Marca de fronteira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A Marcas eram regiões fronteiriças fortificadas do Reino Franco na época carolíngia (marca de fronteira, marca carolíngia).

À época de Carlos Magno, o Reino Franco contava cerca de quatrocentas unidades administrativas (inicialmente chamadas pagus, depois condado), chefiadas por condes, designados pelo rei e dependentes deste. Nas regiões de fronteira, ou Marcas, os condes receberam poderes adicionais, pois estavam incumbidos de guardar os limites do reino. Este "conde de fronteira", com precedência sobre os demais condes, passou a chamar-se marquês (marquis, em francês; Markgraf, em alemão), designação posteriormente transformada em título de nobreza.

No Reino Franco, Carlos Magno criou as Marcas da Espanha (contra os árabes), a Dinamarca (contra os dinamarqueses), a da Saxónia (contra os obotritas), a da Turíngia (contra os sorábios), a da Francónia (contra os checos), a dos Ávaros (contra os ávaros, posteriormente chamada Marcha Orientalis), a da Panónia, a da Caríntia e a do Friuli. Seus sucessores mantiveram este sistema e criaram novas marcas: a do Norte (posteriormente, de Brandemburgo), a dos Sorábios, a de Meißen, a de Zeitz, a da Carníola, a dos Billunger e outras.

O uso pelo reino carolíngio fez com que o termo se propagasse pela Europa e viesse a ser empregado no que se tornaria, posteriormente, a Dinamarca ("marca dos dinamarqueses"), a Alemanha (Nova Marca, Potsdam-Mittelmark e outros), a Áustria (Estíria), a Itália (Marche), a Noruega (Marca Finlandesa, na fronteira com a Finlândia), a França (comté de la Marche, dentre outros) e a Inglaterra (Welsh Marches).

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra marca vem do frâncico marka ("fronteira"), esta do proto-germânico marko, que, por sua vez, se origina da raiz proto-indo-europeia *mereg- ("borda", "fronteira"). Desta raiz veio o latim margo ("borda", "margem") e os vocábulos portugueses "margem", "marca" e "marcar", dentre inúmeros outros.

De entre outras acepções, marca significa "fronteira ou limite", daí o uso do vocábulo para designar as marcas de fronteira.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre geografia (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.