Sol Nascente, Boa Vista do Sul e Praia dos Cações).

Biodiversidade[editar | editar código-fonte]

Marataízes é banhada pelo Oceano Atlântico, o que confere um número grande espécies marinhas e tropicais. A cidade é palco de três fenômenos naturais:

  • O deságue do Rio Itapemirim no mar, dando ao município grande variedade de peixes, tanto de água doce como oceânicos. A migração de peixes entre os dois ecossistemas é constante. As praias próximas ao rio são procuradas por pescadores amadores e esportivos.
  • A migração definitiva de habitat do Callinectes sapidus (siri). No local conhecido como Lagoa do Siri, essa espécie deixa o oceano atlântico migrando para uma grande lagoa de água doce, se reproduzindo e constituindo um habitat comum.
  • A migração e reprodução de Sterna paradisea (andorinha) provenientes da América do Norte, que chegam à região por volta do mês de dezembro para se reproduzir e retornar no início de março. Algumas dessas andorinhas são marcadas por centros de pesquisa/biologia estrangeiros e já foram encontradas por moradores da região.
  • Nos pequenos fragmentos de restinga encontrados nesta região, pode-se encontrar uma espécie de formiga cortadeira endêmica destes ambientes chamada Atta robusta Borgmeier, 1939, conhecida popularmente como saúva-preta. Esta espécie está no Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção.

Rádios de Marataízes[editar | editar código-fonte]

  • Web Rádio Marataízes [www.webradiomarataizes.rg3.net]
  • Litorânea fm (88,7 mhz)

Maratimbas ou Marataizenses ilustres[editar | editar código-fonte]


Galeria[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Nota ortográfica: Segundo as normas ortográficas vigentes da língua portuguesa, este topônimo deveria ser grafado como Marataíses.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil. Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Página visitada em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial. Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Página visitada em 5 dez. 2010.
  3. Censo Populacional 2010. Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (29 de novembro de 2010). Página visitada em 11 de dezembro de 2010.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil. Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Página visitada em 29 de julho de 2013.
  5. a b Produto Interno Bruto dos Municípios 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Página visitada em 28 jul. 2013.
  6. BUENO, E. Brasil:uma história. 2ª edição. São Paulo. Ática. 2003. p. 19.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]