Marco Fábio Ambusto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Novembro de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Marco Fábio Ambusto, em latim M. Fabius N.f. M.n. Ambustus,[1] foi um político e militar da República Romana que ocupou o consulado por três ocasiões e o cargo de ditador romano em uma.

Segundo William Smith, ele provavelmente era filho de Numério Fábio Ambusto,[2] tribuno consular em 406 a.C. e 390 a.C..[3] Numério era um dos três filhos de Marco Fábio Ambusto,[3] pontífice máximo em 390 a.C., o ano em que Roma foi tomada pelos gauleses; os três filhos do pontífice, Cesão (Kaeso), Numério e Quinto, haviam sido enviados como embaixadores aos gauleses que ameaçavam Clúsio, mas lutaram contra os gauleses, o que teria sido um dos motivos do ataque gaulês a Roma.[4]

Os seus consulados tiveram lugar durante os anos de 360,[1] 356 e 354 a.C.,[carece de fontes?] tendo como colegas, respectivamente, Caio Petélio Libão Visolo,[1] Marco Popílio Lenate (também pela segunda vez) e Tito Quíncio Peno, numa época na que Roma se estava recuperando da derrota sofrida nas mãos dos Gauleses na Batalha de Ália de 387 a.C. e o saque de Roma posterior. Derrotou os Hérnicos em 356 e os Tiburinos em 354, ganhando um triunfo por esta última vitória. Foi, porém, derrotado por Tarquínia.[5]

Ocupou o cargo de interrex entre 355 e 351 a.C., ano este último no que foi designado ditador romano.[6] Durante a sua ditadura, e apesar das suas objeções, os plebeus voltaram a ser considerados hábeis para ocupar o consultado.[5]

Há um certo desacordo entre os historiadores sobre se chegou a ocupar o cargo de censor romano, possivelmente em 358 a.C., e o de príncipe do senado nos anos posteriores da sua vida. Estes dois cargos nessa época estavam ligados, pois antes de 209 a.C. todos os príncipes do senado deviam ter sido censores.[6]

Seu filho, Caio Fábio, recebeu o cognome Pictor por ter pintado, em 304 a.C., o templo da deusa da saúde; Caio Fábio Pictor foi o pai de Caio Fábio Pictor, que foi cônsul romano, e o avô de Quinto Fábio Pictor, considerado como o primeiro romano que compilou uma história da cidade, a partir de informações dos pontífices e da tradição popular.[7]

Referências

  1. a b c Fasti Capitolini [em linha]
  2. William Smith, Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology, 7. M. Fabius N.f. M.n. Ambustus [em linha]
  3. a b William Smith, Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology, 4. N. Fabius M.f. Q.n. Ambustus
  4. William Smith, Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology, 2. Marcus Fabius Ambustus
  5. a b John Hazel (2002). "Fabius 1. Ambustus, Marcus". Who's Who in the Roman World. Routledge. p. 105. ISBN 0-415-29162-3. 
  6. a b Francis X. Ryan. Rank and participation in the Republican Senate. [S.l.: s.n.], 1998. 173–174 pp. ISBN 3-515-07093-1.
  7. Penny Cyclopedia (1837), Fabius Pictor [google books]